domingo, 28 de abril de 2019

[Pernoitar, comer e beber fora] Ai o Capa Negra!

Em dezembro de 2017, no Porto, um motorista de táxi, bem-falante, que nos levava de algum lugar para outro lugar, nos falou do Capa Negra e do Café Santiago.

Aliás, foi graças a ele, que visitamos em Viana do Castelo (porque eu disse que, no dia seguinte, iríamos para Viana), o navio-hospital Gil Eannes.

Nessa ocasião, para conhecer a francesinha, fomos ao Café Santiago.

Então, mas a dica daquele motorista de táxi ficou na minha memória. Dezesseis meses depois, voltando ao Porto, o alvo era o Capa Negra! Pois que muito falado pela “francesinha” que serve.

Pegamos um táxi à moda antiga: esperando na rua e fazendo aquele sinal com a mão. No Porto, pelo que observamos (e comentamos entre nós) ainda existem táxis circulando vazios em busca de passageiros...

Chegamos ao famoso Capa Negra. O jovem DT foi checar, na internet, se aquele local era mesmo o celebrado Capa Negra.

Adentramos, mais nos pareceu um café de vizinhança. Os televisores estavam transmitindo o jogo entre a Juventus e o Ajax, para a Liga dos Campeões da Europa. Onde sentamos, à minha frente estava um senhor, degustando um fino, digo degustando pois que desde que nos sentamos até nos levantar, o fino continuou com a mesma marca de consumo, se é que me entendem... o senhor não estava lá para comer francesinhas, estava lá para torcer pelo Ajax!

Bom, continuando, pedimos a “Francesinha com ovo”.


Eu achei bastante picante, mais do que esperava. O jovem DT, que me informou que o molho da francesinha é, tradicionalmente, picante, gostou. Mas, ressalvou, aquela não era a mais gostosa que já comera.

O serviço, blasé. Afinal, estava passando o jogo...

Não me lembro qual foi o custo.

Quer saber? Do que mais gostei foi a silhueta da Igreja do Bonfim, que está mais para catedral.


Para mim, experiências com ‘francesinhas’ estão esgotadas. Fico com a impressão do Café Santiago, em dezembro de 2017.

Do Capa Negra só lembrarei da Filósofa.

Anteriores:

Um comentário:

  1. O passageiro, GC, da poltrona 30D, me perguntou em off, o quê ou quem era a Filósofa.
    Então, explico:
    Estávamos conversando sobre a diferença entre Saber e Cultura, quando uma senhora na mesa ao lado, nos interrompeu, com educação, para nos dizer das suas certezas, como a de Sócrates (o filósofo, não o político) que já dizia “Só sei que nada sei”.

    Citou também Einstein e Descartes. E mais não citou porque, entretanto, encerrávamos a conta.
    Mas ficou visivelmente satisfeita com a atenção que lhe foi dispensada.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-