segunda-feira, 22 de abril de 2019

Preso no seu tempo

Vitor Cunha

De nenhum livro de história do século XXII constará a taxa de IVA do país em que foi editado. Também não constará se o gasóleo subiu, se o imposto sobre os combustíveis era incomportável ou se o saco plástico proibido ao belga impediu o Oceano Índico de se fossilizar em ilhas de plástico. O que constará é que o século XXI foi aquele em que, mais uma vez, e ignorando os avisos do século anterior, se tentou reduzir a humanidade a um conjunto de decretos determinantes do algoritmo desejado para o comportamento dos humanos.

Sri Lanka, abril de 2019, foto: AP
O “politicamente correto” não é uma mera cortesia levada longe demais: é um método de redução da linguagem à forma mais primitiva possível de raciocínio, o triunfo do instinto. O esforço levado a cabo para destruir o império cristão, com a conivência dos bárbaros paganistas chanfradinhos por leis e decretos, subvertendo a semântica vazia de “fake news”, que se são fake não podem ser news, obtiveram significado para o vazio das expressões por simbiose com o vazio da ética. Os vazios são assim: nada; o nada é, por consequência, todo igual na sua própria ausência de matéria.

Não há terroristas islâmicos: há terroristas brancos, da extrema-direita das “fake news”, ou há pessoas com perturbações. De resto, o que há são carros e bombas que matam, não há assassinos. Decreta-se de forma a que quem o desejar possa ser assassinado num hospital. Mas, o que é o querer? O que é o desejo? Na uniformização das pessoas, na igualdade, não há lugar a desejos que ponham em causa essa igualdade. Inventam-se doenças para caracterizar quem não partilha de um desejo, as fobias, como se querer preservar instituições como o casamento seja igual a ter medo de homossexuais. O medo combate-se, igualando, nivelando todos pela bitola do algoritmo. Não há diversidade, há igualdade, bem mais total do que parece por ser aferida com a linguagem do momento.

Por isso, parta para a sua auto expressão: tatue-se, deixe crescer a barba, seja lenhador; recite mantras de aquecimento global e de fobias variadas, seja ecumênico porque tudo é igual a tudo e, assim, tudo vale nada; eutanasie-se. Seja a norma. Seja tudo o que de si esperam. Contamos todos consigo.

Há quem pense – ainda há – que o liberalismo está na moda. Não está. Já veio e já se foi. Agora resta isto, a ilusão de liberdade na igualdade.
Título e Texto: Vitor Cunha, Blasfémias, 22-4-2019

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-