domingo, 28 de abril de 2019

[As danações de Carina] A Certidão

Carina Bratt

Hoje cedo, mal deu oito horas, a portaria me ligou. Era Firmino, o porteiro. Havia um senhor à minha procura. Indaguei o nome, mas o Firmino disse, de cara, que ele “o senhor”, não revelou como se chamava. Limitou a esclarecer que o sujeito “se identificou como oficial de justiça” e necessitava, com certa urgência, falar comigo. Pedi que o fizesse subir.


Quando a campainha tocou, corri atender, acertando a saia que colocara às pressas.
- Pois não?
- Dona Carina Bretti?
- Senhorita...
- Ok. Senhorita Carina Bretti. Eu...
- Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final.
- Desculpe. Senhorita Carina Bratt. Meu nome é Miguel Arcanjo. Sou oficial de justiça. 

- O que deseja de mim?
- Minha vinda aqui, para a senhora, digo, para a senhorita, será meio chata. Vim penhorar seus bens.
- Não entendi. Penhorar?!
- Exatamente senhorita Bretti. Penhorar.
- Seu Miguel Arcanjo, não é Bretti. É Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final.
- Perdão, perdão.
- A que se refere essa penhora?

- Ah sim! Há exatos três anos atrás a senhora...
- Senhorita...
- A senhorita escreveu um texto e publicou num jornal ofendendo seu vizinho, o Dr. Tamborda de Aguiar Frumtuoso. Recorda?
- Sim. Publiquei uma crônica onde falava que o Dr. Tamborda além do nome feio, fora presenteado pela natureza com um umbigo esquisito.
- Perfeito. Então, ele não gostou, ingressou com um processo na vara das “pequenas causa” por ofensa à sua moral e o processo correu à revelia. A senhora...

- Senhorita...
- A senhorita nunca compareceu a nenhum ato do feito. Vários colegas meus bateram na sua porta e a senhora, quero dizer, a senhorita, nunca foi efetivamente encontrada. Sempre viajando, ora pro Rio, ora pra Brasília.  Um colega meu, o Fúlvio chegou a citar a senhora, digo senhorita, por hora certa.
- Nunca recebi nada...

- Ah sim! Intimaram o porteiro. Na época o seu Juvenal Cabristelo.
- Meu não, do prédio. Faz seis meses que morreu...
- Maneira de me expressar. Bom. Pela morte meus pêsames. O fato é que por negligência sua, o juiz sentenciou e eu vim aqui penhorar seu umbigo, desculpe, desculpe pela gafe, vim penhorar uns bens de sua propriedade para cobrir a indenização do processo, hoje em torno de dois mil seiscentos e dois reais e cinco centavos.
- Tudo isso por causa de um umbigo?

- Pra ver como são as coisas. Ademais, senhora, digo, senhorita, não é um umbigo qualquer. Pertence ao Dr. Tamborda.
- O umbigo do Dr. Tamborda não vale a barriga que o aguenta. Graças a Deus mudou daqui!

- Isso não importa agora, senhorita Bretti.
- Bratt, senhor Miguel dos Anjos. Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final.
- Agora sou eu quem lhe corrigirá, com todo respeito. Miguel Arcanjo.
- Não importa. Tudo nos remete a entes celestiais. Trocado em miúdos: anjos.
- Não é não. Engano seu! Prezo meu nome como o senhor Dr. Umbigo zela pelo seu tamborda. Credo! Perdão, senhora, digo, senhorita. Como o senhor Tamborda encara o seu precioso umbigo.
- Era só o que me faltava...

- Vejo que o seu apartamento é bem mobiliado. Belas cortinas, quadros preciosos, dois sofás retráteis, uma espreguiçadeira, uma tevê tela plana, som, um teclado novíssimo, um piano... rede na varanda...
- Seu Miguel, me escuta. Nada aqui é meu.
- Como não é seu?
- Tudo o que o senhor está vendo pertence ao meu patrão. Trabalho para um jornalista, e, além desses cacarecos todos, o apartamento igualmente é dele. O cara é tão miserável que além de me sugar o dia todo, ainda me cobra um aluguel altíssimo. Resumindo, seu Miguel Arcano: se o senhor me virar de cabeça para baixo, além desse vestido do tempo do ronca, me verá de calcinha rasgada no...

- Senhorita Bretti por favor. Miguel Arcanjo. Arcanjo. Não será preciso fazer nada disso. Aquele sofazinho ali, de dois lugares?
- O senhor errou de novo. Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final. De onde o senhor tirou esse bretti?
- Está aqui no meu mandado. Veja com seus próprios olhos. Carina Bretti. Be erre e dois tês com i no final. Voltando ao sofazinho de dois lugares...?
- É do meu patrão...
- A mesa de vidro ali encostada à janela com oito cadeiras?
- Idem...   
- No quarto?
- Cama e guarda roupas, tudo do meu patrão...
- No banheiro, digo, na cozinha? Geladeira, fogão, armário... liquidificador...

- Bem lembrado. Na cozinha tem uma coisa que é minha de verdade e por direito. Pertenceu a minha falecida avó Salésia. Acredito que pelo valor dê para cobrir a dívida desse maldito umbigo...
- E o que seria?
- Uma mesa de café trabalhada em ferro com duas cadeiras. Qualquer antiquário me daria dez mil reais nela. Falo nesse valor, porque algum tempo andei fazendo levantamento...
- Posso vê-la?
- Minha avó?
- Não senhorita Bretti. A tal mesa...
- Por favor, lhe peço: B-R-A-T-T. Repetindo. Be erre a dois tês sem o i no final.
- De novo peço desculpa. Sou meio destrambelhado... e esquecido...
- Desculpas aceitas. Por favor, me acompanhe. Aproveito e lhe sirvo um café. Acabava de tomar o meu quando o Firmino interfonou...

Tomado o café, o oficial fez a tal da penhora da mesa que lhe mostrei. Relíquia da minha falecida avó Salésia. Não teve choro. Ao terminar, pediu que repetisse o café. Enquanto lhe servia, me explicou que ainda poderia “embargar a penhora” se eu quisesse desde que fosse aos autos no prazo de lei.
- Se tiver de acordo, assim que eu acabar de ler o que escrevi na certidão de penhora, a senhora, digo, a senhorita, por favor, assinará as duas vias. Uma cópia é sua...  

- Vai em frente. Pode ler. Cumpra seu dever. Sou toda ouvidos...
- Certifico e dou fé que em cumprimento ao respeitável mandado estive em residência da senhorita Carina Bretti ai estando com ela penhorei na falta de ‘outros bem a serem relacionado penhorei e deixei ela em sua própria pessoa ciente como depositaria fiel sobre pena de prisão’ uma “MESA DE COMER VELHA DE QUATRO PÉS...’”.
Título e Texto: Carina Bratt, de Sertãozinho, interior de São Paulo. 27-04-2019

Anteriores:

2 comentários:

  1. Ca, gostei da mesa de comer velha de quatro pés. Bem criativa o posicionamento da sua avó, digo, da mesa da sua avó no texto. A cada dia você me supera. Parabéns. Seu fã incondicional. Aparecido.
    João Pessoa em pessoa, na Paraíba.

    ResponderExcluir
  2. 01.05.2019. POIS É A MINHA PRINCESA FICOU MAIS VELHINHA. 30 ANOS. PARA MIM, TODAVIA, VOCÊ CONTINUA LINDA, PERFEITA, INIMITÁVEL, INCANSÁVEL, INSUBSTITUÍVEL. QUE DEUS PAI LHE GUARDE SEMPRE. HOJE E NOS DEMAIS DIAS DE SUA EXISTÊNCIA. PARABÉNS, MUITAS FELICIDADES E TODAS AS RIQUEZAS DO MUNDO. (APARECIDO RAIMUNDO DE SOUZA).

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-