sexta-feira, 10 de abril de 2020

Bruno Covas anuncia uso da cloroquina no tratamento da covid-19

Prefeitura tem hoje 6 mil cápsulas à disposição
   
Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas [foto], anunciou hoje (9) que a Secretaria Municipal da Saúde vai incluir a cloroquina como uma das formas de tratamento para o coronavírus nos hospitais municipais. No entanto, lembrou que o uso da substância só é autorizado para pacientes internados e sob duas condições, quando houver prescrição do médico e desde que o uso seja autorizado formalmente pelo paciente ou por sua família.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

“Já determinei à Secretaria de Saúde para que ela possa adquirir mais desse material. Temos hoje 6 mil cápsulas à disposição. Como cada paciente precisa de seis, já temos medicamentos para tratar mil pessoas que estejam internadas”, disse o prefeito.

“Ainda não é possível ser uma política pública porque não temos ainda pesquisas concluídas [sobre a eficiência do medicamento]. Mas havendo prescrição do médico e a concordância do paciente, a secretaria passou a integrar esse medicamento no protocolo de atendimento da covid-19”, disse Covas.

Infectologista
Ontem (8), em entrevista coletiva, o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, disse que o uso da cloroquina deve ser feito com muito cuidado, já que se trata de um medicamento com efeitos colaterais. “A cloroquina está indicada para pacientes internados, desde que prescrita pelos médicos com aceite formal assinado pelo paciente. Temos enorme experiência com a cloroquina. Ela é usada há muitos anos no tratamento da malária. É uma droga importante, mas com efeitos colaterais, não desprezíveis. Ela deve ser utilizada sob prescrição e observação médica”, disse Uip, ressaltando que sua eficiência ainda não foi comprovada cientificamente.

Também ontem (8), o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, disse que São Paulo já recebeu 200 mil comprimidos de cloroquina, que estão sendo distribuídos para uso nos hospitais públicos.
Título e Texto: Agência Brasil; Edição: Fernando FragaAgência Brasil, 9-4-2020, 18h14

Relacionados:

Um comentário:

  1. Atualização
    10 de abril, 15h40

    No mundo:
    1 622 167 casos/97 264 mortes/ 365 250 recuperados.

    Países/Regiões atingidos: 185

    Espanha: 157 022 casos/15 853

    Itália: 143 626/ 18 279 mortes

    França: 118 790/12 210

    Brasil: 18 176/957

    Portugal: 15 472/435

    Lista dos vinte países por número de casos:

    EUA: 467.184
    Espanha: 157.022
    Itália: 143.626
    Alemanha: 119.401
    França: 118.790
    China: 82.940
    Iran: 68.192
    Reino Unido: 65.873
    Turquia: 42.282
    Bélgica: 26.667
    Suíça: 24.427
    Holanda: 23.245
    Canadá: 20.765
    Brasil: 18.176
    Portugal: 15.472
    Áustria: 13.494
    Rússia: 11.917
    Coreia do Sul: 10.450
    Israel: 10.095
    Suécia: 9.685


    Lista dos vinte países por número de mortes:

    Itália: 18.279
    Espanha: 15.843
    França: 12.210
    Reino Unido: 7.978
    Cidade de Nova Iorque: 5.150
    Irã: 4.232
    Hubei (China): 3.216
    Bélgica: 3.019
    Alemanha: 2.607
    Holanda: 2.511
    Suíça: 987
    Brasil: 957
    Turquia: 908
    Suécia: 870
    Nassau (N.Y.): 633
    Wayne (Michigan – EUA): 504
    Portugal: 435
    Suffolk (N.Y.): 362
    Westchester (N.Y): 359
    Cook (Illinois): 352

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-