domingo, 5 de abril de 2020

Non! Il est moins seul que votre président!


4 comentários:

  1. Sim. A partir de agora, quando entender dividir com o leitor algum tuíte que julguei interessante ou tem a minha intervenção, farei um print screen.

    ResponderExcluir
  2. A França tem seus defeitos. Fizeram uma revolução aristocrática que teve o mesmo fim da monarquia, a guilhotina.
    Depois, não acreditaram que os alemães os invadiriam.
    Tiveram parte da resistência do povo que ajudavam os alemães.
    Foram humilhados na rendição, se não houvesse americanos e ingleses a Europa seria alemã.
    Já na década de 80, você pagava pedágio aos muçulmanos em pontos turísticos franceses como na igreja do sagrado coração.
    É um povo covarde que não honra as calças de Joana.
    Falam do povo brasileiro, mas cansei de assistir os batedores de carteira nos seus metros, assim era na Itália e em certas regiões de Madrid.
    Quando fui para a base Lisboa, me perguntaram quanto eu queria para ficar. Respondi na época 25000 escudos, me mandaram voltar porque aceitaram 15000.
    Eu fui o único tripulante emprestado na base Lisboa que recebia 1000 escudos por semana para diversão, além das diárias.
    Infelizmente a única diversão parisiense é o Louvre.
    A comida para meu gosto é péssima, detesto aspargos, por outro lado adoro o vinho.
    Sempre teve a França um povo arrogante.
    Hoje em dia até no futebol lotado de argelinos.
    Os únicos países que teimam em jogar só com locais são os sul-americanos.
    A França sobrevive de criticar outros países e não consegue cuidar de si mesma.
    fui...

    ResponderExcluir
  3. Vivi num país de expressão francesa. Aprendi a gostar da França e da sua cultura. A mãe dos meus dois filhos é francesa. Gosto muito da França, disse, da França do interior! Nada a ver com Paris, literalmente dominada por pessoas não francesas e/ou que detestam a França.

    Sim, é um povo com muitos exemplos de arrogância vis-à-vis dos outros. Particularmente o parisiense.

    Na década de 70 o governo deslanchou uma campanha, apoiada e divulgada pela mídia, ensinando o parisiense a bem receber o turista.

    Sim, a França sobrevive de criticar outros países: o atual presidente desse país é o exemplo mais que perfeito e atual.

    A maioria da imprensa segue esse exemplo. É só ler, mesmo que en passant, como ‘noticiam’ Trump, Bolsonaro, Salvini, Boris... três différement de Macron.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliás, se tanto Macron, como o PM e o presidente de Portugal, fossem tratados pela mídia e pela oposição, somente dez por cento como é tratado (ofendido e insultado) Jair Bolsonaro, já teriam sumido. O presidente de Portugal, esse então, teria derretido.

      Excluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-