quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

O Dia Nacional do Aposentado

Almir Papalardo

Oi que mentira que lorota boa, oi que mentira que lorota boa... grande sucesso do nosso saudoso "Rei do Baião", o grande sertanejo Luiz Gonzaga. Forró que se encaixa perfeitamente no falso Dia do Aposentado brasileiro, 24 de janeiro, que por pura balela e falsidade, se comemora!

Copacabana, 24 de janeiro de 2010

Qualquer um dos nove milhões de aposentados da iniciativa privada prejudicado por políticas esdrúxulas, trocaria de bom grado o seu dia comemorativo, há duas décadas sem motivos para comemorá-lo, pelo respeito e lealdade que os nossos poderes públicos seriam obrigados a nos proporcionar, respeitando e reconhecendo o trabalhador agora cansado e desgastado, como patrimônio nacional. Nossa aposentadoria deveria ser por motivos óbvios, IMEXÍVEL, INTOCÁVEL, livre de achatamentos arbitrários e despropositados. Nada de fatores, nada de desvínculos, nada de obstruções, nada de vetos para os projetos aprovados, nada de má vontade política!! 

Deixem, pelo Amor de Deus os aposentados em paz, que apenas esperam o dia da sua partida para um mundo melhor! Não tornem este finzinho de vida dos velhos e sofridos aposentados em um "Inferno pré-instalado já aqui na Terra".   

O aposentado já cumpriu com méritos e denodo toda a sua missão no mercado de trabalho! Mereceria um mínimo de consideração e respeito. Mas, dá-se justamente o contrário. Em vez de ter sua aposentadoria protegida e conservada no finzinho da vida e quando mais dela precisa, passa a ser um cidadão humilhado, desprezado, manipulado como cobaia, obrigado a engolir uma perniciosa discriminação, por não atender mais aos interesses do governo que tem a obrigação de sustentá-lo sem receber mais aquelas robustas contribuições mensais descontadas diretamente na fonte.

E não fica resumido só nisto a má vontade política que somos obrigados a engolir! O governo nos castiga sem limites!  Assistimos nossa aposentadoria ser atacada, ficando defasada ano após ano, abalando psicologicamente nossa mente insegura com as mais sórdidas manobras, para nos afastar da possibilidade de reconquistar algum dos nossos direitos negados e covardemente surrupiados. Para aqueles incautos que acham ser um exagero toda esta dura e ressentida reclamação, cito o meu próprio exemplo, o que acontece com todos os demais aposentados atingidos, argumentando que me aposentei com oito salários mínimos e, hoje, recebo sem explicações lógicas e convincentes, apenas três pisos pagos pela Previdência!! Surrupiaram-me, com ardiloso passe de mágica, cinco salários mínimos...

Mantém-nos de mãos atadas desestruturando a nossa alto-estima, a nossa tranquilidade, a nossa paz de espírito, a nossa segurança, constrangendo-nos e oprimindo-nos, não permitindo que nossos projetos de alforria possam sequer chegar as pautas de votação. E quando conseguem chegar a duras penas às sessões plenárias, e se eventualmente aprovados pelo Congresso, é o próprio presidente da república que perversamente nos congela, jogando-nos uma ducha de água fria, vetando os projetos recém-aprovados sem dó nem piedade... 

Queremos o fim definitivo do Fator Previdenciário não aceitando mais fórmulas mágicas engendradas para substituí-lo! Exigimos também o fim desta estranha invencionice de corrigir as aposentadorias do setor privado com dois percentuais diferentes por ocasião dos aumentos anuais! Quem dentre os Três Poderes será o primeiro herói a se pronunciar heroicamente, desligando-se desta maldita e desqualificada perseguição da qual tornou-se conivente? Que cada Poder Público cumprindo honradamente com o seu dever constitucional, se revista de brios e senso de justiça, partindo agora, mesmo que tardiamente, em defesa dos inocentes e desprotegidos aposentados e pensionistas! Por ser ilusório e mentiroso o Dia do Aposentado brasileiro, esta falsa data deveria ser transferida do dia 24 de janeiro, para o dia 30 de fevereiro, desmascarando a autenticidade do evento!  
Título e Texto: Almir Papalardo, 24-1-2018

Em 24 de janeiro de 1923, o presidente Artur Bernardes sancionou o projeto do deputado Elói Chaves que criava uma caixa de aposentadoria e pensões para os funcionários das empresas de estrada de ferro do Brasil. Essa é considerada a primeira lei brasileira de previdência social, e a data de sua criação foi escolhida para comemorar o Dia Nacional do Aposentado e da Previdência.

Relacionados:

Um comentário:

  1. Na condição de eterno vice de LULA, Michel Temer jura que cada um de nós viverá 140 anos.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-