sábado, 21 de abril de 2018

[Pernoitar, visitar, comer e beber fora] Curral dos Caprinos

Na última edição da revista SÁBADO (nº 729, de 19 a 23 de abril de 2018) o suplemento GPS traz uma matéria sobre restaurantes dos subúrbios de Lisboa e Porto.  Eis que o restaurante onde se realizaram os 1º e 2º Encontro Europeu de ex-Trabalhadores da Varig, Familiares e Amigos – e onde acontecerá o 3º Encontrão – foi visitado pela equipe de reportagem desse suplemento.

Confira a matéria:


CURRAL DOS CAPRINOS

Localização: Rua 28 de setembro, nº 13 - Sintra 
Horário: 
12h-15h30 e 19h-22h30
Preço médio: 
€40

Chama-se Curral dos Caprinos porque, numa vida anterior, já foi curral. “Ali ao canto, entre o último pilar e as paredes, ficavam os borregos e no restante espaço estavam as ovelhas. Em cima era o palheiro. Isto era de uma pessoa de cá”, conta, na entrada de uma das salas de jantar, António Pacheco, um dos proprietários do restaurante fundado em agosto de 1974.

De fora, visto da rua, o restaurante parece um armazém de mobiliário de escritório – mas não foi pela sua fachada que o Curral dos Caprinos se tornou uma referência de gastronomia do Baixo Alentejo (António Pacheco é natural de Odemira) e da Beira Baixa (o sócio João Ramos Levita é de Oleiros).


As três salas do restaurante permitem sentar 250 pessoas, mas, mesmo assim, ao fim-de-semana convém reservar mesa.

2º Encontrão, 17 de junho de 2017
A carta divide-se geograficamente entre pratos do Sul – como o bacalhau na brasa à alentejana (€18,50) – e do Norte, como os maranhos à moda de Oleiros (€16,50) ou o cabrito estonado, também à moda de Oleiros, que vai inteiro ao forno, recheado de miudezas. Fazem-no há 35 anos, mas só por reserva. Trinta euros é o preço do quilo de cabrito, que pode pesar entre seis e oito quilos.

Nas especialidades há ainda uma entrada de cogumelos fritos com gambas (€9,80) e um molho que parece ser de café, mas que não o é. “Já muitos tentaram fazer igual, mas nenhum se aproxima”, conta António Pacheco. “Há quem peça com arroz para acompanhar e faça disto um prato.”


A carta de sobremesas é uma oportunidade para aumentar o léxico gastronômico. Pergunte aos proprietários pelo significado de cuequinha, paxixa, jatobá, levetim e tanga, pela diferença entre pijama e pijaminha e prepare-se para uma surpresa: “O pijaminha, que agora muitos estabelecimentos usam, foi inventado por nós!”
Reportagem de Ágata Xavier, Filipa Teixeira e Markus Almeida, revista Sábado, nº 729, de 19 a 23 de abril de 2018

Observações:

É com o senhor António Pacheco que tratamos dos detalhes dos nossos três encontrões.

A entrada de cogumelos fritos com gambas tem recebido entusiasmados “Bravo!” dos nossos amigos Encontrantes.

Atentem para o preço médio que, pressupõe-se, engloba uma entrada, um prato quente, uma garrafa de vinho e sobremesa: 40 €.

Os Encontrantes pagarão 42 € por almoço (sopa, a entrada de cogumelos e dois pratos quentes – bacalhau e vitela, sobremesa), jantar frio, tipo buffet, com caldo verde e bar aberto durante todo o convívio.

Relacionados:

Anteriores:

3 comentários:

  1. O restaurante é ótimo. A relação qualidade/custo é favorável à qualidade.
    Desejo uma inesquecível tarde de convívio para os terceiros Encontrantes!

    ResponderExcluir
  2. Até ao momento, 40 pessoas confirmaram a presença através do e-mail da Organização, informando os dados solicitados. Receberam o e-mail 'oficial' de confirmação e o respectivo número.

    Ainda faltam 20 confirmações para atingirmos o número mínimo que nos dará a possibilidade de passarmos a tarde no salão principal.

    Obrigado.
    Abraços e beijos de carinho./-

    ResponderExcluir
  3. E-mail da Comissão Organizadora:
    EncontroEuropeuRG@gmail.com

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-