domingo, 28 de abril de 2019

[As danações de Carina] A Certidão

Carina Bratt

Hoje cedo, mal deu oito horas, a portaria me ligou. Era Firmino, o porteiro. Havia um senhor à minha procura. Indaguei o nome, mas o Firmino disse, de cara, que ele “o senhor”, não revelou como se chamava. Limitou a esclarecer que o sujeito “se identificou como oficial de justiça” e necessitava, com certa urgência, falar comigo. Pedi que o fizesse subir.


Quando a campainha tocou, corri atender, acertando a saia que colocara às pressas.
- Pois não?
- Dona Carina Bretti?
- Senhorita...
- Ok. Senhorita Carina Bretti. Eu...
- Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final.
- Desculpe. Senhorita Carina Bratt. Meu nome é Miguel Arcanjo. Sou oficial de justiça. 

- O que deseja de mim?
- Minha vinda aqui, para a senhora, digo, para a senhorita, será meio chata. Vim penhorar seus bens.
- Não entendi. Penhorar?!
- Exatamente senhorita Bretti. Penhorar.
- Seu Miguel Arcanjo, não é Bretti. É Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final.
- Perdão, perdão.
- A que se refere essa penhora?

- Ah sim! Há exatos três anos atrás a senhora...
- Senhorita...
- A senhorita escreveu um texto e publicou num jornal ofendendo seu vizinho, o Dr. Tamborda de Aguiar Frumtuoso. Recorda?
- Sim. Publiquei uma crônica onde falava que o Dr. Tamborda além do nome feio, fora presenteado pela natureza com um umbigo esquisito.
- Perfeito. Então, ele não gostou, ingressou com um processo na vara das “pequenas causa” por ofensa à sua moral e o processo correu à revelia. A senhora...

- Senhorita...
- A senhorita nunca compareceu a nenhum ato do feito. Vários colegas meus bateram na sua porta e a senhora, quero dizer, a senhorita, nunca foi efetivamente encontrada. Sempre viajando, ora pro Rio, ora pra Brasília.  Um colega meu, o Fúlvio chegou a citar a senhora, digo senhorita, por hora certa.
- Nunca recebi nada...

- Ah sim! Intimaram o porteiro. Na época o seu Juvenal Cabristelo.
- Meu não, do prédio. Faz seis meses que morreu...
- Maneira de me expressar. Bom. Pela morte meus pêsames. O fato é que por negligência sua, o juiz sentenciou e eu vim aqui penhorar seu umbigo, desculpe, desculpe pela gafe, vim penhorar uns bens de sua propriedade para cobrir a indenização do processo, hoje em torno de dois mil seiscentos e dois reais e cinco centavos.
- Tudo isso por causa de um umbigo?

- Pra ver como são as coisas. Ademais, senhora, digo, senhorita, não é um umbigo qualquer. Pertence ao Dr. Tamborda.
- O umbigo do Dr. Tamborda não vale a barriga que o aguenta. Graças a Deus mudou daqui!

- Isso não importa agora, senhorita Bretti.
- Bratt, senhor Miguel dos Anjos. Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final.
- Agora sou eu quem lhe corrigirá, com todo respeito. Miguel Arcanjo.
- Não importa. Tudo nos remete a entes celestiais. Trocado em miúdos: anjos.
- Não é não. Engano seu! Prezo meu nome como o senhor Dr. Umbigo zela pelo seu tamborda. Credo! Perdão, senhora, digo, senhorita. Como o senhor Tamborda encara o seu precioso umbigo.
- Era só o que me faltava...

- Vejo que o seu apartamento é bem mobiliado. Belas cortinas, quadros preciosos, dois sofás retráteis, uma espreguiçadeira, uma tevê tela plana, som, um teclado novíssimo, um piano... rede na varanda...
- Seu Miguel, me escuta. Nada aqui é meu.
- Como não é seu?
- Tudo o que o senhor está vendo pertence ao meu patrão. Trabalho para um jornalista, e, além desses cacarecos todos, o apartamento igualmente é dele. O cara é tão miserável que além de me sugar o dia todo, ainda me cobra um aluguel altíssimo. Resumindo, seu Miguel Arcano: se o senhor me virar de cabeça para baixo, além desse vestido do tempo do ronca, me verá de calcinha rasgada no...

- Senhorita Bretti por favor. Miguel Arcanjo. Arcanjo. Não será preciso fazer nada disso. Aquele sofazinho ali, de dois lugares?
- O senhor errou de novo. Bratt. Be erre a dois tês sem o i no final. De onde o senhor tirou esse bretti?
- Está aqui no meu mandado. Veja com seus próprios olhos. Carina Bretti. Be erre e dois tês com i no final. Voltando ao sofazinho de dois lugares...?
- É do meu patrão...
- A mesa de vidro ali encostada à janela com oito cadeiras?
- Idem...   
- No quarto?
- Cama e guarda roupas, tudo do meu patrão...
- No banheiro, digo, na cozinha? Geladeira, fogão, armário... liquidificador...

- Bem lembrado. Na cozinha tem uma coisa que é minha de verdade e por direito. Pertenceu a minha falecida avó Salésia. Acredito que pelo valor dê para cobrir a dívida desse maldito umbigo...
- E o que seria?
- Uma mesa de café trabalhada em ferro com duas cadeiras. Qualquer antiquário me daria dez mil reais nela. Falo nesse valor, porque algum tempo andei fazendo levantamento...
- Posso vê-la?
- Minha avó?
- Não senhorita Bretti. A tal mesa...
- Por favor, lhe peço: B-R-A-T-T. Repetindo. Be erre a dois tês sem o i no final.
- De novo peço desculpa. Sou meio destrambelhado... e esquecido...
- Desculpas aceitas. Por favor, me acompanhe. Aproveito e lhe sirvo um café. Acabava de tomar o meu quando o Firmino interfonou...

Tomado o café, o oficial fez a tal da penhora da mesa que lhe mostrei. Relíquia da minha falecida avó Salésia. Não teve choro. Ao terminar, pediu que repetisse o café. Enquanto lhe servia, me explicou que ainda poderia “embargar a penhora” se eu quisesse desde que fosse aos autos no prazo de lei.
- Se tiver de acordo, assim que eu acabar de ler o que escrevi na certidão de penhora, a senhora, digo, a senhorita, por favor, assinará as duas vias. Uma cópia é sua...  

- Vai em frente. Pode ler. Cumpra seu dever. Sou toda ouvidos...
- Certifico e dou fé que em cumprimento ao respeitável mandado estive em residência da senhorita Carina Bretti ai estando com ela penhorei na falta de ‘outros bem a serem relacionado penhorei e deixei ela em sua própria pessoa ciente como depositaria fiel sobre pena de prisão’ uma “MESA DE COMER VELHA DE QUATRO PÉS...’”.
Título e Texto: Carina Bratt, de Sertãozinho, interior de São Paulo. 27-04-2019

Anteriores:

2 comentários:

  1. Ca, gostei da mesa de comer velha de quatro pés. Bem criativa o posicionamento da sua avó, digo, da mesa da sua avó no texto. A cada dia você me supera. Parabéns. Seu fã incondicional. Aparecido.
    João Pessoa em pessoa, na Paraíba.

    ResponderExcluir
  2. 01.05.2019. POIS É A MINHA PRINCESA FICOU MAIS VELHINHA. 30 ANOS. PARA MIM, TODAVIA, VOCÊ CONTINUA LINDA, PERFEITA, INIMITÁVEL, INCANSÁVEL, INSUBSTITUÍVEL. QUE DEUS PAI LHE GUARDE SEMPRE. HOJE E NOS DEMAIS DIAS DE SUA EXISTÊNCIA. PARABÉNS, MUITAS FELICIDADES E TODAS AS RIQUEZAS DO MUNDO. (APARECIDO RAIMUNDO DE SOUZA).

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-