quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Coisas da escoriocracia brasileira

Lula compareceu ao lançamento de livro sobre cinco espiões cubanos, em Havana
Francisco Vianna
A agência de notícias espanhola EFE (*) diz que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi à Havana em companhia do jornalista Fernando Morais, para o lançamento do seu livro “Os Últimos Soldados da Guerra Fria”, que versa sobre os cinco agentes cubanos condenados nos Estados Unidos por espionagem. Durante o ato, na “III Conferência Internacional Pelo Equilíbrio Mundial”, o ex-governante brasileiro não abriu a boca para dizer qualquer coisa e nem tampouco fez declarações à imprensa.

Lula, o “intelequitual”...
Lula chegou à capital cubana na segunda feira e seu primeiro ato público de terça feira foi o de depositar flores diante do monumento ao prócer da independência cubana José Martí, ao qual está dedicado esse foro internacional. O procedimento é normalmente reservados aos presidentes em exercício de seus mandatos...
Para ontem, quarta feira, estava programado um pronunciamento seu numa conferencia magistral antes do encerramento da conferência do foro, que reúne em Havana uns 600 assistentes estrangeiros de 44 países, entre eles, os ex-presidentes da Guatemala, Álvaro Colom, e o da República Dominicana, Leonel Fernández, além de intelectuais e especialistas.
Na apresentação do livro de Morais, o representante do politiburo comunista cubano, Ricardo Alarcón, destacou que “Lula sempre esteve e sempre estará onde as causas de nossos povos da América Latina reclamarem a sua presença”.
Com relação à obra do jornalista brasileiro, Alarcón destacou que esta primeira versão em espanhol castelhano “surge quando dela se requer mais urgência”, quando o caso dos agentes cubanos vai passar pelo procedimento de apelação extraordinária ou “habeas corpus”, o último recurso perante o sistema judicial estadunidense para se recorrer à anulação ou modificação de suas condenações. Segundo o funcionário cubano, a essência dessa última instância judicial “é a de exigir do governo estadunidense que ponha fim à ocultação de provas que o obligariam a por os condenados em liberdade sem maiores protelações, a todos e a cada um deles sem exceção”.
Os cubanos: René González, Gerardo Hernández, Ramón Labaniño, Fernando González e Antonio Guerrero foram presos nos EUA em 1998 quando o FBI desmantelou a rede “AVISPA” e foram condenados com altas penas de prisão em 2001 por conspirar e agir como agentes estrangeiros sem notificar o governo estadunidense. No caso de René González, após cumprir 13 anos de sua sentença, saiu da prisão em outubro de 2011, mas ainda não pode regressar a Cuba porque cumpre três anos de liberdade condicional nos EUA.
Os “cinco”, como são chamados em Cuba, onde são considerados “heróis antiterroristas”, admitiram ter sido, de fato, agentes do governo cubano, mas que espionavam “grupos terroristas de exilados que conspiravam” contra o regime comunista da ilha-cárcere dos Castros.
Título e Texto: Francisco Vianna, 31-01-2013

(*) A agência EFE é um serviço de notícias internacional fundado em 1049, na Espanha. É a quarta maior agência de notícias do mundo, primeira em idioma espanhol e principal provedor de serviços informativos para os meios de comunicação (imprensa escrita, rádio, TV e Internet) nos países de língua espanhola. A agência emprega mais de três mil profissionais de 60 nacionalidades e distribui cerca de 3 milhões de notícias ao ano a mais de dois mil meios de comunicação nos cinco continentes, através de uma rede de mundial de jornalistas, 24 horas por dia, de mais de 180 cidades de 110 países com quatro redações centrais em Madri, Bogotá, Cairo e Rio de Janeiro. Em 2001, lançou um serviço em português, comandado da redação central do Rio de Janeiro. É uma S/A cujo controle acionário é do estado espanhol. Em 1995, recebeu o Prêmio Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-