domingo, 1 de março de 2020

Chuva forte alaga ruas das zonas oeste e norte do Rio de Janeiro

Duas pessoas morreram em consequência dos temporais

Vinícius Lisboa

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Fortes chuvas nas zonas norte e oeste do Rio de Janeiro na tarde de hoje (1º) deixaram ruas alagadas e interditadas em diversos bairros. A capital está em Estágio de Alerta desde o início da madrugada devido a previsão de temporais. A cidade também está com interdições programadas para o Desfile das Campeãs do carnaval e dos blocos de rua.

Entre 12h30 e 12h45 houve registro de chuva muito forte em Santa Cruz e também choveu forte em Anchieta, Piedade, Sepetiba, Guaratiba, Grota Funda, Guaratiba, Irajá, Madureira, Campo Grande, Penha, em Jacarepaguá e no Tanque, bairro em que um homem morreu após um deslizamento de terra nesta madrugada.

O Corpo de Bombeiros também foi chamado para socorrer uma idosa de 75 anos que foi eletrocutada em uma rua onde houve alagamentos na Taquara. A vítima já foi encontrada sem vida.

A chuva causou o transbordamento de um rio em Vargem Grande e bolsões de água se formaram em diversos pontos da Barra da Tijuca, Realengo, Campo Grande, Acari e Taquara. Ao todo, a cidade teve 93 ocorrências de alagamentos, bolsões d'água e quedas de árvores desde a madrugada. Sirenes de risco geológico foram acionadas em 14 comunidades.

Na estação de Bangu, também na zona oeste, choveu em apenas uma hora o equivalente a 44% da média histórica do mês de março. Em Realengo, o deslizamento de uma encosta na comunidade Bateau Mouche causou o desabamento de uma casa.

Fora da capital, o temporal prejudicou o fluxo de veículos em diversos pontos da Rodovia Rio-Santos. No KM 430, em Mangaratiba, o deslizamento de lama da encosta fechou a entrada de um túnel nesta manhã e foi necessário adotar o sistema pare e siga até o fim da manhã. Houve quedas de árvore nos quilômetros 457 e 460, rolamento de pedras no KM 426 e bolsão d'água no KM 451.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, acúmulo de água interdita faixas da rodovia nos quilômetros 393, 409, 411 e 451.

No Km 426, o deslizamento de pedras causou a interdição do acostamento, e no Km 441 foi a queda de uma barreira que fechou parcialmente a faixa da direita.

Quedas de árvores também invadiram a pista nos quilômetros 457 e 490. A entrada do condomínio Porto Galo chegou a ser bloqueada por outra árvore caída no Km 460.

A BR-493, Rodovia Magé x Manilha e Arco Metropolitano, também teve alagamentos, nos quilômetros 13, 14 e 16, mas sem interdições.

A cidade de Queimados, na Baixada Fluminense, instalou um gabinete de crise, já que o temporal no município foi o mais forte desde 2013, com o acúmulo de mais de 140 milímetros nesta madrugada. Sete deslizamentos já foram contabilizados pela Defesa Civil municipal, que também atende a alagamentos.
Título e Texto: Vinícius Lisboa; Edição: Aline LealAgência Brasil, 1-3-2020, 16h06

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-