quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Glifosato, lareiras, eucaliptos e dívidas

Henrique Pereira dos Santos

O glifosato é um químico usado no controlo de vegetação que actua sobre a fotossíntese e é dos mais usados no mundo. As razões para o seu êxito predem-se quer com a sua eficácia, quer com o seu preço, quer ainda com as suas grandes vantagens ambientais face às alternativas visto que não afecta a fauna - actua sobre os mecanismos da fotossíntese - e que tem uma persistência no solo baixíssima, sendo rapidamente neutralizado quando chega ao solo.

Pessoalmente estou envolvido num projecto de controlo de espécies invasoras, financiado pelo programa LIFE. Durante a sua aprovação foi questionada a possibilidade de uso de glifosato, e defendemos na altura o seu uso com argumentos sólidos, exactamente associados ao seu baixo risco, tendo o projecto sido aprovado com a utilização potencial de glifosato, embora dois anos depois do começo não tenhamos usado, até agora, um pingo de glifosato e seja pouco provável que o venhamos a fazer.

Mas o glifosato tem um problema: está muito associado à produção de organismos geneticamente modificados porque a Monsanto, detentora durante anos da patente do glifosato, desenvolveu algumas sementes com resistência a este fito-fármaco, com o objectivo de facilitar a monda química: sendo a produção resistente ao glifosato, era possível eliminar a vegetação indesejável de forma muito mais barata e eficaz.

Sendo a produção de glifosato uma das grandes fontes de receita da Monsanto, sendo a Monsanto uma das grandes empresas de produção de sementes geneticamente modificadas, o movimento anti-ogms virou todas as suas baterias para o combate ao glifosato, procurando demonstrar a sua toxicidade potencial.

Este movimento teve uma grande vitória: a IARC (International Agency for Research on Cancer) classificou o glifosato como potencialmente cancerígeno, ao arrepio de todas as outras agências internacionais que trabalham sobre o assunto. Com o mesmo nível de perigosidade das lareiras ou do consumo de carnes vermelhas. Note-se que é mesmo das carnes vermelhas, não é do chouriço, do presunto ou do vinho, que estão classificadas noutra categoria de risco, mais elevada que a do glifosato.

Alexandre Quintanilha explica aqui muitíssimo bem como é infantil a conversa do BE sobre o glifosato mas, num passe de mágica, acaba a defender a proibição do glifosato em algumas circunstâncias sem que perca tempo a explicar por que razão deve o glifosato ser tratado de forma diferente das lareiras ou da carne vermelha.

O que é relevante neste assunto é que a aprovação da proibição de glifosato nalgumas circunstâncias é uma vitória do obscurantismo e mais um dos exemplos de como a fragilidade estrutural da geringonça nos põe à mercê de algumas das infantilidades do BE, em especial das que não têm tradução orçamental imediata.

Já tínhamos tido um bom exemplo com a aprovação da legislação que inclui a homeapatia nas terapias que o Estado aceita como actos relacionados com a saúde susceptíveis de tratamento fiscal mais favorável.

Não tenho posição clara sobre a homeopatia, conheço pessoas cuja racionalidade e sensatez reconheço e que defendem a homeopatia, mas o facto é que o Estado não pode tomar decisões com base em convicções não fundamentadas em factos minimamente reconhecidos e não há um único estudo consistente que consiga demonstrar a validade médica da homeopatia.

Não é só o BE que aproveita a fragilidade estrutural da gerigonça para fazer avançar agendas socialmente negativas, os Verdes (essa fraude partidária que consentimos sem indignação) também fizeram avançar a agenda anti-eucalipto ao arrepio do que é o melhor conhecimento científico sobre a sua produção e os seus efeitos ambientais. E, neste caso, com efeitos económicos reais potencialmente mais relevantes.

Confesso que não entendo a passividade social para com estas fraudes, com efeitos reais sobre o principal problema de saúde e ambiental que temos: a pobreza, nas suas mais diversas formas.

O prejuízo para a criação de riqueza não é um tiro nos malandros dos accionistas e do grande capital, os prejuízos para a criação de riqueza são essencialmente pagos em pobreza e afectam sobretudo os mais pobres.

Há já alguns anos, em 2010, escrevi um post em que defendia que uma das maiores ameaças ambientais do país era o endividamento. Mas acrescentava que a maior mesmo era a falta de qualidade do processo de decisão pública, como procurei ilustrar neste post com as fantasias mal fundamentadas cientificamente sobre o glifosato ou os eucaliptos. 
Título e Texto: Henrique Pereira dos Santos, Corta-fitas, 15-12-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-