terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Último texto de Ferreira Gullar é uma manifestação de fé cega na crença que precisa ser refutada

Luciano Ayan
Ferreira Gullar, Buenos Aires, 1975

Sem querer tirar outros méritos de Ferreira Gullar, que foi de fato um grande poeta e escritor – entre outras coisas -, ao menos em seu último artigo sobre política ele vacilou. Aqui, colocarei os principais trechos de seu artigo e minha posterior análise para comparação.

“Frequentemente me pergunto por que certas pessoas indiscutivelmente inteligentes insistem em manter atitudes políticas indefensáveis, já que, na realidade, não existem mais. Estou evidentemente me referindo aos que adotaram a ideologia marxista…”

Sim, são políticas indefensáveis moralmente, mas são eficientes para quem quer poder.

“Não tenho dúvida alguma em afirmar que Karl Marx foi uma personalidade excepcional, tanto por sua inteligência como por sua generosidade, pois dedicou a sua vida à luta por um mundo menos injusto.

Graças a homens como ele, as relações de capital e trabalho – que, na época, eram simplesmente selvagens – mudaram, alcançado as conquistas que as caracterizam hoje. Marx contribuiu para mudar a sociedade humana, muito embora o seu sonho da sociedade proletária se tenha frustrado.”

Obviamente, Gullar acreditava que Marx era um homem bem-intencionado. No entanto, ele não dedicou sua vida a ajudar ninguém. Muito pelo contrário. Marx abandou filhos. Alguns deles morreram até de fome, enquanto ele próprio foi sustentado por uma esposa e um amigo que eram muito ricos. Marx viveu como nobre enquanto sua própria prole viveu nas piores condições possíveis.

Outra loucura é dizer que foi Marx quem ajudou a melhorar as relações trabalhistas. Muito pelo contrário, aliás. O que tornou tudo isso muito mais humano foi o próprio advento do capitalismo. Antes de as fábricas nas grandes cidades serem um “problema trabalhista”, crianças e idosos trabalhavam no campo em condições sub humanas.

“Mas, para que esse avanço prossiga é necessário reconhecer que o sonho marxista estava errado, ainda que bem-intencionado. Se insistirmos nos dogmas ditos revolucionários – como a luta de classes e a demonização da iniciativa privada –, não sairemos do impasse que inviabilizou o regime comunista onde ele se implantou.”

Aqui fica em evidência a fé cega na crença. Gullar crê absolutamente que os marxistas são pessoas bem-intencionadas e que eles acreditam mesmo no que dizem ser o melhor para o mundo. O próprio Gullar viveu tempo suficiente para ver que não é bem assim, na prática. O que acontece em boa parte das vezes é o exato oposto. Temos pessoas espertas, cientes de que a experiência socialista soviética foi cruel e nefasta, e que ainda assim defendem a mesma coisa.

O que ocorreu com todos – absolutamente todos – os revolucionários que chegaram ao poder? Eles se tornaram ditadores, começaram a agir de forma cruel, castigaram o povo, praticaram crimes desumanos e mataram milhares, muitas vezes milhões de pessoas. Não há sequer uma só exceção para esta regra. Em meados da década passada muitos acreditaram que a Venezuela seria diferente, mas não foi. Hugo Chávez, discípulo de gente como Marx, fez exatamente o mesmo que Stalin, Hitler, Pol Pot, etc. Sim, em proporções menores, mas de modo igualmente execrável.

O fato é que Gullar era um homem culto e inteligente, mas evidentemente inocente quanto a política. Ele acreditava piamente na ideia de que a extrema-esquerda realmente acha estar fazendo o bem, mesmo que todas as evidências apontem o oposto. Isso é a fé cega na crença: é acreditar que o seu inimigo, aquele mesmo que te decapitaria se tivesse chance, é apenas alguém “errado”, alguém que acredita estar fazendo bem ao mundo.

Que bem trouxeram ao mundo as milhões de mortes de Holodomor?
Título, Imagem e Texto: Luciano Ayan, Ceticismo Político, 5-12-2016

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-