terça-feira, 7 de janeiro de 2020

[Aparecido rasga o verbo] Inigualável

Aparecido Raimundo de Souza

QUEM ENTRA NA MINHA SALA AVISTA do lado direito da parede, quase colado entre à porta de acesso e às estantes abarrotadas de livros, um quadrinho simples com uma moldura humilde dependurado. Não traz o nome do autor. Nenhum Rembrandt, tampouco Caravaggio, menos ainda Vincent van Gogh.  Não lembra, em nenhum momento, “A Ronda Noturna”, Judite e Holofernes, tampouco “A Criação de Adão”. Não traz, no mesmo complexo, a data de quando fora pintado. O quadrinho retrata uma casinha bonita, de cores vivas e alegres, de frente para um lago de águas mansas.

Aos fundos, uma cadeia de montanhas parece tocar suavemente o céu. Em derredor, um emaranhado de árvores coloridas se faz abundante e multíplice, para todos os lugares onde as vistas alcançam o que transmite ao coração de quem o contempla, uma mansidão excepcional. Quem ali reside, acredito, deve ter o privilégio único de desfrutar de uma paz amplamente acolhedora, seguida de uma tranquilidade apurada e invulneravelmente sacrossanta. 

O painel, na verdade é cópia de uma pintura em papel comum.  Presente que ganhei nesta manhã de um dia especial, de alguém igualmente distinto e benemérito na minha vida. Não deve ter custado muita coisa, tenho certeza, pois foi comprado quase que às pressas, numa dessas lojinhas de R$ 1.99. Contudo, para mim, teve e terá, não importa o tempo que passe, mais validade ou legitimidade que todas as outras lembranças recebidas.


Mesmo dia, pouco depois das duas horas da tarde, mamãe me trouxe um cordão de ouro com um pingente suspenso. Um Cristo na cruz. Da namorada, se bem recordo, me vi agraciado com uma linda e vistosa camisa de seda. Do meu irmão veio uma calça jeans. Minha neta me encheu os olhos com um vidro de perfume e meu sobrinho tirou da mochila um conjunto com loção, lâminas, cremes e espuma de barbear, segundo ele, um kit completo de sobrevivência para viagens.

Até uma amiga de longa data que não dava sinais de vida marcou em cima, não deixando passar a data em branco. Capitaneou para a minha coleção de boas músicas, um CD do Roberto Carlos numa caixinha que achei deveras engraçada. Para a aquisição desse cordão de ouro, penso que mamãe deve ter expendido uma boa soma de seu minguado salário de aposentada, e, com certeza, por causa dessa extravagância, irá pagá-lo mensalmente em suaves prestações a se perderem de vista.

Adorei seu gesto, porque mãe zelosa e prestimosa que sempre foi, ou melhor, que sempre é e continuará sendo, nas horas amargas, naquelas bem aflitas, se faz fiel e companheira, se abre em mesuras e bajulações no instante em que mais precisamos de um colo amigo. Minha Rainha nunca perde e creio, jamais deixará de lado, no esquecimento, a mania sagrada de querer estar sempre agradando a seus rebentos, ainda que a depois se aperte com as outras despesas oriundas das suas necessidades mais prementes.

Juntando a camisa de seda, a calça jeans, o vidro de perfume, o kit loção e cremes pós barbear e o CD do Roberto Carlos, com certeza, em valores pagos, não chegarão, se somados na ponta do lápis, aos pés do que custou o vistoso cordão. O que estou querendo deixar claro, com a grana que mamãe empatou no adorno, eu compraria tudo o que ganhei e o faria em dose dupla, ou talvez tripla, e ainda sobrariam uns trocados para a pipoca, o refrigerante e as entradas do cinema com a minha cara metade.

Não é isso o que quero deixar registrado aqui. O que marcou, sobremaneira, o que não vai sair da minha cabeça, nunca, ainda que passem mil anos, sem dúvida alguma, o quadrinho. Presente despretensioso atrelado a um gesto partido de uma alma inocente, pura, de amor incondicional de filha para pai, sem os rebusques, sem os enfeitados, sem as bordaduras e os adereços da sedução que pressionam as pessoas adultas.

Não quero dizer que o cordão de ouro não me alegrou. Longe disso. Amei. Amei de paixão. Inesquecível! Aliás, todos os mimos que me chegaram pela data, é bom que se diga, foram recebidos e contemplados com o devido respeito e a mais lídima vênia. Não só pela sua significância, como também pelas pessoas que se dispuseram a abrir mão de seus afazeres e vir até aqui em casa me abraçar e ajudar a cantar os parabéns, apagar as velinhas, tomar um copo de refrigerante e ajudar na cortada do bolo.

O quadrinho, todavia... Meu Deus, o quadrinho simples, bucólico, singelo, modesto, cândido, mexeu comigo. Mais que isso. Representa a minha verdade numa busca sem fim. Recorda, em paralelo, que todo dia, toda hora, cada minuto, cada segundo é um recomeço. Esse quadrinho marcou profundamente meu dia. Meu dia, essa data tão especial. Digo mais: marcou meu interior.

Meu todo, por dentro, está em festa, em regozijo, em júbilo, numa incandescência tão ferrenha que me é difícil descrever com palavras. Esse quadrinho que agora enfeita o pórtico da minha sala me faz sentir o cara mais feliz na face da terra. Esse agrado incomensurável me foi dado por minha filha Amanda. 
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha, no Espírito Santo. 7-1-2020           

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-