domingo, 12 de abril de 2020

Boris Johnson agradece a enfermeiro português que esteve ao seu lado durante 48 horas

O primeiro ministro britânico deixou o hospital este domingo, após uma semana internado. Num vídeo do Twitter, agradece a um enfermeiro português que o acompanhou durante 48 horas.

Agência Lusa/Observador

O primeiro-ministro britânico [foto] recebeu este domingo alta do hospital, onde estava internado há uma semana devido a um agravamento do estado de saúde após contágio com covid-19, mas não vai regressar já ao trabalho, informou um porta-voz.

Foto: Will Oliver/EPA
Horas depois, o Boris Johnson publicou um vídeo na sua conta de Twitter, com louvores e agradecimentos ao Serviço Nacional de Saúde britânico. “O Serviço Nacional de Saúde salvou-me a vida”, declara. Entre os profissionais de saúde destacados pelo líder do Governo britânico está um enfermeiro português (“de perto do Porto”) que, juntamente com uma enfermeira neozelandesa, ficou, segundo Boris, ao seu lado durante 48 horas.

“O primeiro-ministro recebeu alta do hospital para continuar a sua recuperação”, que será feita em Chequers Court, a residência de campo, a 70 quilômetros de Londres.

Boris Johnson estava no hospital de St. Thomas, em Londres, onde foi internado a 05 de abril “por precaução” para fazer testes devido a sintomas persistentes da doença.

Johnson saiu na quinta-feira dos cuidados intensivos, onde passou três noites, devido à persistência dos sintomas da doença, com a qual foi diagnosticado a 26 de março, e estava atualmente numa enfermaria normal.

“A conselho da sua equipa médica, o primeiro-ministro não vai regressar imediatamente ao trabalho”, disse a mesma fonte, acrescentando que Boris Johnson agradece “a todos em St Thomas ‘pelo excelente tratamento que recebeu”.

No Reino Unido, há 9.875 mortos devido à covid-19 e 78.991 casos confirmados.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 109 mil mortos e infetou quase 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, quase 360 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.
Título e Texto: Agência Lusa/Observador, Observador, 12-4-2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-