terça-feira, 21 de junho de 2016

[Estórias da Aviação] Mala 'baron'

Alberto José

A Comissária era uma garota coreana, recém-importada pela Varig, ainda com a inocência das moças orientais.

No segundo voo internacional para Miami, após sair da escolinha, ela foi cooptada por um dos Comissários que sempre trazia "coisinhas em excesso" na mala. Antes de chegar ao Rio, o parceiro chegou para ela e disse: "Vou te dar dez dólares para você passar essa mala pequena na Alfândega. Não pode abrir! É uma mala ‘balão!’ Nem bota na bancada. O fiscal que vai olhar é o Bunda. Entendeu?”
"Sim sinhô, entendi, é mala ‘baron’ não pode abri!”
"Baron não... é mala balãooo!"

Quando ela botou as duas malas sobre a bancada, o fiscal perguntou:
“E essa malinha aí no chão, bota aqui na bancada."

Aí, ela respondeu:
 "Olha, seu Bunda, essa mala não pode abri, é mala balão"…

Perdeu!
Texto: Alberto José, 19-6-2016

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-