quinta-feira, 16 de junho de 2016

[Estórias da Aviação] Ligando do Jumbo

Alberto José

Logo que o B-747 entrou na linha para Nova Iorque eu estava recebendo os passageiros em Guarulhos quando observei que, na executiva, uma senhora estava usando um celular – um tijolão, na época – eu falei com ela que não era permitido usar o aparelho no avião. Ela respondeu: "Já estou terminando, mais um minuto, por favor!" E continuou. "Alô, fulana… adivinha onde eu estou! Estou ligando do Jumbo!... não, não é supermercado! É do Jumbo da Varig!!"
...........................................................

Em outro voo para Nova Iorque, alta madrugada, depois do jantar eu notei que uma morena, bonita, de uns 20 anos, estava mudando de poltrona e sentando junto a homens que estavam sozinhos e, com cada um, ela ficava uns dez minutos e depois sentava com outro passageiro. Eu me aproximei e vi que outros passageiros já tinham notado e estavam na "fila de espera". Aí, eu perguntei a um deles se ele pagou pelo "serviço" e ele respondeu que eram 20 dólares de cada um. Quando ela deu a volta pela galley eu falei para ela que ia avisar ao Comandante. Ela respondeu: "Pode ir, pr'a ele e pr'a você eu faço de graça!!”
.................................................................

No voo para Lisboa, no DC-10, durante a projeção do filme, eu estava no fim da cabine observando os passageiros. Então, eu vi que uma senhora trocou de poltrona várias vezes. Eu me aproximei e perguntei se ela precisava de alguma ajuda. Ela respondeu: "Oh pá, estou a procurar uma poltrona que fale em português, para poder acompanhar o filme!"
..................................................................

No voo do DC-10 que passou por Lisboa, havia muitos passageiros para embarcar e foi dada a autorização para "upgrading". Então, passageiros humildes, sem experiência de viagem embarcaram na Primeira Classe. Foi servido o jantar e eles não aceitaram nada. Eles estavam com medo de ter que pagar por aquele serviço suntuoso. Depois do jantar, a Comissária estava pedindo para fechar as cortinas das janelas. Então, um casal que estava nos assentos 3 A/B não entendeu o pedido da Comissária. O marido respondeu duas vezes: "Eu não percebo"! Para se fazer entender, a Comissária falou: "Por favor, o senhor poderia fechar a janela"?! O marido, num safanão soltou o cinto e pulou para o corredor dizendo: "Sai daí Maria... o avião está a voar e a janela está aberta!!"
Título e Texto: Alberto José, 16-6-2016

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-