terça-feira, 27 de setembro de 2016

Melhor não violarem ninguém

Vitor Cunha
Recebi, nos últimos dias, algumas mensagens acerca da minha misoginia, brutalidade, bestialidade e grunhideira. O habitual, previsível como um chá a meio da tarde, algo que nos reconforta para o resto do dia. Porém, um anónimo “ya, eu sou de esquerda, yo” sugeriu que eu fiz um apelo à violação da Mariana Mortágua. Primeiro ri: é altamente implausível por todos os motivos imagináveis, incluindo alguém desgraçar a vida só porque eu o teria – eventualmente – sugerido, achar que a Mariana tem fetiche por assaltos na rua por gajos espadaúdos que não sejam como os xoninhas que apoiam o Bloco é o mesmo que um apelo à violação. Se há coisa que parece evidente é que os desejos de Mariana não são concretizáveis, incluíndo esse, caso seja mesmo real.

Depois, sorri ao pensar que isso era um pretexto para poder evidenciar – mais uma vez – o quão a esquerda revolucionária está sempre preparada para dar pancada, mas nunca preparada para a receber.

Depois, ainda, achei piada quando fui ver que essa micro-indignação é sobre aquilo que acham o máximo na rádio pública sob a batuta da dupla Quadros e Nogueira.

Mais à frente, fui ler o que escrevi e constatei que intui um desejo de Mortágua de uma rua mais musculosa, daquele tipo de rua que é boa para a revolução e depois, quando começa a incomodar, é transformada em carnificina pelos dirigentes revolucionários.

Depois, deixei de perceber a acusação: então a deputada propõe roubar proprietários e não está disposta a ser assaltada ela própria? E a igualdade? E a justa distribuição de riqueza? E a torre de marfim que a esquerda impoluta inventa para si própria para justificar as suas atrocidades? E a imbecilidade dos dirigentes do Bloco que, deixando queimar a ex-estrelinha da sorte Mortágua, fazem um favor aos socialistas, os que nem têm que anunciar nada excepto, nas entrelinhas, o rumo ao colapso da tesouraria?

A forma como Mariana se expôs é que é anormal. Não é acusando-me de misóginia, brutalidade, bestialidade e grunhideira – o meu pequeno-almoço – que apagam a vossa própria inépcia para estarem no lado da governação.

Vocês são o protesto, não são o governo. Cinjam-se ao que sabem fazer, que é cantar “Grândola, Vila Morena” a meio de apresentações em teatros com quartos-de-banho unissexo com o charro no bolso.

Ah! E agora um apelo formal: por favor, não violem a Mariana Mortágua, OK? Não violem ninguém. Isso é mau. Já agora, não assaltem ninguém, OK? Isso é mau. E, para a próxima, acho que deviam – mesmo – escolher um alvo que se incomode com o que se diz dele.
Título e Texto: Vitor Cunha, Blasfémias, 27-9-2016

Relacionados:

Um comentário:

  1. Bom falar o que desta senhora que se acha a gatinha de 15 anos ... aprenda uma coisa ser profissional e conduzir precedimentos com transparência... se não pedi para sair vai curtir a aposentadoria ...

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-