sábado, 11 de novembro de 2017

#thisisportugal

Alberto Gonçalves

 Sendo um cidadão atento, fui a correr descobrir o que é a Web Summit. Pouco depois, regressei a correr ainda mais. De medo. Só alguns dos oradores indígenas bastariam para assustar um herói de guerra.

 Sendo um cidadão atento, fui a correr descobrir o que é a Web Summit. Pouco depois, regressei a correr ainda mais. De medo. Só alguns dos oradores indígenas bastariam para assustar um herói de guerra: o dr. Costa (que, ficámos a saber, fala tão bem inglês quanto português), o prof. Marcelo, o eng. Guterres, o sr. Figo, dirigentes do futebol, senhores da banca e ilustres matarruanos em geral. Em suma, política, bola, Estado e a previsível tralha da “influência” e do compadrio. De brinde, o dr. Louçã, cuja presença num evento alegadamente dedicado a ideias novas é comparável a convidar Stephen Hawking para abrilhantar o carnaval de Torres Vedras.

Para cúmulo, tamanha maravilha aconteceu no exato momento e na exata cidade onde morrem pessoas por via da “legionella”, onde um ministro anuncia o aumento de IRC e onde, a pedido de corporações, a polícia enxota os condutores da Uber e similares que tentam aproximar-se do aeroporto (sou testemunha interessada: aterrei em Lisboa por motivos que não vêm ao caso e apenas o terceiro carro arriscou apanhar-me). Segundo a propaganda, a Web Summit mostra a nossa abertura à inovação e à iniciativa e ao investimento. A sério? Se no ano que vem resolverem transladar a festança para Caracas, as diferenças serão mínimas. Uma “hashtag” promocional jurava: #thisisportugal. E o pior é que é verdade.

Sobretudo, a moderníssima Web Summit aconteceu no tempo e no lugar em que, a propósito da revolução de 1917, o líder do PCP proclamou, aliás pela enésima vez, as portentosas virtudes da União das Repúblicas Socialistas e Soviéticas. No Coliseu dos Recreios, pelos vistos também receptivo à comemoração de revoluções sanguinárias e à “stand up comedy”, Jerónimo de Sousa falou e disse. Disse que a URSS transformou a “velha Rússia” num paraíso “altamente desenvolvido, mais industrializado e socialmente mais avançado”. Disse que foi “a pátria dos sovietes” a primeira do mundo “a desenvolver como nenhum outro, direitos sociais fundamentais”. Disse que a URSS teve um “inquestionável papel de força motriz de progresso e da paz a nível mundial”. Disse que o mundo está pior sem a URSS. Disse que “o socialismo é preciso” e é uma “exigência da atualidade e do futuro”. Disse que o capitalismo é um “sistema explorador, opressor, agressivo e predador”, que está “a conduzir o mundo para a barbárie”. Disse que o fim da URSS nada teve a ver com a Revolução de Outubro e os seus fundadores, e sim com o “modelo de construção do socialismo” que se afastou do “ideal e do projeto comunistas”. Disse que o “combate continua”.

O sr. Jerónimo disse estas doçuras e os “media” reproduziram-nas sem escrúpulos nem escrutínio, como se o sr. Jerónimo tivesse recomendado um restaurante em Évora ou os congratulado os bombeiros voluntários de Coimbra. As “redes sociais”, que se escandalizam diariamente com extraordinárias insignificâncias, não se escandalizaram com o elogio fervoroso do maior ataque organizado à humanidade que a História já registou. Ninguém saiu à rua em protesto. Ninguém estranhou. Ninguém, ou quase ninguém, pensou que os desabafos do sr. Jerónimo, afinal um voto de fé na brutalidade, na fome e no homicídio enquanto métodos de regulação das massas, fugissem da normalidade quotidiana de um regime supostamente democrático. No fundo, o sr. Jerónimo informou os portugueses de que não descansará até que, espero que com nuances, estes sofram o que as incontáveis vítimas do comunismo sofreram e sofrem. E, do alto da sua peculiar apatia, que os leva a envergonhar-se dos “twits” do sr. Trump e a orgulhar-se da miséria que trazem por casa, os portugueses acham bem.

Permitam-me evitar equívocos. Ao contrário dos deuses do sr. Jerónimo e dos fiéis do sr. Jerónimo, nunca passaria pela minha cabeça impedir um sujeito de confessar o que vai na dele. A questão, obviamente, não é o sr. Jerónimo proferir insanidades, mas a recepção que as insanidades suscitam. Em sociedades civilizadas, o louvor de genocídios merece repulsa, sarcasmo ou pena do maluquinho que assim se exibe em público. Em Portugal, homenagear psicopatas integra a categoria das notícias “habituais”, a título de opinião discutível ou, quiçá, esclarecida.

De resto, o sr. Jerónimo não é um maluquinho, ou pelo menos um maluquinho comum. É o chefe do terceiro ou quarto partido nacional, o qual rivaliza com outro (?) partido leninista nos votos, nos deputados, na demência e na ascendência sobre o bando que, descarada e oficialmente, finge governar-nos. Se se tratasse de um lunático com bombo às voltas ao coreto – e fosse tratado em conformidade –, a deplorável figura a que o sr. Jerónimo se presta podia esgotar-se em si mesma, sem que daí viesse qualquer mal ao mundo. Por azar, a misteriosa respeitabilidade de que o sr. Jerónimo desfruta compromete o país, ridiculariza o país e torna o país cúmplice de uma vasta parte do mal que, durante o último século, o mundo suportou de facto. Uma coisa é certa: a Web Summit é óptima para mostrar ao “estrangeiro” aquilo que somos. E quem quis ver viu que somos isto.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 11-11-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-