quinta-feira, 5 de abril de 2018

Perdeu, malaco! Lula a centímetros da cadeia

O Supremo Tribunal rejeitou o habeas corpus e Lula está a um passo da prisão. Mas ainda pode ser candidato às presidenciais de outubro, apesar de admitir sair da corrida eleitoral.

Foto: Miguel Schincariol/AFP/Getty Images
Cátia Bruno e João de Almeida Dias

Desânimo. Foi assim que Lula da Silva e os seus apoiantes receberam a decisão que saiu da votação do Supremo Tribunal Federal (STF) de não aceitar o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do ex-Presidente. É uma decisão de peso, que coloca Lula com um pé dentro da prisão e refém de uma derradeira decisão do Tribunal de Porto Alegre — o mesmo que, em janeiro, não só confirmou a sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro como lhe aumentou a pena para 12 anos e um mês de prisão.

Foto: Patricia de Melo Moreira/AFP/Getty Images
Ainda assim, apesar de estar mais perto da prisão, Lula não está mais longe de voltar a ser Presidente. O desejo expresso no hino da campanha de 1989 — “Lula lá” — mantém-se vivo: para os apoiantes, é “lá” no Planalto, como dantes; para os opositores, agora é “lá”, mas na prisão. E a hashtag #LulaValeALuta continuou na rua e nas redes sociais, mesmo depois da decisão do Supremo Tribunal.

No entanto, a desistência da corrida às eleições de outubro é um cenário que Lula da Silva não descarta, a avaliar pelas notícias divulgadas pela imprensa brasileira após o julgamento. O Estadão revela que, logo após o voto decisivo de Rosa Weber, o antigo presidente comentou junto do pequeno grupo que o acompanhou enquanto assistia ao julgamento de habeas corpus que “não iam dar o golpe para me deixarem ser candidato”.

Uma declaração que os dirigentes do partido estão a interpretar como uma possibilidade de desistência das eleições presidenciais, marcadas para o próximo mês de outubro. Ainda assim, o PT mantém o discurso de que Lula da Silva — que se mantém à frente nas sondagens — continua na corrida eleitoral, mesmo que a ordem de prisão se concretize e o antigo chefe de de Estado do Brasil acabe na prisão.


“Isso foi para tentar tirar o Lula da eleição, mas podemos registar a candidatura dele, mesmo preso. Acredito que Lula vai ficar pouco tempo na prisão”, afirmou o deputado estadual José Américo Dias, do PT, citado pelo Estadão.

Apesar do desânimo gerado pelo Supremo Tribunal, o certo é que militantes e seguidores do PT mantêm o apoio público a Lula da Silva e começaram a publicar nas redes sociais a hashtag #LulaValeALuta. Objetivo: manter o eleitorado trabalhista unido na apoio a Lula da Silva na corrida à Presidência do Brasil e garantir que não desmobilizam com a decisão da justiça.

Mesmo que Lula ainda não tenha falado publicamente depois da decisão do Supremo, as contas no Twitter do Partido dos Trabalhadores (PT) foram alimentando a resistência noite dentro, com gritos de #LulaLivre e “A luta continua”, mas tornou-se agora claro que o ex-Presidente dificilmente evitará a cadeia. Até dia 10 deste mês, pode apresentar recurso para o Tribunal da 4.ª Região (o tal de Porto Alegre), mas é pouco provável que este volte atrás na sua decisão. O mais certo é os juízes enviarem um ofício a Sérgio Moro, a quem cabe a função de decretar ordem de prisão ao ex-Presidente.
Uma noite entre o silêncio e a batucada

Os apoiantes do político histórico do PT que acompanhavam a sessão à porta do Supremo receberam a declaração de voto da juíza Rosa Weber praticamente em silêncio. Segundo o Folha de S. Paulo, alguns ensaiaram gritos de “povo sem medo”, mas rapidamente a multidão desmobilizou do local pouco depois. Isto após quase 11 horas em que os grupos que assistiram ao julgamento foram alternando os momentos de silêncio com algumas manifestações de festa e batucada nos intervalos dos votos dos juízes. O voto de Rosa Weber, que rejeitou o pedido de habeas corpus, foi a machadada final nos anseios de Lula de conseguir manter-se em liberdade.


Não tenho como reputar ilegal, abusivo ou teratológico o acórdão que, nesta compreensão do próprio Supremo Tribunal, rejeita o habeas corpus, independentemente da minha posição pessoal face ao assunto.”

Foi assim que a juíza, cujo sentido de voto não foi conhecido até ao último minuto (ao contrário do de todos os seus colegas), resumiu a sua posição formalista: a favor de habeas corpus, sim, mas respeitando a jurisprudência do órgão coletivo, apesar de discordar dela. O juiz Dias Toffoli, que discordou de Rosa Weber, disse que a linha de pensamento formalista da sua colega pode levar a uma “petrificação do Direito”.
No final da madrugada, o tribunal rejeitou por 6 votos contra 5 o habeas corpus.
(...)
Título e Texto: Cátia Bruno e João de Almeida Dias, Observador, 5-4-2018

7 comentários:

  1. E o mundo não acabou!

    Paizote

    ResponderExcluir
  2. Agora este SATANÁS vai se internar no Hospital Sírio Libanês que é o asilo político e escritório desses bandidos. O câncer, próstata e o caralho desta tropa de elite gritam quando a prisão está próxima e o laudo é assinado por aquele médico bem conhecido. Padrinho de casamento dos familiares... Só pra constar: TEMER tem um apartamento exclusivo no ultimo andar do hospital. É assim que funciona a coisa!

    ResponderExcluir
  3. Chupa CAMACHO! Seu desgraçado !

    ResponderExcluir
  4. Creio que até setembro, quando haverá a troca de Presidência do STF, este fdp ficará Preso! E ainda tem mais Sentenças por vir!

    ResponderExcluir
  5. Creio que ROSA WEBER deixou todos com a pulga atrás da orelha, talvez ela mude de opinião e vote com o Brasil.

    ResponderExcluir
  6. breaking news
    Saiu a ordem de apresentação (prisão!) do lula.
    Paizote

    ResponderExcluir
  7. ENTÃO SE DEU,
    A TARDE IA NO FIM
    O ENCONTRO ACONTECEU
    QUE SURPRESA PARA MIM
    DEPOIS DE TANTO...TEMPO...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-