sexta-feira, 20 de julho de 2018

[Aparecido rasga o verbo] Convite especial

Aparecido Raimundo de Souza

Falta pouco para cair de vez no buraco. Apenas um empurrãozinho”.
Padre Gabriel (religioso assassinado em Vila Velha, no Espírito Santo, em dezembro de 1989).

CAROS AMIGOS E LEITORES, notadamente os de fora do país. Os estrangeiros, para sermos mais exatos. Passamos para convidar todos vocês, a conhecerem, de perto, o Brazzil. Isso mesmo. O Brazzil, a nação sem rumo, a terra nua, desorientada, derrotada, falida, acabada, fodida e sem administração. Mesma porrada na moleira, sem resguardo, sem escora, sem amarra, sem hombridade, sem altivez, sem brio, sem altanaria, sem pundonor ou lisura. Preparado para as exéquias singelas de um porvir mortuário que logo se fará terminante.

O país onde o presidente é um dédalo. Um imbondo, “um banana”, e o seu vice uma casca de limão, ou seja, temos uma banana estragada, azedada. Venham, senhoras e senhores, corram a conhecer os palácios da Alvorada, residência oficial do banana e suas paredes sujas e seus inúmeros tapetes enlameados da melhor merda reinante de todas as latrinas conhecidas. Vocês ficarão boquiabertos, apatetados, vendo tanta pobreza nesse palácio, enquanto a raia miúda (o povinho) nada em dinheiro e o proletariado de manés e sirigaitas gastam seus ganhos vivendo à custa de sonhos.

Aproveitem também e deem uma passada no outro palácio. Fazemos referência ao Palácio do Planalto, ou o local sagrado, augusto, extraordinário, patriarcal, santificado, onde trabalha mais de dez horas por dia, imaginem, o nosso incansável, ativo, buliçoso, executivo, expedido, esforçado e heroico chefe de Estado. Não poderíamos deixar de declinar seu nome. Patronímico por sinal, lindo, agradável, formoso, airoso, aprazente e cortês: Michel Jackson Temer.

Para acessar essas duas pocilgas, perdão, caríssimos amados, para se  assomar a essas arquiteturas projetadas pelo ilustre o honroso Oscar Niemeyer, é preciso  preencher uma série de requisitos, como ser comportado, não ter passagens pela polícia,  não ter batido na mulher, possuir o passaporte em dia, ser eleitor cu de ferro, provar que entrou em solo brasileiro pelas vias legais e, principalmente, não carregar uma bomba amarrada nos colhões. Bomba amarrada nos colhões pode provocar pane e dar um nó tremendo na cabeça daqueles menos desavisados. Principalmente os santinhos. O que não falta em Brazzília, são santinhos...

Existem outros jeitinhos mais simples (os tais jeitinhos brasileiros), como se disfarçar em um dos ministros do STF ou ter forças nos braços para carregar uma boa mala de dinheiro (nos moldes do Brocha Loures ou Louro José), ou como nossa grana suada é identificada lá fora, além-mar, a conhecidérrrrrrima PROPINA. Com propina, as portas não só desses palhacios, desculpem, desses palácios se abrem como se um gênio disfarçado de Pablo Vittar com a voz de orangotango menstruado maviosamente sussurrante soprasse em seus ouvidos “Abra-te Sésamo”.

Todavia, amados leitores, não esperem por um Sésamo em carne e osso a vir recebê-los de braços abertos, com tapinhas nas costas, água gelada, cafezinho feito na hora e Dilma Rouboussett sendo puxada por uma coleirinha como um animalzinho de estimação. Esse cara é “invisível” para as gentinhas. Até hoje, os seres viventes com os quais tivemos contato telepático (os honestos e de coração aberto), só o conheceram (sic... sic... sic...) pelo nome S-É-S-A-M-O. 

Evidentemente temos outros lugares mais pitorescos para serem visitados nesse imenso galinheiro. O palácio Itamaraty, a Catedral Metropolitana, a Torre de TV e, logicamente, o palácio Janucú (pelo amor de Deus, não confundam com Jaburú), essa construção às margens pomposas do sisudo Lago Paranoá. Com relação a esse lago, dizem, a céu aberto, que, em face dos reboliços acontecidos recentemente nas dependências, do tal Jabucú, o infeliz laguinho mudou de nome. Ficou envergonhado.

Atende hoje, a quem o procura, para fotos e filmagens, pela alcunha de LARGO PARANOICOÁ. Parece enfermo, triste, abatido, com suas águas turvas, meio que apodrecidas e acamadas, completamente derreadas. Coitado do lindo lago! Sabe-se lá por quais cargas passou a vegetar esse infortúnio! Talvez pelo lixo que ultimamente alguns filhos da puta tiveram a coragem de remover do Janucú e jogar descaradamente em seu extenso e espaçoso leito.

Mas os que vierem “de fora” têm outras opções. A estação Rodoviária em forma de avião pousado, o Templo da Boa vontade, o Santuário de Dom Bosco, a Ponte JK, etc. etc. A Câmara dos Deputados, igualmente pode ser visitada ato contínuo. A Câmara é aquele lugarzinho onde nossos melhores representantes trabalham muito e ganham pouco. Entendemos que nossos parlamentares deveriam embolsar um pouco mais.

É uma vergonha uma casa de “autos” senhores, ou de criaturas que dão seu sangue por causas justas e nobres, por sujeitos que pensam primeiramente nos menos favorecidos, sem levarmos em conta que ditos cavalheiros, gastam horas e horas em ocupações árduas (quem sabe até se passando ou vivendo como escravos) em troca de uma merreca final do mês.

Mesmíssima ocorrência, no Senado. Nossos senadores, coitados fazem pena vê-los desamparados!  Dito de forma mais amena. A pobreza que os rondam causa angústia.  Corta o coração. A última vez em que lá estivemos, achamos por justo e perfeito patrocinarmos uma “vaquinha” entre os amigos mais íntimos, intencionando ajudar os nossos homens sérios.  Nossos compatriotas que pegam no pesado, que suam as camisas e, sobretudo, não permitirmos, jamais, que essas almas espetaculares e caridosas passem vergonha diante da sociedade e, claro, dos queridos turistas.   

Pois bem. O foco é esse. Os turistas. Os estrangeiros. Venham. Visitem Brazzília. O berço onde dorme o beiço das grandes indecisões nacionais. Brazzília o futuro de um país inteiro. Uma cidade sem ladrões, sem pilantras, sem vagabundos, sem baderneiros. Cidade ou como acharem melhor apelidar, a Capital onde está situado o majestoso, intocável, invulnerável, sacrossanto, intangível, sagrado STF ou o inalterado e puro SUPREMO TRIBUNAL DOS FANFARRÕES.  Local endeusado, onde a farra come solta.

Um esclarecimento importante, caros senhores. O STF se presta a defender pessoas sem manchas, desde que elas não estejam envolvidas em probleminhas caseiros, como roubos de pães em supermercados, ou abestados que passaram os dez dedos num porco, ou numa galinha, por exemplo. O Supremo deve ser acionado tão somente por cidadãos que tenham condições de bancar a própria imbecilidade.

Entenderam? Fica, pois, aqui, o chamamento. O aceno amigável para todos os forasteiros e visitantes de qualquer lugar deste planeta. Venham conhecer de perto o Brazzil, repetindo amados e amadas venham ver de perto, pegar, cheirar, tocar, apalpar, a nossa querida e idolatrada Brazzília. Antes, evidentemente, que ela exploda e suma na fumaça, como Hiroshima e Nagasaki. Venham, venham, todos. Se acheguem, AINDA HÁ TEMPO.   
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De Santo Eduardo, Estado do Rio de Janeiro. 20-7-2018

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. Um texto inteligente, verdadeiro, e bem mostra a vergonha do nosso país.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-