quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Os táxis e a essência reacionária do regime

Rui Ramos

A classe política portuguesa tornou-se há muito a guardiã de realidades que vêm de trás, desde o corporativismo salazarista ao PREC gonçalvista. É essa quase que a sua única razão de ser.

Taxistas chutam carro durante protesto contra a Uber em Madrid, no ano passado. Foto: Paul White/AP Photo
Quanto aos taxistas, que dizer? Talvez que é mais fácil compreendê-los do que simpatizar com eles. Os táxis beneficiaram, durante anos, de um sistema público de contingentação que não só fez dos alvarás um bom negócio, mas permitiu aos condutores cultivar impunemente as mais variadas excentricidades corporativas, seguros de que aos clientes, sem alternativa, não restava outro remédio senão sofrer estoicamente a sua má criação, opiniões, e preferências radiofónicas. De repente, tudo foi posto em causa pelas plataformas electrónicas de transporte, que permitiram a milhares de particulares prestar o mesmo serviço a preços frequentemente mais baixos e com muito mais cortesia e transparência.

Até aqui, imagino que já toda a gente tenha aprendido a lição. Mas há outra história por contar.

É que, em princípio, os políticos deviam estar com os taxistas. Reparem: esta é uma massa relativamente importante de empresários e de trabalhadores que beneficiam de um monopólio público e das respectivas rendas, e que a qualquer governo poderia interessar ter como clientes satisfeitos. Os taxistas não são funcionários públicos, mas é como se fossem. Mais: estão concentrados nas cidades, cujo trânsito podem bloquear ou perturbar. São o tipo de classe profissional capaz de proporcionar à elite política todas as razões para cedências. Seria fácil, aliás, tratar as plataformas electrónicas como exemplos de “capitalismo selvagem”. O esquerdismo primário que hoje em dia passa por ciência nas universidades dispõe, para o efeito, da necessária doutrina sobre a “uberização da economia”.

Era o que se poderia esperar: a classe política portuguesa tornou-se há muito a guardiã das “realidades que vêm de trás”, para usar uma expressão do presidente da república, desde o que ficou do corporativismo salazarista até ao que sobreviveu do PREC gonçalvista. É essa quase que a sua única razão de ser: defender, contra todas as mudanças, velhos estatutos, velhas situações, velhos privilégios, velhas maneiras de fazer as coisas, e as rendas que lhes estão associadas. Sendo assim, porque é que os políticos recusam aos taxistas a mão que estenderam a outras corporações — e, para além de todas as vantagens que a lei já tenta garantir aos táxis, não impõem também a contingentação às plataformas (porque, como é óbvio, a contingentação é o grande problema)?

Há dias, o presidente da república ajudou a desvendar o dilema: “O que eu espero é que se atinja um equilíbrio justo na concorrência ante uma realidade que vem de trás e é socialmente muito importante e uma realidade que arrancou há menos tempo e que está a alargar-se na sociedade portuguesa.” A segunda parte da frase diz tudo: esta é talvez uma das poucas situações em que a nova economia criou rapidamente uma massa de interessados que, apesar de inorgânica, nem por isso deixaria de reagir, mais não sendo com mau humor. A adesão às plataformas electrônicas foi quase instantânea e maciça. Já é difícil imaginar a vida urbana sem a facilidade de chamar um carro pelo telemóvel, e sem surpresas sobre o percurso, o preço e os humores do condutor. Significativamente, pouca gente pareceu nos últimos dias queixar-se da falta de táxis.

Imaginem que as plataformas digitais de transporte ainda não tinham aparecido. Estaria agora alguém a dizer-nos que, caso fossem autorizadas, só os ricos passariam a poder usar transporte individual. Tal como, muito provavelmente, se o retalho alimentar fosse, como outros serviços ainda são, um monopólio estatal, teríamos imensa gente a explicar-nos que sem supermercados do Estado não haveria comida no país. O reacionarismo do regime depende de não podermos experimentar outras coisas. Neste caso, experimentamos. Já é demasiado tarde para voltar atrás.
Título e Texto: Rui Ramos, Observador, 26-9-2018

4 comentários:

  1. Quem utiliza Uber pela primeira vez vira cliente.
    Os taxistas, em vez de evoluirem, querem que as 'plataformas' involuem, sejam como eles!
    Foi um grande problema no século XVII quando chegaram os primeiros carros: os carroceiros não paravam de fazer greves.
    Em países governados por socialistas ou assemelhados os taxistas ainda levam a melhor, porque os governos esquerdistas jamais pensam no povo, na população. Pensam numa clientela e que se lixe o povo!

    ResponderExcluir
  2. No Brasil, em 1972, só havia táxis amarelos, os amarelinhos, sem ar-condicionado, nenhum deles. Havia também os fuscas, sem o banco da frente do passageiro, o motorista fechava a porta puxando um barbante amarrado à porta.

    Depois, vieram os rádio-táxis, com ar refrigerado e eram chamados via central telefônica... e veio uma porrada de cooperativas de táxis, todos com ar-condicionado.

    Os amarelinhos, ou evoluiam ou desapareceriam: atualmente todos têm ar-condicionado e alguns têm a maquininha para passar o cartão (Débito/Crédito)...

    Ascensoristas, frentistas, cobradores de ônibus... são profissões em extinção!

    ResponderExcluir
  3. O problema dos táxis no Brasil são as prefeituras.
    Elas cobram vistorias, atualizações, uso do GPS, exames anti-drogas.
    Mudam cores, e taxímetros fazendo acordos corporativos com muita corrupção.

    Taxicistas não pagam IPVA e tem desconto no ICMS e IPI.

    Deveriam ser proibidos UBER em carros alugados.
    Quando o UBER entro eram carros de luxo, hoje tem UBER no Brasil até em FORD KA
    fui...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vá ainda! Hehehe...
      Sim, quando a UBER começou disponibilizava apenas carros de luxo. Hoje, acho que são quatro opções...
      AQUI, VOU AO GOOGLE PROCURAR A PÁGINA DA UBER, para conferir as opções e eis o que encontro:
      A página a que pretende aceder encontra-se bloqueada na sequência do cumprimento de ordem judicial ou administrativa.

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-