domingo, 30 de setembro de 2018

O que é preconceito?


Humberto Pinho da Silva

A cada passo, na “Globo News”, ouço afirmar que isso ou aquilo é preconceito.

E acontece o mesmo quando escuto comentadores radiofónicos: “É preciso, urgente, combater o preconceito.”

Mas, o que é preconceito?

Segundo Morais (Grande Dicionário da Língua Portuguesa) trata-se de: “Ideia, conceito formado antecipadamente e sem fundamento/ Obrigação de obediência inflexível ou tradicionalmente estabelecido”.

E o mesmo esclarece Dermival Rios, no “Dicionário do Estudante”, da Editora Brasil – São Paulo.

Dito isto, vamos refletir:

Será preconceito, atitude ou comportamento, fundamentado na Moral cristã ou islamita, ou opinião baseada na cultura e tradição de um povo?

No meu modesto pensar: não é.

Numa sociedade “ politicamente correta”, quando não se escreve, como os “democratas” pensam, rotulam-nos de: reacionário, “velho do Restelo”: preconceituoso.

Se cristão, asseverar publicamente que certo ato é criminoso, baseado na Moral da sua Fé, é, quase certo, taxado de preconceituoso.

O célebre Millôr Fernandes, definiu: “ Democracia, é quando eu mando em você. Ditadura, é quando você manda em mim”. Assim é o pensar e o agir de muita boa gente…

A democracia é o mais perfeito regime que se conhece; mas, infelizmente, – não sou eu que o digo, mas Rousseau, no Contrato Social, Cap IV –: “Um governo tão perfeito não convém aos homens, porque estes não são deuses”.

Por não serem deuses, nos países onde não há rei nem roque, os “democratas”, matam e mandam matar em nome de ideologias e crenças religiosas.

Voltemos ao preconceito:
Será preconceito não aceitar a “Nova Moral”?! Será preconceito defender a Família e as normas morais que serviram de base à nossa civilização?!

Será preconceito transmitir aos nossos filhos a educação e regras de civilidade que recebemos dos nossos maiores?!

Para alguns, intelectual, operário, estudante, que não pense como eles, é anatematizado.

Por enveredarmos por caminhos promíscuos e torpes; por termos corrompido a juventude, vivemos, agora, em constantes receios e medos.

Degradamos a mulher; e país onde a mãe e a esposa foi degradada caminha, irremediavelmente, para o declínio.

O homem, orgulhoso da sua inteligência, abandonou o Criador – como os filhos que desprezam e maltratam os pais.

Quando escrevo “ homem”, incluo, os cristãos – duplos –, crentes no templo, agnósticos na coletividade.

Perguntai aos políticos: Acreditais em Deus? A maioria,responderá: Sim; mas se acreditassem, não O expulsariam do parlamento, das escolas e das relações internacionais! …
Serão, porventura, hipócritas? Não sei. Sei apenas, porque não estou a julgá-los, mas a levantar hipótese, que, quanto mais falam de Paz, mais violência há; quanto mais falam de agregado familiar, mais desagregado está; quanto mais pretendem proteger as nossas crianças, mais elas se encontram em perigo.

Qual a razão? Cada um encontrará uma. Para mim, é, pelo facto de já não sermos civilização cristã. Trocamos o Deus bíblico, pelos deuses…

Concluo com palavras de Mário Quintana: “ O que me impressiona, à vista de um macaco, não é que ele tenha sido nosso passado; é este pressentimento: que ele venha a ser nosso futuro”.
Título e Texto: Humberto Pinho da Silva, Porto, 30-9-2018

Um comentário:

  1. Gostei, mas ficou incompleto.
    O PRECONCEITO É FORMADO PELO DESCONHECIMENTO.
    Se há conhecimento, foge da definição.
    Então advém o racismo, a intolerância, a xenofobia, a injúria e a discriminação.
    Todos são qualidades do estigma do liberalismo político, e são inconstitucionais na maioria dos países.
    O estado, o parlamento e a justiça DEVEM SER LAICOS, pois, qualquer crença deve ser de livre vontade do povo, não por imposição, por isso livre de símbolos.

    fui...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-