terça-feira, 23 de abril de 2019

[Pernoitar, comer e beber fora] Restaurante Pensão Flávia, em Chaves

Generoso leitor, começo por uma estrondosa confidência: foi por causa desta reportagem da SIC, empolgado que fiquei convidei um neto a me acompanhar na ida a Chaves para, junto comigo, encher a panturra. A minha, porque a dele, como qualquer jovem dessa idade é... ‘ininchível’, além de ‘resolvível’. 😊

Pois bem, chegamos a Chaves, fizemos o check-in no hotel. Passeamos pela cidade – tranquila, muito limpa – voltamos à base, descansamos e ‘atualizamos’ o Messenger, o FN, o Twitter, a revista e etc. neste décor:


Às 19h10 – pois havíamos reservado para as 19h30 já que ouvíramos que o patrão do restaurante era inflexível com os clientes que chegavam atrasados – começamos a caminhar rumo a uma ‘incrível experiência gastronômica’.



Adentramos, pontualmente, às 19h30.
Aberta a porta do restaurante, à minha esquerda, o bar, à direita, três mesinhas, com algumas ferramentas em cima, e à nossa frente um cara com uma furadeira em riste que nos exclama “Já?! Mas ainda é dia! Vão dar uma volta!”

Obedecemos, ora pois. Voltamos dezoito minutos depois. Felizmente, o Jason Voorhees de Chaves tinha se transformado em cozinheiro. Fomos encaminhados a uma mesa junto à janela.

Logo depois chegou o garçom com a sertã de gambas exclamando “Vamos começar?!” Ele mesmo respondeu, pois continuou trazendo sertãs de entradas frias:

Além das gambas; feijão frade com atum; bacalhau com grão-de-bico; folar de Chaves; tomate com mozarela; salada russa; mexilhões ao vinagrete; salpicão com ananás...



Depois das frias, as quentes:

Cogumelos salteados; cogumelos com bifinhos; lula frita; dobradinha; batata doce frita...

E veio o prato principal: vitela fatiada e um arroz malandro.



Para finalizar, o Jason de Chaves cantou três músicas ao violão.


A SIC, isto é, a turma de reportagem deve ter comido de graça. Nós, deixamos cinquenta dinheirinhos: quarenta pela comida e bebidas, dez para os dois atendentes. Conto porquê no final deste artigo.


Avaliação final:


Mas teve um ponto muito positivo, da parte dos dois atendentes. Vou contar: tinha começado pelo vinho tinto, da casa, vi na mesa ao lado uma jarra com vinho branco geladinho e me deu vontade. Chamei um dos atendentes, disse-lhe do meu desejo, e ele me trouxe duas jarrinhas de vinho branco e dois copos para que eu escolhesse. Escolhi. E então, o vinho escolhido veio numa jarra interessante (penúltima foto). Ela tem uma película no interior, você coloca a jarra no congelador, a película congela e, claro, vai ajudar a manter o vinho fresquinho. Até perguntamos onde comprar essa jarra, o atendente nos informou o endereço, e no dia seguinte, quando saímos do hotel rumo ao Porto, fomos atrás do endereço fornecido, mas, infelizmente, ele se escondeu de nós. 😞


Anteriores:

2 comentários:

  1. Na reportagem da SIC, o Jason de Chaves afirma que uma mesa deixou um euro.
    Não acredito! A menos que tenha sido resultado de uma briga de fato... mas, mesmo assim...

    ResponderExcluir
  2. Generoso leitor, olha só, por favor, não se avexe em nos enviar a sua colaboração. Não importa a latitude ou a longitude do local que você pode nos privilegiar com a sua opinião, mande para: caoquefuma@gmail.com
    Muito obrigado!

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-