sexta-feira, 30 de novembro de 2018

O pior louco é aquele que deseja ser

Marcos Luiz Garcia


Uma das coisas difíceis de compreender é, sem dúvida, a assimilação de uma parte da opinião pública às modas objetivamente irracionais, grotescas e feias.

Será que as pessoas compreendidas nessa parcela fazem uma observação séria, uma análise profunda e um julgamento objetivo de tais modas antes de incorporá-las aos seus hábitos? Não parece.

O que aconteceu para que pudesse ser aceita e se generalizasse uma moda que afronta rombudamente a razão, que fere por completo os predicados da beleza, como a estética, a integridade e a harmonia?

Tornou-se comum, andando de terno pela rua, ser olhado de cima para baixo, como se fosse um cavernícola, por pessoas que ostentam ufanamente calças rasgadas, compradas em lojas de grife.

Nem sequer as temperaturas baixas e o vento frio as impedem de usar tais calças, apesar de terem o tronco agasalhado; e quanto mais rasgadas forem as calças, mais envaidecidas as pessoas que as usam. Que lógica tem isso? Perguntadas, elas não sabem o que responder. Usam-nas por usá-las, e está acabado. Nem os moradores de rua são vistos, até agora, com tais roupas.

Repare-se que no público ninguém critica; seria politicamente incorreto. Quem consegue induzir o público a agir assim?

No entanto, atores e atrizes famosos e muito bem pagos – a nova elite desse mundo decadente – ostentam com orgulho verdadeiras loucuras, que são copiadas com uma fidelidade fanática por incontáveis pessoas.

Até a grande mídia trata e promove com a maior naturalidade as modas mais estranhas, mais subjugadoras, mais extravagantes. Por quê?

Quem gera isso? Quem consegue aliciar de tal maneira as mentes a ponto de despertar nesse público uma verdadeira ufania da loucura?

Chegaremos a ver carros zero quilômetro todos furados saindo das lojas? Móveis cheios de buracos expostos nas vitrines? Chapéus, sapatos e maletas rasgados à venda nos shoppings?

Coisas loucas, hábitos “escravizadores”, comportamentos irracionais estão conquistando incontáveis mentes. No fundo, a liberdade humana está sendo rapinada com métodos inteligentíssimos.

Qual é o objetivo de tais conquistadores? Fazerem loucos voluntários? Induzir a humanidade à loucura?!

Sabemos que o pior cego é aquele que não quer ver. É verdade. Mas talvez não seja errado afirmar que o pior louco é aquele que deseja ser.
Título, Imagens e Texto: Marcos Luiz Garcia, ABIM, 30-11-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-