segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

No jardim-de-infância

Alberto Gonçalves
Houve para aí certa comoção perante a notícia de que, coisa nunca vista, os alunos portugueses ficaram acima da média da OCDE nos testes do PISA. A comoção é desajustada. Por um lado, porque os testes dizem respeito a 2015 e, logo, traduzem benefícios do tempo do dr. Crato e do governo da "direita", período negro que urge esquecer. Por outro lado, porque os testes versam assuntos como as ciências, a matemática e a língua, anacronismos que, conforme se constata nas contas do responsável (?) das Finanças e no português do chefe dele, não preparam os petizes para exercer cargos verdadeiramente relevantes.

A nossa sorte é que todos estes infortúnios ficarão para trás. Por obra e graça (a graça é relativa) do ministro Mário Nogueira ou do seu jovem representante no Ministério da Educação, os níveis de exigência nas disciplinas tradicionais serão continuamente reduzidos até coincidirem com as competências de um orangotango esforçado. Em cima disto, o ME projecta despejar nas criancinhas lições sobre procriação e aborto. Dado tratar-se de gente ponderada, a primeira temática precede a segunda: tal como seria absurdo temperar a salada antes de semear a alface, não faria sentido explicar a interrupção da gravidez antes de se esclarecer a maneira de engravidar.

Naturalmente, é no "pré-escolar" que começarão a ser incutidos os rudimentos do sexo, os quais, no belíssimo jargão das entidades competentes, incluem: "Tomar consciência da identidade do género e dos papéis sociais"; "identificar diferentes papéis socioculturais em função do sexo"; "saber distinguir as diferentes expressões afectivas", "conhecer que existem mudanças físicas ao longo da vida", ou "identificar e respeitar a diversidade dos contextos familiares". Não custa imaginar a alegria do bebé que, entre uma mudança de fraldas e a deglutição de um punhado de terra, espera avidamente que o ilustrem acerca dos "papéis socioculturais" e da "identidade de género".

Porém, o ponto alto dos novos currículos é o ensino do aborto (teórico, espera-se) aos alunos do "2.º ciclo", que se não reprovarem excessivamente andam pelos 10 ou 11 anos. Eu, que sou um nadinha mais velho, ainda não consegui ter uma opinião definida a propósito, razão impeditiva de frequentar o Prós e Contras aos gritos. Mas o ME tenciona introduzir uma complexa matéria científica, filosófica e moral em cabecinhas convencidas de que os Países Baixos são habitados por anões e de que Snoop Dogg é um artista. Para o ano, acrescenta-se a eutanásia (teórica, volto a desejar) ao programa das creches.

Ao contrário do que parece, o problema não é o Estado usurpar funções e evangelizar crianças. O problema é que, independentemente da idade, as crianças mandam no Estado. Suspeito que os próximos PISA estarão inclinados.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Diário de Notícias, 11-12-2016

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-