sexta-feira, 29 de maio de 2020

[Aparecido rasga o verbo] Fim da pandemia. A cura do covid-19 ao alcance de todos nós

Aparecido Raimundo de Souza

A VERDADE É A SEGUINTE: não temos nenhum corajoso de plantão, seja do povo, do senado, da câmara, e até mesmo misturado no meio dos ilustres ratos de esgoto do STF, um doidão tipo Jair Bolsonaro, que levante a voz e enfrente essa turma de babacas e venha em nosso socorro.

Em nosso socorro como?! Vamos por partes. Lembram do Jack, o Estripador? Já falamos dele. Comecemos pelo POVO. O povo, sabemos ser humanamente imposssível  algum levantamento de voz. Temos plena consciência que o proletariado, está de pés e mãos amarrados. A cada novo dia esta certeza se torna cada vez mais transparente e absoluta.

O povo não tem voz ativa. Sequer um trombone para meter a boca e “trombonear” gritando por socorro. O SENADO é outro pardieiro onde seus frequentadores não fazem porra nenhuma, a não ser coçarem seus respectivos sacos e, final do mês, abocanharem, com suas gargantas profundas as babas consideráveis, recebendo os canalhas pagamentos vultuosos por trabalhos fantasmas que a sociedade nunca viu e tampouco jamais verá.

A CÂMARA, idem.

No STF, aquele chiqueiro diferenciado, onde (Sempre o Tempo é Favorável), nossos “onestos” mi”SI”nistros, estão preocupados primeiramente com as suas biografias. Num segundo momento, com os aparelhos celulares do presidente Jair Bolsonaro e do filho dele.

Afinal,  caríssimos senhores... Dos cagados, mil perdões, dos togados que elencam a atual cúpula do STF, ou “Suplema Courti”,  a saber, Dias Toffoli, Luiz Fux, Celso de Mello, Marco Aurelio, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Carmem Lucia, Rosa Weber, Roberto Barroso, Edson Fachin e Alexandre de Moraes... Tam... Tam... Tam... Tam...

Qual deles expediu a ordem para  “acintar”, ou dito de forma mais objetiva e clara, qual deles sugeriu à PGR (Procuradoria dos Gatos Roedores) “apreender” os aparelhos particulares do Chefe da Nação e de seus familiares?!

Uns dizem, por debaixo dos panos, que Celso de Melo deu o pontapé inicial. Outros, pelas coxias, apontam Fernando Henrique Cardoso e João Doria. Meia dúzia coloca a culpa em Lula e Haddad. Existe, ainda, uma corrente enferrujada, por sinal, que aposta foi o Sergio Moro.

Sergio Moro está furioso. Soltando fogo pelas ventas. Neste balaio de gatos latindo, sem sabermos quem foi, quem deixou de ser, temos apenas uma porta de saida. Falta, contudo, a chave. 

Entendemos que estes senhores valentes e ousados deveriam ter a mesma firmeza de espírito, idêntica energia e igual valentia, começando por mostrarem à raia miuda, as fuças (como fez o presidente Jair Bolsonaro na reunião ministerial de 22 de abril).

Ou melhor, como o intrépido ministro da educação, Abrahan Weintraub, ao escancarar a matraca e vomitar (no bom sentido), que “Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”. Sábias palavras. Certamente a vontade de uma porrada de cidadãos brasileiros. O ministro da educação, parece peitudo, deseducado e sem papas na lingua, como Jair Bolsonaro, audaz, decidido, incitado, disposto.

Pois bem. Entre tapas e beijos, mais tapas que beijos, aproveitando o gancho da ocasião, sugeriríamos aos Senhores doutores cultuadores das leis, por exemplo, que tomassem tino e vergonha e engaiolassem para ver o sol nascer quadrado, figuras dantescas, carnavalescas,  como a do apóstolo  Valdemiro Santiago.


Quem é essa cara? De onde surgiu? Se come com arroz e feijão? Ele está a favor de Sergio Moro cuspindo para todos os lados que Jair Bolsonaro queria interferir na Polícia Federal? Não, senhoras e senhores. Referido cidadão, aliás é bom que se diga, não outro, senão o braço direito e esquerdo de Deus, aqui na Terra, para quem está lendo agora, Valdemiro Santiago é o lider da Igreja Mundial do Poder de Deus.

Este “chegado” vem realizando milagres fabulosos, prodigiosos, irreais e avultosos. Até o Grande Arquiteto do Universo pede à alguem para lhe aplicar um  beliscão, para realmente se certificar estar vendo e ouvindo perfeitamente.

Inclusive, senhoras e senhores,  com o advento da pandemia,  Valdemiro promete, e não só promete, realiza e mostra, em nome do Altíssimo, a cura do covid-19. Sera? Sim ou não? Encafifado com essa “”suposta” balela, o Ministério Público de São Paulo, dando uma de São Tomé, entrou no circuito e pediu a retirada de todos os vídeos do You Tube, onde o querido e amado apóstolo do Eterno, Valdemiro Santiago, pratica sem que ninguém o detenha, ou impeça, o famoso 171.


Em rápidas pinceladas, o que venha ser o 171?. O 171, grosso modo, é aquele espertalhão que, usando da boa fé dos humildes e dos modestos, se prevalece, da obra de Deus. Engana, em nome dela, os pobres e os idiotas. Esse 171 serve também para os nossos parlamentares que abundam a capital (do capital) Brasília.  

Voltando ao 171, para alguns ele é mais ousado. Na sua impetuosidade, como para o micróbio “abensssoçoado” Valdemiro, cria asas, perdão pelos. “Pêlos”, aqui, com chapeuzinho (^). Se afigura, este bigato, uma raposa maldosa, se apresenta a todos naquela  pelezinha de cordeiro. Todavia, às escondidas, se transfigura num chifrudo das profundas. Um animal dantesco, feérico e  diabólico, que dá causa ao inimaginável, ao embuste, ao engodo e principalmente ao charlatarismo.

O 171 existe também na versão saias, perucas  e maquiagens, o que equivale dizer, se caracteriza na poderosa Taenia solium e, vegeta do mesmo estelionato (artigo 171 do Código Penal), o que nos faz desembocar nas “abensssoçoadas” (pastoras, bispas, padras, pesbríteras, sacerdotizas, etc., etc...) que vende promessas mirabolantes, comercializando contos de fadas e histórias da carochinha.


Não contente (tanto um, como outro), trapaceia, engana, ludibria, fanfarreia, e apela, negociando feijões e sementinhas que prometem (que prometem não, que curam) as pessoas acometidas ou contaminadas pelo coronavirus. Daremos uma balinha de hortelã para quem adivinhar o valor destas miríficas sementinhas.

O 171  vai, ainda, um bocadinho além. Geralmente se coloca em lugar de curandeiro. Ao mesmo tempo em que é Lula, vira Rodrigo Maia, se veste Alcolumbre, e, como um deus de merda dos tempos da Mitologia Grega (a mitologia que nos perdoe), toma na cara de pau, na mão grande, na lábia, o dinheiro  surrado dos trouxas e piegas, dos pombocas e desespertos, empurrando neles máscaras ungidas, sacramentadas e purificadas  (atualmente estas máscaras tão em moda) e, por derradeiro, traficando toalhinhas consagradas e besuntadas com os óleos das oliveiras do Perenal.


Nesta balbúrdia, vêm, de roldão, os paninhos adquiridos na 25 de março, que só dos endividados passarem com eles em frente as portas dos bancos -, imaginem, senhoras e senhores -, só de cruzarem  em frente as portas de quaisquer dessas inúmeras instituições financeiras, as dívidas  DESAPARECEREM na poeira.

Se tivéssemos o privilégio de fazer parte dessas Casas de Leis, com certeza seríamos o primeiro a querer do nosso lado o famoso pilantra... Por favor, nos concedam o perdão, a querer do nosso lado, o bem-aventurado apóstolo Valdemiro Santiago. Seria uma benção!

Colado nos colhões dele, pediríamos, ato contínuo, para o preposto “sem pecado” interceder junto ao Sublime Emissário, clamando para que o Sempiterno providenciasse, sem mais delongas, um milagre. E qual seria o objetivo desse prodígio tão desejado advindo dos benfazejos da Luz do Princípio?!

Não outro, evidentemente, caros senhores, senão um portento insólito para “acintar”, de uma só tacada, os celulares de Jair Bolsonaro e do filho dele, Carlos Bolsonaro. O melhor de tudo, sem que fosse preciso perder tempo escrevinhando um novo romance ao qual dariamos, não o nome de Decisão Monocrática, mas de Decisão Bostonocrática.

Entendemos que, ombro a ombro com esse crápula, grudado no cangote dele, bastaria uma de suas toalhinhas em nossas mãos, para, num rápido e rasteiro vapt-vupt, e os aparelhos telefônicos de Jair e Carlos Bolsonaro (igualmente tão em alta...) sumiriam do mapa, como se tivessem sido literalmente abduzidos.             

As proezasa, as façanhas e os feitos do Mentor de Deus, estão nos links que elencamos abaixo. Eles dão conta dos infindáveis prodígios realizados pelo “Chapeludo” (daí a explicação dos pêlos aqui aparecer com chapeuzinho) do Redentor, das sementinhas, e dos feijõeszinhos que ele comercializa, das toalhinhas espirituólicas e da intervenção do Ministério Público.

Culminam, outrossim, esses vídeos, trazendo à baila uma espinafrada sarcástica do apresentador Ratinho. Caríssimos, assistam e tirem as suas conclusões. Era o que precisávamos dizer.

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. Sei que o Aparecido dificilmente responde contestações.
    Porem essas merece.
    Quando nasci me batizaram, fizeram-me frequentar catequeses, fazer crisma e comunhão. Quando resolvi casar para contentar a sociedade familiar, minha e dela, me obrigaram a casar e tive que pedir folga para frequentar um curso de noivos de 7 dias pagando por ambos.
    Quase fui expulso, como era pago o Padre contestava-me a toda hora.
    No dia do meu casamento ajoelhado no altar quase vomitei com o cheiro de sovaco e cachaça do tal padre. Teria feito se tivesse um hálito fedorento.
    Era um porco de elite.
    Minha esposa como todo brasileiro era do candomblé, católica e espírita.
    Brasileiro sempre tem 2 ou 3 religiões.
    Tornei-me ATEU nas faculdade da vida e depois na de filosofia.
    Nunca proibi nem entrei no mérito das opções de minha esposa.
    Desisti até dos bate papos de bar onde discutiam futebol e quantas trepadas davam por dia.
    Nas entranhas das cabines de comando de voo, o cheiro de porra era insuportável.
    Nas festas que religioso-sociais que frequentava o assunto era só doenças e sexo.
    Aprendi que jamais devemos nos intrometer nas opções dos outros.
    Aliás um irmão meu que me roubou tirando todo o dinheiro do banco, falsificando até identidade hoje é "mãe de santo" de determinada linha do candomblé.
    Irmão e mãe de santo não precisa de explicação heterogênea essa é homogênea.
    Eu assisto de trono os imbecis frequentadores.
    Não sou muito radical, até gosto das palestras do Silas Malafeita.
    Escrevi esse monte só para dizer que religião, times de futebol e política vem da família.
    Somente cultura e educação nos fazem fugir destas ideologias.
    Por exemplo:
    Sou gaúcho, gosto de chimarrão só para mim, não uso bombacha e outros apetrechos, não danço quadrilha e outras, não gosto de rancheiras e curo muito música de raiz.
    A única lembrança religiosa que tenho é a certidão de casamento porque é documento jurídico.

    ResponderExcluir
  2. Diz o aparecido em seu belo texto ,...um doidão tipo bolsonaro...
    É consenso entre quem gosta e quem não gosta de bolsonaro que o cara é doidão ...
    Mas, pedir um outro doido para levantar a voz opondo-se aos pol´ticos em geral, encontra um grave senão...
    Será que é de loucos mesmo que o brasil precisa?
    E Bolsonaro foi eleito para esta tarefa, mas com o tempo aderiu ao toma lá da cá, sua na tropeçou na sua insanidade , e parece estar sendo derrotado pela "velha politica!
    Chego a conclusão que ,nem só não precisamos de loucos , como ao que parece nem isto ajudou o Brasil.
    Pobre Brasil!
    O loco meu!

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-