segunda-feira, 16 de abril de 2018

O minuto Herrera

Miguel Lourenço Pereira 


Num ano de merecimentos emocionais, o golo tinha de ser dele. Num ano de mística recuperada, o golo tinha mesmo de ser dele. Patinho feio desde que chegou, criticado muitas vezes (justamente em muitos momentos, injustamente noutros, por mim o primeiro, em ambos casos), Hector Herrera marcou o que pode ficar para a história do futebol em Portugal como o golo do título de 2018. Além da estética do golo, da importância do mesmo e do minuto em que foi conseguido, no disparo vitorioso de Herrera houve um resumo desta temporada do FC Porto. Patinhos feios, criticados justa e injustamente (por mim o primeiro, em ambos casos), os azuis e brancos deram um golpe na mesa que define bem a viragem de atitude deste projeto. Um projeto que conseguiu repetir a proeza de Vitor Pereira, com uma escassez de meios atrás, sem apoio da instituição, e que está agora mesmo a dez pontos de ser campeão nacional pela primeira vez em meia década.

O FC Porto foi um justo vencedor num jogo equilibrado onde cada equipa foi melhor numa parte, mas em que se percebeu claramente que só uma estava disposta a tudo por ela.


A primeira parte do Porto foi fraca. Não foi, ao contrário da excursão de Lopetegui, uma rendição. Foi um reflexo das limitações do modelo, dos jogadores e da pressão do momento aliada à vontade do Benfica, a jogar em casa, de querer fechar as contas cedo. O jogo largo do Porto, apostado na velocidade de um recuperado Marega, falhou quase sempre porque não só o maliano não foi capaz de gerar superioridade como, quase sempre as segundas bolas acabavam nos pés dos encarnados que tinham assim o controlo do esférico e dos momentos do jogo. Não surpreende por isso que nos primeiros 45 minutos as oportunidades e os ritmos de jogo fossem deles. O Porto dedicou-se, sobretudo, a manter-se vivo, a competir, a dar a cara e a esperar melhores momentos. Notou-se algum nervosismo e desacerto, mas nunca medo ou pânico perante um rival empurrado pelo estádio.

O segundo tempo foi outra conversa. Despidos os receios, temores e respeitos pelo cenário e pela tensão do momento, os jogadores do Porto foram jogador à Porto e cresceram centímetros. A equipa entrou a querer mais bola - algo que na primeira parte nunca sucedeu - e a marcar os ritmos do jogo, criando muito mais perigo e vulgarizando um Benfica que demonstrou, outra vez - pela enésima vez - que no terreno de jogo não tem argumentos para estar na posição onde outros, fora dele, o colocaram.

Se bem que houve oportunidades para cada lado, ficou claro que o grande perigo do Porto vinha dos seus próprios erros. Sérgio Oliveira continua a demonstrar que a situação o supera. Não só levou um primeiro amarelo a cortar um ataque por culpa de uma perda infantil num lance ofensivo, como depois se dedicou a perder bolas e a fazer faltas, alheado do ritmo à sua volta.

Otávio e Soares também passaram pelo mesmo processo, Brahimi continuou a navegar demasiado só e nem Telles nem Ricardo estiveram acertados nas subidas. Ainda assim, o Porto dominava, criava perigo, sobrevoava o ritmo de pausas sucessivas imposto pelo árbitro e crescia, ainda que quase sempre sem criar aquele momento decisivo de perigo à baliza de Varela. 

Foi então que as mexidas no banco denunciaram as ambições de cada treinador. Vitória recuou no terreno de jogo e com Oliver, Aboubakar e Corona o Porto deu novo passo em frente. Se o espanhol foi importante para libertar Herrera - sempre pendentes dos desacertos de Oliveira - já o mexicano voltou a decepcionar (é um dos piores jogadores na toma de decisão da história recente do clube) e Aboubakar, fiel à sua forma recente, esteve alheado do jogo desde o primeiro momento. O tempo passava, o Porto procurava oportunidades e só os problemas habituais do modelo - a falta de jogo interior, a insistência em procurar o cruzamento - parecia impedir a chegada do golo. Mas como às vezes o futebol sim sabe ser justo, o esférico encontrou o seu caminho ao sitio certo. Não foi um golo merecido apenas pelo jogo de hoje, mas, sobretudo, pelo jogo no Dragão - e a sua penosa arbitragem - e por todo o ano. Uma jogada interior provocou uma falta por assinalar - mais uma - sobre Brahimi e a bola sobrou para o capitão Herrera. Bem longe ainda da baliza de Varela, o mexicano endossou um remate espantoso que adormeceu no canto superior direito da baliza de uma forma autoritária e decisiva. Foi o golo de todos nós. O golo do homem a quem todos, em algum momento, não hesitamos em criticar e que neste modelo de Conceição se sente como peixe na água. Foi o minuto Herrera. Um minuto que, se tudo correr bem até maio, nunca nenhum de nós vai esquecer.



Não há nada que celebrar ainda, por muito que a lágrima escorra pelo canto do olho pela importância do momento. São quatro finalíssimas, quatro jogos de final de Champions e Mundial juntas que ficam por disputar. Sabendo bem quem é o Benfica e como funciona o futebol em Portugal a margem de erro é absolutamente nula. Não se pode repetir a desastrosa sequência de Paços-Belém nas saídas ao Funchal e Guimarães. As duas vitórias em casa são mais do que obrigatórias, frente a Setúbal e Feirense, sem dar nada por garantido, mas esses dois jogos fora têm todos os condimentos de ser determinantes. Graças ao triunfo que deu a liderança e o goal-average particular frente ao Benfica, o Porto pode ceder um empate, mas nada mais. Melhor diretamente apontar alto, aos doze pontos, e deixar as celebrações para a visita a Guimarães. Até lá aguentemos a respiração e respiremos fogo. De Dragão.
#NosVamosGanhar
Título e Texto: Miguel Lourenço Pereira, Reflexão Portista, 15-4-2018





Relacionados:


Um comentário:

  1. Faltam QUATRO rodadas para o fim do campeonato, que termina no dia 13 de maio, domingo.
    O FC Porto ainda tem que defrontar o Vitória de Setúbal, no Dragão, no dia 23 de abril;
    Marítimo, no Funchal, dia 29 de abril;
    Feirense, no Dragão, no dia 6 de maio;
    Vitória de Guimarães, em Guimarães, no domingo, 13 de maio.
    Haja coração! E gols do FC Porto!

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-