terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

[Livros & Leituras] ] No Princípio... Bang!: Cosmologia e Teologia: Uma Introdução ao Argumento Cosmológico Kalām

Monografia em Teologia, escrita em 2013, por Vitor Grando.
Acabei de ler. Embora pense ser uma obra para iniciados em Teologia/Filosofia, achei muito interessante. Sempre é bom aprender, né?

Abaixo, transcrevo trecho em que Vitor alude, na monografia, ao filósofo judeu Saadia ben Joseph. (Encyclopædia Britannica).

“Saadia ben Joseph (882-942) foi o primeiro dos grandes filósofos judeus. Os judeus eram um meio termo entre os pensadores muçulmanos e os teólogos cristãos do ocidente e foi através deles que a filosofia árabe influenciou a Europa medieval.


Dada a influência dos pensadores judeus no escolasticismo cristão, suas formulações do argumento cosmológico merecem nossa atenção.

A filosofia judaica era consideravelmente dependente da filosofia árabe. A principal diferença era que, enquanto esta era mais ampla, aquela era mais preocupada com questões religiosas, ou seja, seria mais apropriado chamá-la de ‘filosofia da religião’. Julius Guttmann nos explica que:

Ainda mais do que a filosofia islâmica, [a filosofia judaica] era definitivamente uma filosofia da religião. Ao passo que os aristotélicos e neoplatonistas islâmicos lidavam com toda a amplitude da filosofia, os pensadores judeus dependiam grandemente das obras dos seus predecessores islâmicos no que tange às questões filosóficas gerais, e se concentravam mais especificamente em problemas filosóficos-religiosos... a grande maioria dos pensadores judeus tinha como principal objetivo a justificação filosófica do judaísmo, lidando com problemas de metafísica em um contexto filosófico-religioso.

A filosofia judaica, dada a influência do pensamento árabe, também trouxe desenvolvimentos ao argumento cosmológico kalām. Saadia, que foi muito influenciado pelos mu’tazilites, foi o principal expoente do referido argumento tendo defendido ao menos quatro argumentos para a criação do universo: o argumento da finitude do mundo, o argumento da composição, o argumento da temporalidade dos acidentes e o argumento da finitude do tempo. Para nossos propósitos, é apenas o quarto argumento que nos interessa. Neste argumento, Saadia tenta reduzir a hipótese da infinitude do tempo ao absurdo:

O quarto argumento é [baseado] no [na concepção do] tempo. Isto é, eu sei que há três períodos [distintos] de tempo: passado, presente e futuro. Embora o presente seja menor que qualquer outro momento de tempo, eu presumo... que esse momento presente é um ponto e digo...: ‘vamos supor que uma pessoa deseje avançar mentalmente no tempo para além deste ponto. Ela não conseguiria fazê-lo pelo fato de o tempo ser infinito e o que é infinito não pode ser mentalmente atravessado de maneira ascendente [retrocedendo ao início].

Agora, essa mesma razão torna impossível a existência ter atravessado o infinito de maneira descendente até chegar a nós. Mas se a existência não tivesse chegado até nós, nós não teríamos vindo a ser... Visto que, entretanto, eu vejo que eu existo, eu sei que a existência atravessou todo o conjunto de tempo até chegar a mim e que, se não fosse pelo fato de o tempo ser finito, a existência não poderia tê-lo atravessado.

O que Saadia defende, portanto, é que é impossível regredir mentalmente através do tempo até alcançar o início do tempo. Assim, Saadia defende que não é possível ascendermos mentalmente através de toda a série de momentos passados de tempo já que o time é ex hypothesi infinito.

Por mais longe que nosso pensamento atravesse no tempo, ainda restará um infinito temporal a ser transcorrido. Por essa mesma razão, seria impossível que a existência progredisse através do tempo até alcançar o presente momento.

Dado que nós hoje existimos, a conclusão, portanto, é óbvia: o tempo é finito. Pois somente assim a existência poderia ter chegado até nós.

Dessarte, Saadia prova que o mundo e o tempo tiveram um início. Ele procede então a dizer que já nada pode ser causa de si mesmo, logo o mundo precisa ter tido um Criador.”

Relacionados:

Um comentário:

  1. Gostaria de expressar meu pensamento sobre ideologia e filosofia.
    A IDEOLOGIA, sobre qual sou contra, é mental e de falsa consciência que separa o conhecimento ideológico do conhecimento científico. Na verdade, A ideologia torna conhecimento humano e atividade pessoal em preferências e valores individuais.
    É fácil alguém dizer que sua ideologia é filosofia, como por exemplo a TEOLOGIA ou o socialismo.
    Não existe uma resposta porquês para que as pessoas aceitem determinada ideologia, suas verdades ou mentiras em de seus enunciados muitas vezes em teses não convincentes, a certeza que trazem são seus portavozes.
    As ideologias inúmeras de pessoas, através de líderes que são aceitos como porta-vozes da verdade.
    líderes de critérios é que esses líderes que pensam ouvir a voz de DEUS ou que transformem a Ciência em DEUS.
    É nesse momento que as ideologias se apresentam científicas, e o inferno de DANTE se inicia.
    A filosofia só admite o saber.
    O saber que nos transforma todos em PENSADORES.
    A FILOSOFIA nos transforma em silogistas.
    Ela não tem líderes, nem socialistas papas, nem ladrões de 9 dedos.
    Ela não crê em TRUMP, nem em Bolsonaro, ela analisa a análise de suas atitudes, nunca as pessoais, mas as sociais.
    Enquanto as religiões e políticas universais não considerarem os processos de controlar a natalidade no mundo como interesse humanitário, destruiremos nosso planeta em 50 anos.
    O niilista aqui que escreve felizmente terá partido para adubar esse planeta lindo que os homens tentam destruir.
    Na subsistência, nosso planeta tem um ciclo preservativo altamente profícuo, infelizmente o HOMEM É O ÚNICO QUE NÃO TEM PREDADOR.
    FUI...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-