segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

[Língua Portuguesa] Coordenadora de dicionário da Academia das Ciências quer regresso do “pára”

Palavras como "pára", "péla" e "pêlo" podem voltar a escrever-se se a proposta da coordenadora do novo dicionário da Academia das Ciências de Lisboa for aceite.

Foto: Inácio Rosa/Lusa

Palavras como “pára”, “péla” e “pêlo” podem voltar a escrever-se se for aceite a proposta da coordenadora do novo dicionário da Academia das Ciências de Lisboa (ACL), que quer evitar “ambiguidades” e “confusão”.

Esta reposição do acento diferencial permitirá evitar situações de homografia que geram ambiguidade e, ainda que o contexto possa evitar a confusão, interferem com a velocidade do processamento da informação no ato de leitura”, afirma Ana Salgado, num documento publicado no Pórtico da Língua Portuguesa (PLP).

No documento salienta-se que “no caso da forma verbal ‘pára’ e do vocábulo ‘pêlo’, a frequência de uso é tão elevada que a distinção é fortemente desejável para distinguir dos seus homógrafos”.

A responsável, no entanto, aceita que caia o acento em “pólo”, que distinguia de “polo”, por ser “uma combinação arcaica”, como aceita a queda do acento circunflexo (pôlo), por ser raramente usado. A mesma lógica para se aceitar a queda do acento em palavras como “côa”, “pêra” ou “pêro”.

O Acordo Ortográfico de 1990 (OA90) eliminou o acento gráfico em palavras graves com vogal tónica aberta ou fechada que são homógrafas de palavras átonas, como artigos, contrações, preposições e conjunções. Mas, nota a Academia, manteve a distinção entre pôr (verbo) e por (proposição), que é um caso idêntico e que por isso tira consistência aos outros critérios.

A reposição do acento agudo em “pára”, na sugestão de Ana Salgado serve também para os compostos separados por hífen, como “pára-quedas” ou “pára-raios”, entre muitos outros.

Em casos em que o AO90 considera a acentuação facultativa Ana Salgado recomenda que se mantenha o acento nas formas verbais “dêmos” ou “pôde” e na terminação “ámos” do pretérito perfeito do indicativo dos verbos da 1.ª conjugação, para fazer a distinção com o presente do indicativo.

O novo dicionário de português da Academia deve estar pronto no próximo ano. Ana Salgado, lexicógrafa, é membro do Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Língua Portuguesa e sócia da ACL.

A Academia deve apresentar ainda este mês um estudo para aperfeiçoar o AO90, sugerindo nomeadamente o regresso à utilização de algumas consoantes mudas.
Título e Texto: Agência Lusa, Observador, 16-1-2017 

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-