sábado, 10 de junho de 2017

Cinco dias inúteis

Alberto Gonçalves


Há pessoas de quem não se espera nada. E há aquelas de quem se espera tudo. O prof. Marcelo pertence às duas categorias. Nos Açores, resolveu explicar o segredo da nossa felicidade, ele próprio.

Segunda-feira
Há pessoas de quem não se espera nada. E há aquelas de quem se espera tudo. O prof. Marcelo pertence às duas categorias. Em passeio nos Açores, o homem resolveu explicar o segredo da nossa felicidade, ele próprio: “Quando iniciei o meu mandato, achava que o país estava carecido de afeto e que era uma prioridade esse afeto. As pessoas estavam pessimistas, estavam cépticas, estavam crispadas. (…) o país estava perdido, corria tudo mal”. Então, como um anjo, surgiu o Salvador, ainda mais reluzente que o Sobral.

Com franqueza, já desisti de tentar perceber se o prof. Marcelo diz estas coisas a sério ou se se diverte a gozar com pategos. A verdade é que os pategos existem, e aparentemente não apenas entre os “populares” que se acotovelam nas ruas para uma “selfie” com o equivalente indígena da Princesa do Povo. Nas redacções jornalísticas (crescentemente uma força de expressão) e no comentário, também parece haver gente que toma à letra as afirmações do Senhor Presidente. Não falo dos que utilizam aquela retórica vazia em benefício da propaganda governamental. Falo dos que se mostram realmente convencidos de que os “afetos”, leia-se a conversa fiada, o sentimento de cordel e um populismo que envergonharia alguns estadistas do Terceiro Mundo são capazes de influenciar o rumo de uma nação ou, modestamente, o quotidiano de um único dos seus cidadãos. Há, a julgar pelas evidências, indivíduos que votam, conduzem, procriam e determinam o alinhamento de um “telejornal” a acreditar que o facto de o chefe de Estado desfilar a sorrir numa feira de tremoços em Melgaço influencia o poder de compra de um solicitador do Cacém.

Trata-se de um exemplo acabado do pensamento mágico, por azar um eufemismo de atraso de vida. À semelhança dos primitivos que dançavam para espevitar a colheita de cevada, muitos portugueses modernos supõem que o pão decorre do circo. Não decorre, e o pior não é não o saberem agora, mas não o terem aprendido antes e não virem a compreendê-lo depois.

Terça-feira
Ninguém sabe muito bem o que é o Acordo de Paris, quem o cumpre e a que título deveria ser cumprido. Mas toda a gente tem um palpite acerca da decisão do sr. Trump em remover os EUA do negócio: segundo a ortodoxia, o homem fez mal. Também tenho o meu: o homem fez bem. Não possuo nenhuma certeza quanto à influência do progresso – e da economia americana – no “aquecimento global” (ou nas “alterações climáticas”, o neologismo criado para a eventualidade de isto afinal arrefecer um bocadinho e as previsões do Apocalipse saírem enfraquecidas). Mas, cá por coisas, estou certo de que o bando de populistas, ambientalistas, lobistas, oportunistas, “cientistas” e “jornalistas” que reproduz a cartilha oficial sobre a matéria só pode estar errado. Aliás, o pressuposto é mais ou menos o mesmo que leva uma pessoa sensata a concordar com a ameaça do sr. Trump em fazer os EUA abandonarem o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, caso este insista em esquecer calamidades como a venezuelana e, como costuma, continuar a limitar os seus temas de interesse a Israel. Ao contrário do que se diz, o problema não é um mundo em que um pantomineiro do calibre do sr. Trump lidera a maior potência. O problema é um mundo em que, comparado com os colegas, o sr. Trump parece um estadista decente.

Quarta-feira
Um agrupamento musical chamado D.A.M.A. publicou no Twitter um verso de uma canção sua: “Se sim tasse bem, se não tasse bem também.” Uma fã corrigiu (digamos): “Tá-se”. O agrupamento levou a mal: “Olá Sofia. Em que língua? Em Português, o Pretérito Imperfeito no Subjuntivo do verbo é Estasse, abreviado ‘Tasse. #thinkbeforeyouspeak”. O erro original já tem graça, mas muito mais engraçada é a presunção com que o erro é legitimado. Há todo um carisma especial quando a ignorância assim primordial e imaculada se faz acompanhar pela confiança do ignorante. Mudando de assunto, o dr. António Costa concedeu uma entrevista à SIC.

Quinta-feira
Após anos a ouvir especialistas nas televisões, aprendi que há muçulmanos moderados, muçulmanos referenciados e muçulmanos radicalizados. Não sei a que categoria pertencem os futebolistas da seleção da Arábia Saudita que, em jogo com a Austrália, desrespeitaram o minuto de silêncio pelas vítimas do terror em Londres. Mas também não importa. O importante é que, conforme alguém explicou e o DN repetiu, a “tradição” do dito minuto “não se enquadra com a sua cultura”. Continuamos à espera de uma tradição que se enquadre, salvo a de permitir que explosivos com problemas psiquiátricos, facas desempregadas e camiões inadaptados provoquem incidentes onde calha.

Sexta-feira
O sujeito, que não tem vícios nem carro, concluiu o liceu a custo e passou uns meses no curso de Estudos Sindicais (?) do politécnico, condições que prometiam, e cumpriram, carreira radiosa na política. Chegou a deputado em 1983, posição em que se distinguiu dos radicais choninhas pelo apoio eufórico aos bombistas do IRA. Coerente e cosmopolita, o sujeito alargaria mais tarde o apoio aos bombistas do Hamas e do Hezbollah. O sujeito sempre apreciou a livre determinação dos povos, exceto quando, como na Ucrânia, os povos parecem determinar-se para longe da opressão, traquinice cujo castigo aplaude. O sujeito também aprecia o Irão, e em 2014 exigiu que o Ocidente deixasse de “demonizar” aquele regime, o qual aliás lhe pagou 20 mil libras pelos elogios. O sujeito aprecia igualmente Chávez, Castro e qualquer santo que se lhe afigure susceptível de educar a humanidade através da violência e da miséria. O sujeito, escusado dizer, aprecia um Estado zeloso. O que o sujeito não aprecia são os EUA e, sobretudo, Israel, esse território inexplicavelmente repleto de “sionistas”. O sujeito chama-se Jeremy Corbyn e o DN chama-lhe um “rebelde de muitas causas”, quase todas criminosas. Esteve, e talvez ainda esteja, a um pequeno passo de mandar no Reino Unido. Misteriosamente, os “media” ocidentais, tão diligentes a detectar ameaças populistas (ou fascistas), deixaram em paz este particular populista (ou fascista). 
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 10-6-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-