domingo, 19 de novembro de 2017

Sobre egos, vaidades e desunião...

No dia 15 de novembro deixei um comentário no fórum “DefasagemTarifária” sobre a recorrente menção à vaidade e desunião no grupo de ex-trabalhadores da Varig. Na verdade, um comentário pela metade (menos da metade), pois nele eu dizia que continuaria o comentário no dia seguinte. Não aconteceu, por vários motivos, sendo os principais a preguiça e a incompetência. Peço desculpas.

O que lembrarei a seguir é de responsabilidade única da minha quase septuagenária memória. Não será nada de novo, nem desconhecido para os leitores de O cão que fuma, porque estes já leram aqui mesmo na revista.

Antes de agosto de 2006 aconteciam manifestações e atos promovidos e convocados pela então TGV – Trabalhadores do Grupo Varig; depois da intervenção no Instituto Aerus, em abril de 2006, o SNA convocou manifestações – normalmente nos aeroportos, nada de enfrentar o governo federal; surgiu um movimento, “Camisas Pretas”, que se propunha a estar presente durante o dia todo no saguão do aeroporto Santos Dumont...

Um dia, dezembro de 2008, a COBAP e a FAAPERJ convocaram uma manifestação em favor dos aposentados brasileiros, da Candelária até à Cinelândia. Pensei que seria uma ótima oportunidade para os aposentados do Aerus mostrarem à população fluminense o drama que vivíamos há dois anos. Providenciei duas faixas (as primeiras de muitas), enviei um e-mail à minha lista e lá estivemos nós. O SNA e a APRUS não compareceram. A APRUS soltou um “esclarecimento” que dizia que não deveríamos “misturar as estações”... 

Dias depois convocamos uma vigília para a noite de 17 a 18 de dezembro. Nem o SNA, nem a APRUS, nem “associações” compareceram. Nessa vigília nasceu a ideia de irmos para o aeroporto Santos Dumont em vigílias diárias. Assim nasceu o grupo “Camisas Pretas”. A primeira vigília foi no dia 15 de janeiro de 2009. Nem sinal de sindicatos, fentaques, associações...


Mas, antes de prosseguir, quero relembrar eventos logo depois de 12 de abril de 2006:
“Começa a corrida aos advogados. Fui um dos 'corredores'. E no dia 19 de abril, salvo engano, a gente foi a uma reunião no escritório Siqueira Castro Advogados. Representantes e seguidores da TGV, capitaneados pelo presidente da ACVAR, lá estiveram. Para demover os presentes de virem a utilizar os serviços desse escritório de advocacia. Lembro-me bem dos discursos dos representantes e de algumas seguidoras. Não tiveram êxito em politizar a nossa necessidade de corrermos atrás dos prejuízos pessoais através de advogados independentes. A maioria dos presentes àquela reunião sabia o que queria: cair fora das lutas políticas, não queria ser usada, queria resolver (tentar) os seus problemas pela via técnica, sem ruídos demagógicos e ao abrigo de ódios tribais.”(Porque hoje é sábado!).

Como no dia 15 de abril de 2009, o Lula estaria no Hotel Intercontinental, em São Conrado, mandei um e-mail convidando o pessoal. Convidei “ex-trabalhadores da Varig, Aposentados e Pensionistas do Aerus”. Compareceram, além deste signatário, quatro pessoas. Nascia o Movimento ACORDO JÁ!

Bom, depois desse dia foi um trovejar de recomendações, conselhos, e-mails sabotadores – tipo “a manifestação foi adiada” – e e-mails (do SNA/SAO, por exemplo) solicitando que não  participassem em nossa manifestação convocada para São Paulo.

Foi o falecido advogado, Castagna Maia, na reunião no salão da OAB, Avenida Marechal Câmara, Rio de Janeiro, queixando-se da demora do trâmite da Ação Civil Pública por causa de outros advogados que pediam vistas do processo e tiravam fotocópias... Posteriormente, em seu blogue, continuou a desaconselhar manifestações outras que não as promovidas ou tuteladas pelo SNA. E aconselhava a que tivéssemos cautela e tomássemos caldos de galinha...

A presidente do SNA, Graziella Baggio, saía pedindo numa reunião no SNA/RIO que não se informasse ou contatasse a imprensa...

Os organizadores do MovJÁ! sempre que sabiam da presença de uma autoridade ou da realização de um evento internacional no Rio de Janeiro, convidavam os colegas para, juntos, segurarmos umas faixas lembrando às autoridades e à população fluminense o DRAMA dos ex-trabalhadores da Varig. Foram muitas as manifestações e atos nas ruas e praças do Rio de Janeiro, sem nunca, eu disse, NUNCA, ter tido o apoio, muito menos a participação, de sindicatos e “associações”.

(NOTA: o atual presidente da APRUS, Thomaz Raposo, participou de algumas manifestações no ano de 2010.)

Uma das iniciativas do MovJÁ! foi uma petição online, posteriormente entregue à ministra Cármem Lúcia. Tinha quase sete mil assinaturas. Podia ter alcançado o dobro ou o triplo de assinaturas, não fosse o desprezo das “entidades” e opiniões de comentaristas “que não ia adiantar nada”. Essa Petição foi anexada aos autos do Processo RE 571969. Se adiantou, não sei, mas está lá.

Enfim, depois de quase DOZE anos, quase 4 380 recomendações, conselhos, censuras (quando não insultos) para não fazer, não dizer, não escrever, não atrapalhar... porque o dono da bola do momento assim entendia, me causa espécie ainda haver bem pensantes e bem-intencionados a bater na tecla da união ou unidade! E mencionando egos e vaidades, sem explicitamente nomeá-las.

Não creio que a “desunião” e os egos e vaidades tenham causado transtornos maiores à luta dos ex-trabalhadores da Varig. Julgo que todas as iniciativas, abstraindo-me de comentar o mérito, dos “desunidos” serviram a, no mínimo, manter à tona a saga dos ex-trabalhadores da Varig. Portanto, ótimo para todos nós.

Curiosa e coincidentemente, um amigo me manda um e-mail informando da troca de amabilidades entre Thomaz Raposo e Graziella Baggio na página do Facebook “Sobreviventes do Aerus”.

O Governo Federal, réu condenado, se algum dia quiser, de VERDADE, resolver o problema, chamará o Instituto AERUS e todos os sindicatos e associações – de direito ou de fachada – e lideranças conhecidas e reconhecidas (existe uma diferença), para expor a sua proposta (de Acordo) e ouvir as contrapropostas. Pode sair daqui uma Comissão de Trabalho, votada pelos presentes. Depois, apresentará, em nova reunião, com todos (re)unidos, a proposta final. Que será ratificada ou não pela maioria. Se ratificada, está legitimado o Acordo entre Governo Federal e ex-trabalhadores da Varig. Eu aceitarei tranquilamente esse resultado. Porque TODOS estavam lá. Os bons, os maus e os brutos.

É esse o modus operandi de um governo quando quer, de fato, resolver um problema: chama TODOS à mesa de uma só vez. É, bem comparando, a mesma coisa quando o governo quer concluir uma proposta de lei: chama TODOS os partidos.

No nosso caso, penso que serão necessárias mais de duas reuniões (assembleias). Assim agindo, como escrito anteriormente, o governo se escudará na real representatividade desse leque de ‘representantes’ e legitimará a proposta final.

Aproveitemos que o atual governo não é o PT ou assemelhados. Estes só chamariam os seus militantes.

Ah! Antes de me despedir, um apelo: Parem de convidar as pessoas para manifestações insultando-as: "saia do Facebook", "Acorde" e tantos outros. Orra, dá licença! E se eu quiser ficar no Facebook ou acordar às duas da tarde?  Isso me torna indigno? Ou menos valoroso e valioso do que você, que se julga o Jesus Cristo de Irajá? Perdão pela blasfémia e a Irajá.

Relacionados:

Um comentário:

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-