sexta-feira, 5 de abril de 2019

1964 - O Brasil entre armas e livros. Assistiu?




Relacionados:

4 comentários:

  1. Respostas
    1. O documentário é muito bom, sem dúvida.
      Qualquer pessoa que tenha vivido essas décadas do século passado, e acompanhado através da leitura de livros, jornais e revistas, e escutado os noticiários das rádios (a TV ainda engatilhava, e os jornalistas ainda se compraziam em INFORMAR) o que acontecia no mundo, não se surpreende com o relatado no documentário. Nada de novo.
      Pessoalmente, o que mais apreciei foi a pesquisa do Mauro “Abranches” Kraenski. Trabalho que vem sendo feito desde 2016.
      Veja o portal StB no Brasil:
      https://stbnobrasil.com/pt/

      Excluir
    2. Para mim o documentário é perfeito, pelo menos eu já conhecia cerca de 90%.

      Excluir
  2. 1964 – O BRASIL ENTRE ARMAS E LIVROS
    por Percival Puggina.
    Artigo publicado em 08.04.2019

    Tão logo teve anunciada sua projeção para o dia 31 de março, o filme "1964 – O Brasil entre armas e livros", produzido pelo Brasil Paralelo, causou enorme indignação em muitos meios de comunicação. Indignação do tipo que faz os dentes rilharem, causa pesadelos e contraturas musculares, dá cefaleia e dor no ciático. Coisa séria mesmo.

    Há muito tempo tem-se a impressão de que a esquerda brasileira é proprietária dos direitos autorais referentes à interpretação e descrição dos acontecimentos históricos em geral e daquele período em particular. É por não admitirem esse tipo de “invasão de propriedade” que são contra o Escola Sem Partido e a favor do absolutismo monárquico em sala de aula. A história que se conta define o que se pensa sobre o presente e o futuro. Capice?

    A simples ideia de que o Brasil Paralelo pudesse aparecer com algo diferente foi vista como usurpação abominável. A Rede Cinemark, que passaria a exibir comercialmente o filme após a estreia nacional, desistiu de fazê-lo. O Globo produziu extensa matéria que mereceria ser estudada em curso de Jornalismo mostrando como se faz uma reportagem para desacreditar seu objeto mediante termos vagos, expressões dúbias, e entre aspas que valem por uma negação do que se destaca. E tudo sem parecer que se está fazendo exatamente isso.

    Pois bem, no dia 31 de março, a pré-estreia ocorreu em diversas capitais do país. A partir daí tornou-se impossível negar-lhe o apego aos fatos e o desapego às paixões políticas neles envolvidas. É um documentário sobre conteúdo político explosivo, sério e honesto como a esquerda nunca viu.

    Horas após a rede Cinemark haver suspendido a projeção comercial do filme, a direção do Brasil Paralelo determinou sua disponibilização pelo YouTube. E foi o que se viu: dois milhões de visualizações em 24 horas e 4,4 milhões nesta noite de domingo em que escrevo. A mesma imprensa que se alvoroçou em desacreditar o documentário antes de assisti-lo, agora silencia para não ampliar sua propagação e suas visualizações. Por quê?

    Porque o filme é honesto, bate recordes de público, enterra narrativas oportunistas e mentirosas que descolam os acontecimentos de seu tempo histórico e das circunstâncias em que aconteceram.

    Parabéns à direção do Brasil Paralelo pela decisão e pelo merecido sucesso da obra que produziu. O documentário incomodou duas vezes a Globo. Primeiro pelo que seus palpiteiros supuseram a respeito do filme e, segundo, pelo êxito alcançado. Êxito para o qual, de certo modo, seus detratores contribuíram.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-