domingo, 2 de setembro de 2018

Visões amargas

Carina Bratt

Parodiando Oswald de Andrade, que asseverava ser a vida “uma calamidade em prestações”, eu acrescentaria que a vida (grosso modo) é tipo esses recipientes de soro que tomamos quando baixamos em enfermarias de hospitais. Ficamos a mercê da gota a gota, em pingos intermitentes e sem hora para chegar ao fim do frasco. Uma calamidade em doses miúdas, o que de certa forma, dá nos nervos.

Um professor de filosofia, do tempo em que eu cursava jornalismo, em São Paulo, (especificamente nesses períodos que antecedem as urnas) gritava, a plenos pulmões, em meio às suas aulas: “Parem os políticos que eu quero meter uma bala na cabeça de cada um”. Todos pensavam que ele fosse meio “pancadão” das ideias. Na verdade, nós é que éramos malucos e desmiolados por não darmos crédito a seus clamores.

Com o tempo aprendi que político é como um monturo de lixo. Não importa a denominação a qual ele esteja ligado. Não conta o cargo que pretenda galgar. Governador, presidente, deputado, senador, se qualificou político para mim é lixo. Todos, sem exceção, não passam de um amontoado de detritos.  Estrumes, excrementos. Sujeiras. Das grandes, da grossa. Político, na minha cartilha se traduz por putaria, desordem e avacalhação. Nesse pé, todos aqueles “cheiradores de cus” que prestam serviços a eles, não passam, igualmente, de escombros ruinados e presos em sua própria estupidez.

Político é doença incurável, é câncer terminal. Uma vez contraído por quem acredita nele, em suas promessas, está com os dias contados. Por conta disso, nosso futuro em relação a esses vermes foi violentamente cancelado por falta de respeito, de honestidade, de zelo pelo bem comum. Político não respeita seus eleitores, sequer seus consanguíneos. No poder do cargo, o que manda é a lei do “Salve-se quem puder”. O que prevalece é a velha frase “cada um por si e Deus também por mim”. O resto que se foda.

A visão desfocada que tenho desses párias chega a ser bestial. Apocalíptica. Me leva a acreditar que se quero ser uma sobrevivente nesse mundo de meu Deus, necessito me livrar desses entulhos e estercos o mais rápido possível. Urgente se faz euzinha sair correndo desses dejetos. Essa corja de malfeitores apenas quer capturar os valores morais, as insígnias da dignidade que estão vivas e pulsantes dentro de minha alma. Aqui não, FARROUPILHA! Baixem em outro terreiro. Se insistirem em me fazer lavagem cerebral, pedirei ajuda à Comissão de Direitos Internacionais da ONU (Organização dos Noiados Unificados, como costuma dizer meu patrão Aparecido Raimundo de Souza).

Aliás, usando essa válvula de escape, recentemente tivemos o pobre, o perseguido e humilde Lula, já que por aqui os direitos humanos... trocados por merda, a bosta vale mais na feirinha da Vinte e Cinco de Março. Somente eu posso me soerguer desde que fortaleça os meus princípios de visão naquilo que acredito ser o certo. O correto. O justo. Seguir as palavras ou os caminhos desses vigaristas é retrogradar mil anos num abrir e piscar de olhos. Tenho total e irrestrita confiança em mim. Em meus princípios e propósitos.

Eu me amo e, por me querer imensamente dessa forma, vivo e viverei até os fins de meus dias longe desses ratos travestidos de seres humanos. Políticos, melhor dizendo. Tenho, por derradeiro, confiança em meu coração. Essa confiança (posso dizer sem medo de errar) é aquele espaço perturbador entre dois períodos de sã consciência. Eu explico: é o vácuo entre o estar dormindo profundamente e a leseira de querer manter os olhos abertos estando, todavia, roncando em cálido sonhar.   
Título e TextoCarina Bratt, Secretária e Assessora de Imprensa do Jornalista e Escritor Aparecido Raimundo de Souza. De Vila Velha, no Espírito Santo. 1-9-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-