terça-feira, 18 de setembro de 2018

Você confia?

Haroldo P. Barboza


Resultados de urna-E não são confiáveis.

Desde que elas foram implantadas no Brasil, as denúncias sobre fraudes foram exibidas por dezenas de pessoas gabaritadas. Engenheiro Amilcar Brunazo Filho até editou livro sobre o assunto. Nenhuma investigação profunda foi concluída e exposta na mídia. Vide o caso de Alagoas em 2006.

A população também não cobrou seu direito a um processo limpo.

O TSE jamais permitiu um teste pleno (efetuado por entidades civis) para comprovar tal situação de insegurança.

E os dóceis eleitores nativos se acomodaram ou foram hipnotizados pelo “sininho” que a máquina emite ao fim do ato individual.

Mas o Paraguai (?) não aceitou implantar tal sistema em seu território!!

Precisamos de uma comprovação mais evidente para exigir uma devassa neste processo?
Leia aqui.

Dá para concluir que a presença de eleitores no dia da votação serve apenas para dar ao mundo a impressão (falta impressão de votos) de que a escolha é feita de forma “democrática”.

Alguém ouviu falar de “testes” para o pleito de 2018 realizado por uma entidade independente?
Título, Imagem e Texto: Haroldo P. Barboza, Rio de Janeiro, 18-9-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-