domingo, 2 de setembro de 2018

Réquiem por Jan Palach

Nuno Rogeiro

Falar da esmagada Primavera de Praga, há 50 anos, é também recordar os comunistas portugueses dissidentes e resistentes, expulsos do partido, relembrar os que lutaram nas ruas contra os tanques, e nas empresas e escolas contra os comissários, e comemorar os que se sacrificaram por fidelidade à sua consciência. Como Jan Palach

Foi exatamente há 50 anos que o “comunismo” soviético esmagou a Primavera de Praga, através da Operação Danúbio. Meio milhão de homens, 6 mil carros de combate e 800 aviões da URSS, Bulgária, Polónia, Hungria e, reticentemente, da RDA invadiram a República Checa para impor a paz dos cemitérios, cortesia do Pacto de Varsóvia.
Praça de Wenceslao, Praga, 21 de agosto de 1968, 8h, foto: Vladimír Lammer
Três meses depois, no princípio de novembro, na mesma capital, não muito longe do cruzamento entre as ruas Zitna e Stepanska, o exilado núcleo do PCP na Checoslováquia reunia-se com o SG Álvaro Cunhal, no salão de uma ONG médica internacional. Desencadeou-se aí uma tempestade, com militantes indignados face à repressão, a pedir ao partido a denúncia exemplar da ingerência do Kremlin numa nação soberana. “Félix”, um eslovaco que ajudou a organizar o encontro, falou-me em 1993, em Berlim. Lembrava-se do drama como se fosse ontem. Disse-me que os comunistas portugueses dissidentes se inspiravam precisamente na oposição albanesa, jugoslava e romena, “das entranhas do socialismo”, ao ato imperial de Moscovo. Mas este fora santificado por Cunhal, o detentor da última palavra, em nome de um “bem maior”: a “unidade” do bloco “anticapitalista” mundial. A tese da direção do PCP era simples: os tanques da URSS limitavam-se a impedir o avanço da “contrarrevolução”, apoiada pela “CIA e pelo imperialismo”.

Claro que esta era também a versão do Kremlin, apesar de nenhuma cabeça coroada da burguesia ocidental ter levantado um dedo pelos resistentes de Praga. E não nos esqueçamos de que houve cerca de 700 mortos e feridos civis.

A coragem dos comunistas que se opuseram a Cunhal tem de ser lembrada. Era bom que o PCP de hoje reconhecesse o delito de 1968, e reabilitasse os seus militantes. Em janeiro de 1969, o estudante de História e Economia Política, Jan Palach [foto], de 21 anos, decide imolar-se pelo fogo, na Praça Venceslau, na mesma cidade ocupada de Praga. Tinha seguido os protestos dos monges budistas contra a guerra do Vietname. Conhecia bem toda a literatura eslava sobre o sacrifício. Correu-lhe uma lágrima, que todos viram, quando comungou pela última vez antes do ato: no fundo, iria cometer um suicídio.

Deixou uma carta, e, durante três dias de sobrevivência depois das queimaduras em 100% do corpo, explicou-se à interrogadora dos serviços de segurança.

“Porque fizeste isto?”, perguntou a polícia, com voz embargada. “Quis exprimir o meu protesto contra este estado de coisas, e despertar as pessoas”, responde Palach, enegrecido e agonizante, mas com voz serena. “Portanto, querias revoltar a opinião pública?”

“Sim.” A voz torna-se mais lenta. “E como, concretamente?” “Ateando-me fogo.” “Ateando-te fogo... Mas que é que esperavas mesmo alcançar?”, continua a funcionária, quase maternal. “A abolição da censura e o bloqueio do noticiário Zpráv (boletim oficial da ‘nova verdade’ soviética)”, responde Palach, com voz subitamente mais forte.

“Todos vimos o que fizeste. Mas o que é que isto significa?”, continua a funcionária.

“Não queremos ser presunçosos” (tosse e murmura), “mas simplesmente temos de deixar de pensar em demasia em nós mesmos. O Homem deve lutar contra o mal com que pode lidar”. A voz extingue-se. José Valle de Figueiredo e Manuel Rebanda compuseram o seu Réquiem

por Jan Palach, canção que caiu mal na outra Primavera Marcelista, como um hino em que se sintetiza tudo isto. O homem em chamas, como outrora o reformador João Huss, como os operários, estudantes, agricultores, artesãos e poetas da Moldávia, de Pilsen, da Eslováquia e da Boémia, sacrificava-se ali por uma questão de consciência.

Esta semana, em Vilnius, ministros dos ex-estados invasores e invadido, e da Roménia, da Croácia e dos Bálticos, decidiram “uma cooperação reforçada na investigação e denúncia dos crimes dos regimes comunistas”. Começa a fazer-se justiça a Jan Palach e aos dissidentes portugueses.
Título e Texto: Nuno Rogeiro, SÁBADO, nº 748, de 30 de agosto a 5 de setembro de 2018

Um comentário:

  1. Os comunistas caviar portugueses são uns Bundas Moles em fraldas vermelhas cagadas!

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-