quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Dom Leonardo Steiner rompe o silêncio e se pronuncia sobre a vitória de Bolsonaro

FratresInUnum.com

Em sua primeira manifestação após a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais, o secretário geral da CNBB, Dom Leonardo Ulrich Steiner, não escondeu o tom de amargura e desgosto. Pelas palavras cuidadosamente escolhidas, percebe-se claramente que a CNBB não recuará nenhum milímetro, não cederá em absolutamente nada de sua posição favorecedora do petismo. Não adianta esperar o contrário! Não se enganem, eles não vão mudar!

Steiner e Pedro Casaldáliga
A seguir, transcrevemos trechos da entrevista concedida a Vatican News:

“Como será o futuro nós ainda não sabemos, dependerá muito de como se comportará o Supremo Tribunal, o próprio Executivo, mas também o Legislativo”, disse, ensejando uma eventual intervenção de um poder no outro.

“Vai depender muito destas alianças, e das propostas e as uniões que acontecerem especialmente entre o Legislativo e o Executivo. Ali existe uma preocupação porque muitas das afirmações durante o tempo das eleições não eram favoráveis aos indígenas, não eram favoráveis aos quilombolas, não eram favoráveis aos pobres, não eram favoráveis aos direitos humanosInclusive dizer que mandaria prender as pessoas. Quem manda prender as pessoas é o judiciário, não o executivo”. Aqui, ataca de modo praticamente explícito o presidente eleito, descontextualizando as suas declarações durante a campanha.

Um pouco mais adiante, Dom Leonardo começa a fazer como que uma autocrítica, como se estivesse falando em nome da esquerda, que precisa reaprender a fazer política e convencer o povo de que o seu discurso não é ideológico.

“E talvez um elemento importante que nós deixamos de fazer durante vários anos, e talvez por isso é que chegamos a essa divisão, é reaprendermos a fazer política. Nós reaprendermos a fazer política no sentido de discutirmos a política, porque uma democracia morre na medida em que não se faz mais política, isto é, não se discute política, não se educa para a democracia. Política no sentido do cuidado da cidade, do cuidado do país. Isso nós vamos ter que fazer de novo para que os brasileiros percebam que não se trata de ideologia. Política não se trata de ideologia, política se trata de um país. Política não se trata de excluir as pessoas, política se trata de integrar as pessoas. Então, nós temos uma tarefa muito grande pela frente”.

Ele chega a afirmar a necessidade de reformular os partidos políticos, dizendo “nós não temos mais partidos”… Nós, quem? O país?

“E, como disse, independentemente do governo que haveria de assumir – nós temos aí agora um novo presidente eleito que vai assumir em janeiro –, nós temos que, a partir de agora, trabalhar em vista de uma boa política, é preciso reformular os nossos partidos políticos. Nós, na realidade, estamos sem partidos políticos”.

Criticando o engajamento do povo através das redes sociais e defendendo uma política hegemonicamente partidária, ele prossegue:

O que aconteceu foi uma propaganda, uma política entre aspas através do WhatsApp. E isso não é política, isso é convencimento através de notícias que nem sempre são verdadeiras – muitas delas eram verdadeiras, mas nem todas eram verdadeiras. E nós temos que ajudar a recuperar agora a alma do cidadão brasileiro e vermos que o que está mais em jogo é o Brasil. Não está em jogo uma ideologia”.

O entrevistador sustenta que o país está dividido, baseado nos números da eleição e pergunta como fazer as duas metades se encontrarem. A surpreendente resposta de Dom Leonardo foi:

Será muito difícil se encontrarem, mas eu penso que, passado o tempo da eleição, há mais possibilidade de escuta. E mesmo um governo quando assume precisa ouvir a sociedade, ele não pode impor simplesmente à sociedade, senão começam os movimentos sociais a se manifestar e as ruas começam a encher, e nós temos uma tensão maior e uma divisão maior”. Trata-se de uma ameaça?

“Então, da parte do governo é preciso estender a mão, é preciso abrir-se ao diálogo. Agora, a parte da Igreja, a parte da CNBB – é claro, muitos católicos votaram no Haddad, muitos católicos votaram no Bolsonaro… são as opções de consciência que cada um faz. A CNBB nunca indicou partido, a CNBB nunca indicou nenhum candidato. O que nós sempre indicamos foram critérios. E esses critérios nós vamos levar adiante, que é o critério da democracia, o critério do diálogo, o critério da opção pelos pobres, o critério da integração de todas as pessoas, o critério da defesa da vida em todos os sentidos – não estou falando aqui apenas da questão do aborto, estou falando aqui de toda a abrangência que a palavra vida tem, inclusive a questão do meio ambiente”.

Mas, não basta recordar, é preciso articular um novo movimento político:

“Então, tudo isso é preciso de novo recordar, mas, como Igreja, é preciso de novo ajudar, articular para o diálogo e criar um movimento dentro do Brasil para que nós, de novo, possamos nos sentar junto à mesa, tomar um café juntos – aqueles que desejarem tomar uma pinga juntos, que tomem uma pinga juntos–, mas nós precisamos de novo nos sentar ao redor da mesa. Nós não podemos continuar a bradar nas ruas uns contra os outros. É um trabalho difícil, mas a Igreja não vai se furtar a essa tarefa que o Evangelho nos confia de criarmos uma fraternidade. Fraternidade significa um reino, um reino que é de justiça, de verdade e de amor”.

O entrevistador pergunta que augúrio ele faz a Bolsonaro. Ele responde:

“Um bom governo. Que ele possa governar para os brasileiros, para todos os brasileiros, todos eles. Se ele o fizer, certamente terá feito um bom governo. Existem muitos problemas: existe o problema econômico, existe o problema ético, existem muitos problemas. Mas, se ele procurar governar para todos os brasileiros, ele certamente fará um bom governo”.

Enfim, o discurso de Dom Leonardo vai na mesmíssima direção do discurso de derrota de Haddad: reanimar as bases, “fortalecer a democracia”, etc. Seria este o discurso de derrota da CNBB? Pois é exatamente para o abismo que a Igreja no Brasil irá se assim se mantiver. Os esquerdistas ditos católicos, seja por seu raso nível intelectual, seja por cegueira ideológica, são impenitentes, incapazes de enxergar um palmo diante do nariz. Depois, não adianta reclamar do protagonismo dos protestantes. Os bons bispos brasileiros assistirão passivamente — mais uma vez — à instrumentalização da Igreja para fins políticos escusos?
Título, Imagem e Texto: FratresInUnum.com, 1-11-2018

Um comentário:

  1. Ele como descendente de alemães, está se borrando de medo dos judeus pra não ser acusado de "nazista"!!!

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-