domingo, 11 de novembro de 2018

[Pernoitar, comer e beber fora] Adegão Português

Quando cheguei ao Brasil (no dia 29 de março de 1972) este restaurante já existia. Foi aberto em 1964.


Naquela década e nas décadas seguintes era muito bem comentado. Estou me referindo ao Adegão Português, que (ainda) fica no Campo de São Cristóvão. Atualmente tem duas filiais, no Rio Design Barra e em Ipanema.

Poucas vezes, talvez umas três, fui ao Adegão Português, em São Cristóvão, nas décadas de 70, 80 e 90. Uma vez por década 😉. Mantinha uma imagem na minha mente de um restaurante muito bom e farto, talvez um pouco caro. (Conceito subjetivo, defendo).

Mas, mais tarde, nos primeiros anos da década de 2000 fui várias vezes a São Cristóvão, e uma vez ao Rio Design. Lembro de ter comentado com a demoiselle que então me acompanhava que este, o da Barra, não era tão bom quanto o de São Cristóvão.

E sempre que fomos ao Adegão, tanto quem me acompanhava e eu, éramos ‘unânimes’ na tecelagem de elogios.

Pois então, na véspera do feriado de 1º de novembro, quando perguntado onde queria jantar, observado que o casal que me acompanharia já se encontrava na vizinhança do Campo de São Cristóvão, sugeri com entusiasmo e salivando: Adegão Português!

E fomos, o casal VG e ER e este ‘comilão’, ao Adegão Português de São Cristóvão. A expectativa era grande, como já perceberam.

Adentramos no restaurante, por volta das 20h, véspera de feriado. No salão do restaurante um casal cliente.

Pedi, de entrada, dois bolinhos de bacalhau, um para ER e um para mim. Estavam bons.

Como prato principal, VG pediu salmão grelhado, e ER, filé de linguado com molho de camarão. Eu, arroz de polvo.

O garçom, minutos depois, regressou informando que não havia polvo.
Então, olhando para o cardápio, com ‘trocentos’ pratos de bacalhau, encomendei um bacalhau à lagareiro.

Eis como o restaurante publicita esse prato no seu site:


Os pratos à lagareiro (polvo, bacalhau...) chegam à mesa nadando em azeite: “É servido regado com azeite quente, onde deverão ter sido alourados alhos e pequenos pedaços de cebola. Como acompanhamento, são utilizadas as batatas a murro”. O arroz com brócolis é invenção, mas até aí tudo bem!

O meu prato chegou.



Intragável. Salgado demais. Não deu para continuar. Chamei o garçom e comuniquei-lhe o que estava acontecendo. Ele recolheu o prato. Voltou pouco depois concordando comigo. E informando que iriam refazer o prato, mas com outra posta de bacalhau, habitualmente reservada para outro prato de bacalhau... (se não estou enganado seria o "bacalhau à Zé do Pipo") etc. Concordei. Não sou uma pessoa conflituosa, longe disso.

Enfim, concluindo: o salmão de VG estava, na minha visão, um pouco grelhado demais, perdendo assim a maciez. ER tampouco se extasiou com a sua escolha. E o meu bacalhau à lagareiro, confeccionado com uma posta habitualmente reservada para outro prato, não deixou lembranças.

Se lá voltarei? Se convidado, sim. Afinal, de graça, até injeção na testa.

PS: Enquanto lá estivemos não entrou nenhum cliente.

Anteriores:

2 comentários:

  1. Infelizmente hoje em dia não se come bem em nenhum lugar do Rio. Caro e muita pilantragem fazem parte dos cardápios
    Estou aguardando para comer bem. EM PORTUGAL!
    José Manuel da Rocha da Costa

    ResponderExcluir
  2. O Adegão de São Cristóvão sempre foi considerado um excelente restaurante, conheço desde da década de 60 e não sabia que estava decadente...

    O dono sempre estava presente na recepção, sempre preocupado com o atendimento. O que aconteceu é que abriu duas filiais, no Rio Design Barra e outra Ipanema e as duas são ruins.
    Uma pena!!
    Eliana Arantes

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-