quinta-feira, 18 de junho de 2020

PF deflagra Operação Sem Limites 2

Agentes cumprem mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro; ação é um desdobramento da Lava Jato que investiga desvios na Petrobras

Cristyan Costa

Polícia Federal (PF) realiza na manhã desta quinta-feira, 18, uma operação na cidade do Rio de Janeiro. Os agentes deixaram a sede da PF, no centro da capital fluminense, por volta das 5h20.

Foto: Agência Brasil
Os policiais estão divididos em vários endereços. Entre eles a Barra da Tijuca, Zona Oeste; e Gávea, Jardim Botânico e Ipanema, na Zona Sul. O endereço da Barra é um condomínio de classe média-alta.

A ação é um desdobramento da 57ª fase da Lava Jato, chamada Operação Sem Limites. A primeira operação foi realizada em 5 de dezembro de 2018, no Rio de Janeiro e no Paraná.

O foco das investigações indica a existência de um grupo criminoso atuante nas áreas de negociações de compra e venda de petróleo e de afretamento de navios para a Petrobras. Assim sendo, tem relação com o Petrolão.

Em síntese, o objetivo era obter vantagens indevidas para empresários.

Saiba mais

Os agentes da PF identificaram suspeitos que auxiliavam a organização criminosa criada com o intuito de lesar a Petrobras.

Em suma, vários doleiros atuavam até 2018 no mercado paralelo de câmbio e ajudavam na remessa de propina que era paga por intermediários no exterior para agentes públicos corruptos no Brasil.

A PF também identificou titulares de contas no exterior em nome de empresas de fachada. Por meio delas, profissionais do mercado paralelo de câmbio faziam transferências bancárias internacionais para a realização de operações “dólar-cabo”.

A suspeita é de que parte dos valores de propina era destinada a alguns funcionários públicos em funções gerenciais estratégicas da Petrobras.

Segundo a CNN Brasil, os investigados vão responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa, crimes financeiros e lavagem de dinheiro.

Operação Sem Limites 1

A PF deflagrou em 2018 a primeira fase da operação que ficou conhecida como Sem Limites. De acordo com os agentes, uma quadrilha lesou a Petrobras.

As empresas Vitol, Trafigura e Glencore figuraram como suspeitas de pagar R$ 119 milhões de reais em subornos a funcionários da estatal. O esquema teria operado até meados de 2014. Portanto, no governo Dilma.
À época, a Lava Jato identificou um esquema “estruturado e atuante” na área de trading da empresa, setor onde são realizados os negócios de compra e venda de petróleo e derivados.
Sendo assim, os investigadores apontaram indícios de irregularidades na realização de negócios de locação de tanques de armazenagem da Petrobras pelas mesmas empresas investigadas.
Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 18-6-2020, 7h12

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-