domingo, 14 de junho de 2020

PT e PSOL saem às ruas e dão um ‘empurrão’ a Bolsonaro

Presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e líder do MTST, Guilherme Boulos, marcaram presença em manifestação “antifa” na Avenida Paulista. Ato contou com a presença de bandeiras, faixas e cartazes com imagens de partidos da esquerda

Rodolfo Costa

O PT e o PSOL reclamam do presidente Jair Bolsonaro, mas tiraram a tarde deste domingo, 14, para “apoiá-lo” na Avenida Paulista, em São Paulo. A presidente nacional do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PR) [foto], participou da manifestação contra o governo federal. O líder do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MTST), Guilherme Boulos, foi outro a marcar presença.

Foto: Danilo M. Yoshioka/Futura Press/Estadão Conteúdo
A presença de Gleisi e Boulos é o empurrão que faltava para desacreditar o movimento “antifascista”, os chamados “antifas”. Há duas semanas, uma grande maioria de torcedores de futebol foi às ruas defender a democracia e se posicionar contrariamente ao governo. Os atos transcorreram sem associação partidária.

O ato deste domingo, contudo, foi politizado. Além dos “antifas”, militantes da esquerda foram e levaram bandeiras, faixas e cartazes com os logos do PT, PSOL, PSTU e PCO. O MTST, a Frente Povo Sem Medo e a Central de Movimentos Populares (CMP) foram alguns dos movimentos sociais a marcar presença.
A participação de partidos da esquerda e de representantes políticos, como Gleisi e Boulos, reforça a polarização do país e o próprio presidente. Bolsonaro mantém uma faixa de aprovação média em torno de 33%, mas não consegue mais atrair os votos antipetistas. O tensionamento provocado pela esquerda, entretanto, ajuda o governo.

Polarização

É bem verdade que o percentual de brasileiros que avaliam o governo como regular cai à medida em que a taxa de reprovação sobe. Pesquisa recente do DataPoder360 mostra, entretanto, que Bolsonaro herda 59% desse grupo que o classifica como regular.

Para um presidente que foi eleito no segundo turno com uma grande parcela de “votos antipetistas”, ter a esquerda nas ruas participando de atos contra o governo é música para os ouvidos dos governistas. Afinal, Bolsonaro e, sobretudo o PT, se retroalimentam em um ambiente polarizado.
Título e Texto: Rodolfo Costa, revista Oeste, 14-6-2020, 17h43

6 comentários:

  1. E AQUELA LOUCA SUBVERSIVA LA DE BRASILIA - SARA WINTER I FINALMENTE FOI PRESA!
    USOU E ABUSOU NA FORMA DE PROTESTAR , DESRESPEITANDO TUDO E TODOS ,LOUCA VARRIDA.
    DEMOROU !!!

    ResponderExcluir
  2. Outras loucas varridas vão surgir... vão "desrespeitar tudo e todos", vão invadir fazendas, casas e apartamentos vazios (ou que eles tenham 'esvaziado' antes)... mas nunca conseguirão se tornar "Movimento Social", pois que são "fascistas", "istas" e "aquilas"... serão todos presos a mando dos onze autoproclamados presidentes do Brasil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serão todos presos a mando dos onze autoproclamados presidentes do Brasil ou não?

      Excluir
    2. Sim, serão todos presos. A não ser que o povo brasileiro, majoritariamente conservador, da paz (e do chopp) se levante, de verdade e para valer, e saia às ruas levando tudo e todos pela frente, exatamente como o incensado pela mídia mundial e os covardes de sempre (= politicamente corretos) o terrorista "Black Lives Matter".

      Excluir
  3. É importante dizer, que nem toda política praticada pela direita conservadora ,é extremista e pode ser catalogada como fascismo.
    Os métodos desta “louca” fogem aos parâmetros ideológicos e invadem a ceara do crime comum.
    O governo Bolsonaro já a havia identificado como encrenqueira, que buscava autopromoção, e tentava se descolar dos discursos da mesma.
    Seu passado recente inclui representação no Brasil de grupos que defendem a construção social dos gêneros, o feminismo [5], e a legalização do aborto, manifestações de nudismo como forma de protesto político.
    Mais recente optou, por interesses políticos mais diretos, e passou a negar tudo o que pregava.
    Não conseguiu se eleger, e radicalizou os métodos buscando projeção pessoal na ala menos ideológica do “Bolsonarismo”.
    Enfim, uma personalidade, que qualquer pessoa de bom senso, ou minimamente democrático, se afasta como o diabo da cruz.
    Independente do discutível demérito de quem a mandou prender, seus atos tresloucados, como a pirotecnia sobre o STF, validaria ato semelhante sobre outra instituição, ex.; palácio do planalto, sem que pudéssemos condenar.
    Grupos deste tipo e incluo o MST, e outros ,quando optam por métodos nazifascistas , só fazem mal ao Brasil, como um todo.


    ResponderExcluir
  4. Em tempo : Que se registre que a prisão atendeu uma solicitação da procuradoria geral da republica ao STF!

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-