quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Aos jornalistas da SIC (E outros mundo afora!)

Cristina Miranda

Aos jornalistas da SIC que chamaram repetitivamente à manifestação de Chemnitz, na Alemanha, de neonazista e de extrema direita, umas palavras:

Mete nojo ver o jornalismo servir uma agenda política. Mete raiva perceber que não há qualquer intenção de informar. Dá náuseas ouvir classificar, vezes sem conta, gente pacífica a desfilar com fotografias dos seus filhos, pais, netos, irmãos, mortos barbaramente por criminosos fanáticos, fiéis a uma ideologia medieval e assassina, de nazis ou radicais de extrema direita, quando não passam cidadãos em sofrimento, desesperados, revoltados contra esta política de destruição dos valores ocidentais. Dá asco ver que se esqueceram de informar que no mesmo dia, radicais de esquerda foram provocar os manifestantes e que outro grupo de nazis aproveitaram para se juntar ruidosamente. Repugna ver que desinformar é a táctica para que possam depois rotular e condenar quem se impõe contra a agenda de migrações massivas sem controlo.

Aprendam que os alemães não são racistas muito menos xenófobos. São um povo extraordinário, muito inclusivo, muito respeitador das liberdades individuais, com uma cultura e educação invejável. Estive na Alemanha e vi multiculturalismo em grande escala a conviver saudavelmente com a cultura alemã. Vi negócios turcos, vi negócios chineses, vi negócios mexicanos, vi negócios indianos, brasileiros, africanos e tantos outros. Mas não vi manifestações de alemães a pedir expulsão de nenhum deles. Porque os alemães, meus caros jornalistas fraudulentos da SIC, gostam de pessoas integradas a contribuir para a economia do país, que pagam impostos, que trabalham independentemente da sua origem! Têm vergonha do seu passado que condenam e por isso convivem bem com outras culturas desde que respeitem o país de acolhimento. Se fossem jornalistas a sério e não jornaleiros, estariam no terreno a comprovar isso mesmo.

Mas não. Isso não interessa porque poria por terra toda a vossa exausta narrativa de que os cidadãos que contestam estas migrações massivas são xenófobos. No entanto, sabem bem chamar os “bois pelos nomes” quando são padres católicos apanhados na pedofilia. Aí já não chamam “perturbação mental” aos horrores praticados a inocentes nem escondem a religião a que pertencem. Nem tão pouco condenam ou acusam de discriminação quem se manifesta contra estes padres ou o Vaticano. Até batem palmas!

Esta fantochada hipócrita a que chamam de jornalismo é a base da revolta na marcha de Chemnitz e é por isso, também nas vossas mãos, que corre o sangue destas vítimas.

Porque é mais criminoso aquele que permite o assassínio sem o denunciar e condenar, do que aquele que o pratica.

Pensem nisso. Pois amanhã podereis ser vós, os próximos a desfilarem nas ruas com um cartaz de um familiar morto ao pescoço, às mãos destes “perturbados mentais sem religião”, onde não faltará gente como vós a chamar-vos de racistas xenófobos por se terem coibido de fazer o que vos compete: informar com isenção e seriedade.
Título e Texto: Cristina Miranda, Blasfémias, 5-9-2018

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-