segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Maus perdedores: Serena Williams, Hillary Clinton e o esquerdismo vitimista

Rodrigo Constantino


O esquerdismo virou o refúgio dos maus perdedores. Basta pensar que sempre que alguém faz alguma coisa errada, logo puxa a cartada de vítima, invertendo os papéis e acusando os outros de “moralistas” ou apontando algum bode expiatório para seus “malfeitos”. O típico esquerdista é aquele que jamais assume seus próprios erros.

Vejam o caso da tenista Serena Williams. A jogadora fez um papelão no US Open após ser pega trapaceando. Em vez de reconhecer o desvio de conduta, confirmado por seu técnico, preferiu xingar o árbitro, chorar, quebrar a raquete e, não satisfeita, bancar a vítima. Alegou que se fosse um homem não sofreria tais consequências, o que é absurdo, e depois ainda insistiu: fez o que fez para lutar pelos “direitos” das mulheres. Transformou a atitude infantil de quem não sabe perder em ato de coragem feminista. E os esquerdistas engoliram!

A vergonhosa postura da tenista foi imediatamente comparada àquela de Hillary Clinton na política. Perdeu as eleições em 2016 basicamente por ser uma péssima candidata envolvida em diversos escândalos, e depois passou a culpar os russos, o FBI, Trump, seu partido, todos, menos ela mesma. A cartada sexista também esteve presente, claro. Perdeu por ser mulher, alegou. E escreveu um livro todo só para se justificar, sem procurar no espelho a verdadeira responsável pela derrota.


Os esportes, assim como a política, demandam dos participantes o “fair play”. Mas ele não vem de forma natural. Ele precisa ser incutido desde cedo, pela formação de caráter. Lembro de como tinha de me desgastar com minha filha pequena durante nossos jogos, pois ela só curtia mesmo quando estava vencendo, querendo abandonar o jogo no meio quando perdia. Aprender a perder com dignidade, admitir a superioridade e o mérito do adversário, aprender com os próprios erros, essas são atitudes que devem ser ensinadas.

O que a esquerda tem feito é justamente o contrário: fornece de modo demagógico aos perdedores uma válvula de escape. Começa negando a existência do melhor e do pior, do próprio mérito individual. Depois diz a todos que estão em baixa que sua situação se deve ao sucesso alheio. O esquerdista é o rico que diz aos pobres que sua pobreza é culpa dos outros ricos, e que por isso deve ser eleito para tirar desses “exploradores” e dar aos “explorados”. Um truque barato, mas que muitas vezes funciona.

Em casos extremos, o desespero da derrota iminente é tão grande que só resta ao esquerdista apelar para a violência. Eis onde surgem movimentos como o MST, o Black Lives Matter e a Antifa. E, no limite, aparece um “maluco” como o psolista que esfaqueou Bolsonaro, o líder das pesquisas eleitorais. A esquerda precisa aprender a perder dentro das regras do jogo.
Artigo originalmente publicado pela revista IstoÉ
Título, Imagens e Texto: Rodrigo Constantino, Gazeta do Povo, 17-9-2018

Relacionados:
O jornalismo está de luto: valerá tudo para derrubar o presidente Trump?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-