sexta-feira, 19 de junho de 2020

"70% dos brasileiros” estão contra o presidente Jair Bolsonaro. É isso mesmo?

J.R. Guzzo

É possível que muita gente ainda não tenha percebido, mas todos os problemas da política brasileira já estão resolvidos – quer dizer, se estiverem de fato valendo, no mundo das realidades práticas, os cálculos aritméticos dos adversários do governo. É simples: segundo um desses grupos de oposição, que conseguiu atrair alguma atenção da mídia para a sua causa, “70% dos brasileiros” estão contra o presidente Jair Bolsonaro. Seu lema, pelo que deu para entender do noticiário, é justamente esse: “Somos 70%”.

Foto: Sérgio Lima/AFP
Se é assim, porque o ataque de nervos permanente que marca a vida política do Brasil há meses, ou desde que Bolsonaro assumiu a presidência? É só esperar mais um pouco, até as eleições de outubro de 2022 – menos de dois anos e meio – e esses 70% vão colocar o presidente na rua, usando nas urnas a vantagem esmagadora dos números que têm a seu favor. Não pode ser diferente: até uma criança de 10 anos sabe que 70 ganham de 30.

Há três problemas com essa teoria. O primeiro é saber se esses “70%” são mesmo 70%, ou se são apenas a fórmula numérica de um desejo – como certas linguiças que se compra na beira da estrada, é melhor não saber em detalhes o que existe dentro das chamadas “pesquisas de opinião”.

O segundo problema é que 70% não querem dizer grande coisa se não há, na vida real, um candidato capaz de convencer essa massa toda a votar nele para presidente da República. Se não há, a matemática muda: sem um adversário certo e sabido, os 30% que sobram ganham a potência de um motor V-6 turbo com 600 cavalos de força. Qual seria esse candidato? Sempre pode aparecer, é claro – mas é preciso que realmente apareça, e apareça logo.

O terceiro problema é saber o que vão fazer de fato, na hora de votar, os 70% que não apoiam o presidente – mesmo que sejam tantos assim. Uma coisa é não aprovar o governo e, no dia da eleição, ir em massa à seção eleitoral para votar efetivamente contra ele. Outra, muito diferente, é achar que o governo é uma droga e, ao mesmo tempo, aproveitar o feriado da eleição apenas para não fazer nada – principalmente pegar ônibus e esperar em fila para votar.

Nas eleições de 2018, mais de 30 milhões de eleitores não quiseram votar. Somados aos votos brancos e nulos, mais de 42 milhões de brasileiros não votaram em ninguém, num eleitorado total de 147 milhões. O grupo do “Somos 70%” precisa mudar essa performance, e mudar depressa, se quiser ganhar dos outros 30. Ficar falando mal da ministra Damares, ou achando que o STF resolve essa parada com uma liminar, não vai adiantar nada.
Título e Texto: J. R. Guzzo, Gazeta do Povo, 18-6-2020, 18h22

Relacionados:

6 comentários:


  1. Em mais um escândalo no Brasil, o que fica provado e o que falta provar?
    As provas apuradas não deixam dúvidas que na assembleia do rio tinha (Tinha?).
    um bem organizado esquema de milicianos atuando em todos os gabinetes, uma verdadeira quadrilha com “cabeça, tronco e membros”.
    Sem fugir a regra, incluiu o gabinete dos Bolsonaros, que era administrado por outra família, mãe, pai, filho, filhas, amigos, família Queiroz.
    Discute-se se a família Bolsonaro, participava das falcatruas ,incentivando, fazendo vista grossa, ou apenas usufruindo inocentemente.
    Não existe ser humano 100 por cento honesto, tudo é apenas uma questão do preço certo!
    As provas obtidas com a investigação do MP e da PF são robustas, e comprovam um esquema de “rachadinha”, bastante sólido, e com ramificações em empresas de ônibus, shoppings,etc ,com finalidade de lavar dinheiro e pagar despesas pessoais.
    Comprovado também que Queiroz e outros, pagavam contas dos familiares dos deputados, sem que estes repassassem ,ou houvesse registro da verba de suas contas bancarias.
    Porque a mídia da destaque especial ao Bolsonaro filho, e só as provas contra este foram apresentadas publicamente?
    O interesse lógico é atingir o presidente, ainda sem provas, embora este possa também ter sido envolvido pelos bandidos, pois usava os serviços da mesma “famiglia”.
    ENTRE O QUE ESTA PROVADO, E O QUE FALTA PROVAR, PODE SE AFIRMAR QUE A CASA DO FLAVIO BOLSONARO CAIU, OU PELO MENOS FICOU SEM ALICERCES.
    A família Bolsonaro confiou, e se cercaram de bandidos, milicianos, e quando o fizeram ,deveriam saber que sobraria “algum” para eles, algum dia, se não sabiam era por total ingenuidade.
    E convenhamos ingênuos os Bolsonaros não são, nem nunca foram, se deixaram “enrolar” era porque tudo parecia muito fácil, e deslumbrados pelo status de autoridades, que aparentemente tudo podem.
    Ou como diz uma estória gaúcha; Bergamota no lado de dentro da cerca, numa estrada deserta, ao alcance da mão, nem padre resiste!
    O rastro do dinheiro é incriminador ,se não for bem explicado, ou como diz o “guru’ Olavo de Carvalho, muita gente botou dinheiro em minhas contas , mas sempre alertei que não queria saber quem era,nem de onde vinha, e que seria usado somente para pagar advogados.
    Em tempo;
    O Brasil precisa, que o atual presidente, mesmo com todos os defeitos que ele possa ter, ou vier a ser acusado, cumpra até o fim sem mandato, não precisa ser nem questão de simpatia, é sobrevivência.
    Isto se os filhos, amigos e alguns partidários permitirem!

    ResponderExcluir
  2. Ouço ,vindo da TV ligada lá na sala , Flavio Bolsonaro dizendo em sua defesa ,que ;"Se cada poder estivesse atuando dentro de suas competências, nada disto estaria acontecendo.
    O QUE TEM HÁ VER O CU COM AS CALÇAS?

    ResponderExcluir
  3. Até onde sei as "provas apuradas e obtidas" foram do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e a "polícia" que prendeu o ex-policial Queiroz foi a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, subordinada à Secretaria de Estado da Casa Civil e Governança, cujo governador é Wilson Witzel. Este sim, é investigado pela POLÍCIA FEDERAL.

    ResponderExcluir
  4. As investigações, que culminaram na prisão de Queiroz, iniciaram em 2018, a operação analisou esquemas de propinas mensais e prêmios pagos a deputados e aliados e oferecimento de postos de trabalho em órgãos estaduais e federais ,detectados pelo MPF, Polícia Federal, Receita Federal e Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
    Os dados apurados foram repassados ao MP do Rio por determinação do STF.
    A prisão de Queiroz, foi operação conjunta da Polícia Civil,do GAECO SP e do Ministério Público de São Paulo.

    ResponderExcluir
  5. @Rconstantino
    Sabe o que chama a atenção, ou deveria? A maior esperança contra Bolso é um caso envolvendo seu filho quando deputado estadual, de rachadinha, prática banal no meio. Quase um ano e meio de governo, poder, acesso ao cofre em meio a uma pandemia, e NENHUM escândalo de corrupção! 🤔

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já comentei isto em uma semana e por duas vezes, Bolsonaro tem vários defeitos de personalidade, de temperamento e de cultura.
      Mas desonesto -até prova em contrario- não é!
      Dilma também não era jamais provaram desonestidade nela, mas era mulher, petulante e antipática!
      Já o filho de Bolsonaro, está de “merda” até o pescoço.
      Mas se nunca provarem nada de Jair Bolsonaro, não é justo que seja "caçado" pelos erros dos filhos!

      Excluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-