quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Após desfile, Bolsonaro exalta pátria cristã e luta do bem contra o mal

Presidente tirou a faixa presidencial antes de se dirigir ao caminhão para o discurso aos militantes

Iara Lemos

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, fez um discurso de campanha no final do desfile cívico-militar na Esplanada dos Ministérios em que exaltou a pátria cristã e a luta do bem contra o mal. Bolsonaro também defendeu alguns dos seus principais temas de campanha, como a rejeição ao aborto e à liberalização das drogas.

“Somos uma pátria majoritariamente cristã, que não quer a liberalização das drogas, não quer a liberação do aborto, não quer ideologia de gênero, que respeita a propriedade privada e que combate a corrupção. Isso não é virtude, é obrigação de qualquer chefe do Executivo. Temos uma luta do bem contra o mal. O mal que agora deseja voltar à cena do crime. Não voltarão. O povo está do nosso lado. O povo sabe o que quer”, afirmou o presidente, que tirou a faixa presidencial antes de se dirigir ao caminhão para o discurso. 

Bolsonaro subiu em um caminhão instalado em frente ao gramado da Esplanada e discursou para milhares de pessoas vestidas de verde e amarelo. Muitas carregavam bandeiras do Brasil e faixas de protesto contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O discurso durou cerca de cinco minutos e foi acompanhado dos gritos de “mito” e “nossa bandeira jamais será vermelha”.

“Demos uma nova vida a essa Esplanada dos Ministérios, com pessoas competentes, honradas. Veio a pandemia, lamentamos as mortes, veio a canetada do fica em casa. Enfrentamos também consequências de uma guerra de uma vida lá fora. Quando tudo estava perdido, eis que o Brasil ressurge, com uma economia pujante, com uma das gasolinas mais baratas do mundo, com o recorde de crianças na escola, recorde de empregos, com a inflação despencando e um povo maravilhoso entendendo aonde seu país pode chegar”, disse. 

Luta contra do bem contra o mal

No caminhão, Bolsonaro estava acompanhado da primeira-dama, Michelle, do ministro da Economia, Paulo Guedes, do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e do empresário Luciano Hang.

“Mais que oxigênio, a nossa liberdade é essencial para a nossa vida. Temos tudo para sermos mais felizes ainda. Podem ter certeza que, com a graça de Deus, que me deu uma segunda vida, atingiremos juntos nossos objetivos. Hoje vocês têm um presidente que acredita em Deus, que defende seus policiais e militares. Um governo que defende a família e um presidente que deve lealdade ao seu povo”, afirmou.

Por alguns segundos, Bolsonaro parou o discurso, enquanto a multidão gritava “Lula ladrão”, em uma referência ao ex-presidente da República e candidato à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva. Bolsonaro usou o discurso para pedir que todos vão às urnas no dia 2 de outubro.

“A vontade do povo se fará presente no dia 2 de outubro. Vamos todos votar e convencer aqueles que pensam diferente de nós.”

Bolsonaro evita críticas ao Supremo

Apesar do discurso em tom de campanha, o presidente da República evitou críticas mais intensas ao Supremo Tribunal Federal (STF), sobretudo ao ministro Alexandre de Moraes, que é considerado um dos mais críticos ao governo e que tem tido suas determinações criticadas até mesmo por juristas.

“A missão não é fácil, mas tenho pedido mais que sabedoria, tenho pedido coragem. Podem ter certeza que é obrigação de todos jogar dentro das quatro linhas da Constituição. Nós traremos para essas quatro linhas todos que ousarem ficar fora dela. O conhecimento também liberta. Hoje todos sabem o que é o Poder Executivo, a Câmara dos Deputados, o Senado e o Supremo Tribunal Federal. A voz do povo é a voz de Deus”, disse ele.

Bolsonaro segue para o Rio de Janeiro, onde acompanha um desfile militar e as manifestações de apoio convocadas para esse dia 7 de Setembro.

Título, Imagens e Texto: Iara Lemos, Revista Oeste, 7-9-2022, 12h10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-