sexta-feira, 23 de setembro de 2022

[Aparecido rasga o verbo] Chocado em miúdos

Aparecido Raimundo de Souza

VOCÊ, CARO E AMÁVEL LEITOR, saberia explicar o que é uma vespa? Vamos refrescar a memória, aprendendo um pouco mais sobre o assunto e outras “cositas” que convivem com o nosso cotidiano. Vespa é um inseto da ordem dos Himenópteros. Não confundir com helicópteros, até porque esses “trocinhos”, batizados pelos sabichões como aeronaves, possui um rotor de cauda e hélices, e os Himenópteros somente as asas menbranosas. Os Himenópteros têm o nome popular de marimbondo (exatamente por andarem em bando) e Caba (1), sem o erre, evidentemente nada tendo a ver com a cabra, que dá leite.

Existem dois grupos principais de vespas: as Solitárias e as Sociais. As Solitárias, ou seja, aquelas que não encontraram seus vespos (2), se alimentam do néctar das flores. As Sociais andam em pares. Ambos formam o casal, marido e mulher, e é comum vermos os dois, de braços dados no piscinão de Ramos. Nos dias de hoje, as vespas modernas, transportam pessoas e, nas grandes cidades, são conhecidas como lambretas. Ultimamente, essas vespas vivem picando os seres humanos, não com ferrões, mas com ferros retorcidos, claro, dependendo do tamanho da batida ou contra o que ousou vir ao seu encontro.

Enquanto isso, trocando as bolas, as pilhas são usadas para alimentarem lanternas, rádios portáteis, brinquedos, controle de aparelhos de TV e CDs, entre outras bugigangas de uso doméstico. Possuem uma estrutura muito simples: consiste numa blindagem de zinco envolvendo uma pasta composta de dióxido de manganês, cloreto de zinco e cloreto de amônio, no centro da qual há uma barra de chocolate, perdão, de grafite. Elas fornecem, como corrente elétrica, a energia liberada em uma reação química.

A pilha atual difere muito da inventada no final do século XVIII pelo físico italiano Alessandro Volta (que deu a volta em si mesmo e chegou em último lugar). Produto da modernidade e tecnologia atuais, as pilhas de agora são feitas de nervos em frangalhos (principalmente as que trazem um gato, como símbolo de durabilidade), decorrência da poluição pesada, do “sobrecarregamento” dos estresses em seus limites máximos, que atacam as populações nos centros urbanos.

Geralmente essas criaturas acabam numa gigantesca pilha, não de coisas desusadas, de loucos varridos, visto estarem desgastadas, cada uma com uma vassoura nas mãos, tentando voar para dentro de sua consciência e por ostentarem um bichano (3) como emblema, acabam miando onde não deve sequer latir. E o urânio. O que venha a ser?  Para bem precisar e ilustrar, o urânio é um metal cujo número atômico é 92. Elemento radioativo, serve para “caçar” estações que estejam fora do ar, ou, via outra, em frequência de rádio negativa, a menos de 90.

Dito isso, analisemos a voz humana. Produzida por duas delgadas tiras de tecido muscular na abertura da laringe, são cognominadas de cordas vocais. O que pode acontecer – e aliás é muito comum, são as tiras se partirem, esmagarem as laranjas (não confundir com laringes) e estrangularem os sons, esses conhecidos como palavras. Segundo o doutor Drauzio Varella, melhor remédio para manter a voz firme: “sopa de letrinhas com parágrafos e acentos. Recomenda-se, por precaução, comprar sempre pacotes fechados em supermercados ou casas especializadas, inclusive existem marcas à disposição dos consumidores que já vêm com vírgulas, tremas e cedilhas”.

Por derradeiro, traçaremos um breve comentário em torno de Tiradentes. Joaquim José da Silva Xavier, nasceu em l746, em São José Del-Rei (hoje a cidade ostenta seu nome), em Minas Gerais. Logo que se chega à praça principal, os turistas se deparam com uma corda com a inscrição: “Cuidado, você poderá ser o próximo”. Tiradentes, o original, era filho de um pequeno fazendeiro e minerador. Ficou órfão aos onze anos e seu padrinho, um prático de cirurgias dentárias, lhe ensinou o sábio ofício de deixar os outros sentados numa cadeira, as bocas abertas, sem, contudo, afetarem as mandíbulas, a ponto de levarem os infelizes a darem o fora e se esquecerem de meterem as mãos nos bolos e pagarem a conta.

Em 1° de abril, Tiradentes foi enforcado pela goela do pescoço. Sua garganta empolou e foi preciso tomar uma série de remédios caseiros, o que não surtiu o efeito esperado. Um mês antes de perder a cabeça, Tiradentes foi preso quando roubava um porco numa fazenda vizinha a de seus pais. Por questões de honrarias, um político engraçadinho conhecido como Lula, resolveu colocar um dois antes do um, a fim de se evitar pegadinhas com seu patronímico no dia internacional da mentira. Apesar dos panos quentes, em São José Del-Rei, todos ficaram boquiabertos, inclusive os que haviam sofrido de paralisia facial, quando souberam do tal roubo cometido pelo alferes (4).

Naquele tempo, não se constituía em hábito sucessivo pessoas serem enforcadas por roubarem um simples suíno. Soube, se a posteriori, que Tiradentes provou, sem querer, o sabor da corda, não como Mártir, tampouco pelo fato de ter subtraído o porco. Tanto é verdade, que o porco não é citado em sua biografia, como até hoje, seu nome de batismo nunca veio a ser revelado. Aliás, por falar em porco, os historiadores de seus feitos não mencionam coisa alguma à pessoa simpática do tal porco. O nome do animal, segundo fontes fidedignas atendia pelo patronímico de Jinginho Dória.

Entre beliscadas e safanões, Tiradentes ficou conhecido mundo afora, pelo fato de ter traído a confiança de um paciente brabo, fazendo o infeliz engolir a dentadura, na hora em que lhe estava sendo aplicada, na polpa da bunda, a anestesia para o “arrancamento” de um dente careado. Esse sujeito prometeu vingança. Logicamente não outro, senão Joaquim Silvério dos Reis, uma bichona safada que vivia metida em confusão e, quando a coisa apertava, ele se escondia nu em pelo na Casa dos Contos, debaixo da sagrada batina do Padre Toledo e Melo (5).    

Notas de rodapé:

1) Caba – Nome vulgar das vespa-Tatu ou Caba-Tatu. Ambos as espécies trazem no saco ferrões ou dardos próprios para picadas. Nossos políticos em Brasília são os melhores representantes desses marimbondos.  Os piores Himenópteros estão no STF. 

2) Vespos – Maridos das vespas. 

3) Bichano – O mesmo que gato. A diferença é que o gato mia e o cachorro, late.

4) Alferes – Antigo posto militar. Atualmente o equivalente a segundo tenente. Nunca confundir com auferes, que se traduz por lucros e recebimentos recebidos por algum trabalho realizado.   

5) Padre Toledo de Melo – Católico e pároco dos tempos de Tiradentes. Participou ativamente da Inconfidência Mineira. Morreu vítima da Covid-19.  

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. 23-9-2022

Anteriores: 
O Moço loiro 
[Aparecido rasga o verbo – Extra] O “Joio” e o “Trigo” e o desvaire que não conhecemos 
Quando as águas do nosso rio interior viram mar? 
Fósforo queimado 
Simplesmente a imensidão de estar aqui 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-