sexta-feira, 30 de setembro de 2022

Desemprego cai para menos de 9% e Brasil bate recorde de empregos

Rendimento médio do trabalhador sobe pelo segundo mês seguido

Artur Piva

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego no Brasil caiu de 9,1%, no trimestre terminado em julho, para 8,9%, no encerrado em agosto. O órgão divulgou os dados nesta sexta-feira, 30. Os resultados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). 

O atual patamar de desemprego do Brasil é o menor desde julho de 2015, quando a taxa fechou em 8,7%. O IBGE estima que 57,1% da população em idade de trabalhar esteja ocupada. Desse modo, 99 milhões de brasileiros estão trabalhando, seja em vagas formais ou informais. A marca é um recorde histórico no levantamento — iniciada em 2012.

O contingente de ocupados estimado pela instituição está próximo da projeção realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada para o mês anterior, julho: 100 milhões de empregados.

Além disso, o IBGE informa que agosto foi o segundo mês consecutivo de aumento no rendimento médio. A quantia passou de R$ 2.693 para R$ 2.713. “O mercado de trabalho segue a tendência demonstrada no mês passado, continuando o fluxo que ocorre ao longo do ano, de recuperação”, comenta Adriana Beringuy, coordenadora da PNAD.

Atualmente, o número de desocupados está em 9,7 milhões. É o menor nível desde novembro de 2015.

Queda do desemprego é maior no Brasil

Um levantamento realizado por Oeste mostra que a queda do desemprego é maior no Brasil em comparação aos países do G7. O bloco é formado por sete das principais nações industrializadas no planeta. Entre eles, os Estados Unidos, a maior economia do Planeta. 

No Brasil, a queda atingiu 4,9 pontos porcentuais (p.p.) entre junho dos dois anos, conforme os dados  do IBGE. Ao mesmo tempo, a redução média nos países do G7 foi 1,49 p.p., segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. O melhor desempenho entre os 7 ficou para o Canadá: 2,7. Na sequência aparecem EUA (2,4), Itália (2), Reino Unido (1), Alemanha (0,7), França (0,4) e Japão (0,3).

Título e Texto: Artur Piva, Revista Oeste, 30-9-2022, 10h02

Relacionados: 
Pela primeira vez, inflação na Zona do Euro alcança dois dígitos 
Brasil gera 278,6 mil empregos formais em agosto, diz Caged 
Banco Central reduz expectativa de inflação 
Relatório Focus reduz prévia da inflação e aumenta expectativa para o PIB 
Brasil sobe três posições em ranking de inovação 
Petrobras: preço do querosene de aviação cai 0,84% a partir de sábado 
É um privilégio poder contar com alguém como Paulo Guedes no comando da economia do Brasil! Que aula!! 👏👏👏 
Confiança dos consumidores avança 5,4 pontos em setembro 
Enquete: Presidenciais 2022 

Um comentário:

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-