sexta-feira, 23 de setembro de 2022

O duplo padrão da Justiça brasileira

Alexandre Garcia

Na quinta, o Tribunal Superior Eleitoral confirmou que está proibido divulgar na campanha eleitoral o discurso do presidente em Londres. É aquele discurso que ele fez da janela da residência do embaixador, não na embaixada – a embaixada é a representação do Brasil; a residência do embaixador é o lugar em que o embaixador mora e que hospeda (no caso, hospedou) o presidente da República. Veio uma multidão de brasileiros à rua saudar Bolsonaro, que foi à janela [foto] para responder a saudação, acho que isso durou três ou quatro minutos. Eu ouvi o discurso, bem conciso, bem-feito, mas está proibido, censurado.

Supostamente, a Justiça Eleitoral deve estar censurando porque considera que isso é campanha eleitoral. Mas, durante a campanha, a lei permite que o presidente da República permaneça no cargo se for candidato à reeleição. O mesmo acontece com os governadores, e não há como separar. É uma coisa muito esquisita que se está fazendo.

Vamos comparar, por exemplo, o tratamento dado pela Justiça Eleitoral a Daniel Silveira, candidato ao Senado no Rio de Janeiro. Ele foi indultado: o presidente da República, de acordo com a Constituição, o perdoou, porque foi um exagero do Supremo condená-lo. O próprio tribunal que se sentiu ofendido e ameaçado é que o condenou. Isso só se viu na Inquisição. O indulto significa que acabou a pena; se acaba o principal, carrega consigo o acessório. Qualquer estudante de Direito sabe disso. Mas no Judiciário de hoje ele continua ficha suja, não pode ser candidato. Já um ex-presidente da República, candidato a voltar à Presidência, foi condenado em três instâncias, com duas condenações envolvendo nove juízes. Não foi por falta de provas, e nem por provas erradas, nem por considerá-lo inocente que o Supremo anulou os processos. Foi pelo CEP, não era em Curitiba. Qualquer estudante de Direito sabe que, num caso desse, já tendo havido os julgamentos, já tendo sido revisado, com o condenado já cumprindo pena, esse tipo de anulação não existe. Foi tudo confirmado no tribunal revisor e no STJ, mas o caso é o seguinte: anulou-se tudo, inclusive o acessório. Nesse caso, ele ficou ficha limpa de novo e pode ser candidato.

Um outro caso de duplo padrão: em Santa Catarina, houve uma queixa de que um associado de clube de tiro estava exercitando a prática, o esporte de tiro ao alvo, usando a foto de Lula como alvo. Ele está sendo investigado por isso. Mas, quando jogaram futebol com a réplica da cabeça de Bolsonaro, foi tratado apenas como uma “curiosidade”. Se chamarem Bolsonaro de “genocida”, a ministra Cármen Lúcia considera que é “direito de crítica”. Mas referências à ligação do PT com o “kit gay” estão sendo retiradas das mídias sociais por ordem da Justiça. É tudo muito estranho.

Título e Texto: Alexandre Garcia, Gazeta do Povo, 22-9-2022, 22h05

Relacionados: 
Chamar Bolsonaro de “genocida” pode; mas vá chamar o STF de “casa da mãe Joana”… 
Alerta Especial: Entrevista exclusiva com Jair Bolsonaro, 22-9-2022 
TSE mantém proibição a Bolsonaro de usar imagens de discurso em Londres 
Deputado português apoia presidente Bolsonaro 
Enquete: Presidenciais 2022 
A liberdade de imprensa não existe para todos 
‘Investidas contra mim já vêm há muito tempo’, diz Ludmila Lins Grilo, juíza alvo do CNJ 
O que o Grupo Folha quer ao atacar a Jovem Pan? 
Juíza manda remover outdoor pró-Bolsonaro com a frase ‘cuscuz clan’: ‘Abuso’ 
O ódio recalcado da elite de esquerda pelo povo que vai às ruas contra Lula 
Psol aciona TSE para proibir Bolsonaro de usar visita a Londres em campanha

Um comentário:

  1. O Famoso TSE (Trabalhando Sempre à Esquerda) usa em suas decisões dois presos (perdão), dois pesos e duas medidas. Os outros candidatos podem, Esse que está no coração do Povo não pode. A meu ver, o desgastado TSE (Tem Sonhadores Espertos) Sonhar faz bem. Libera a imbecilidade dos cegos de espírito e de alma. E o melhor: mostra a incapacidade de uma disputa onde todos sabemos quem será o vencedor.
    Aparecido Raimundo de Souza
    da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-