sexta-feira, 9 de junho de 2017

[Aparecido rasga o verbo] A porca das mil tetas e o charco com nome engalanado: ‘Capital Federal’

Aparecido Raimundo de Souza

“Todo o poder às putas, porque seus filhos lá já estão”.
(Revolução dos Cravos)

Costumamos dizer que Brasília é um grande avião pousado. Ledo engano, sutil embuste, jocosa falcatrua! Brasília nada mais é que uma porca enorme, descomunal, com mil e uma tetas (tipo Bombril com utilidades que até a empresa fabricante do produto desconfia), onde estão grudados (evidentemente mamando), todos os ladrões e salafrários com procurações outorgadas pelos desmilinguidos e sofridos cidadãos brasileiros dessa gigantesca urbe sem porteira.

Entremeio a peitos durinhos como dessas ninfetas de zona, temos disponíveis no cardápio porcos prostitutos, veados loucos e imundos (porcos e porcas não, seres fenomenais. Taxá-los com esse pejorativo ‘imundo’ seria uma espécie de deselegância, ou discriminação racial, ou seria porcal? Devemos abrir um parêntese para esclarecermos que estamos tratando com bichinhos dóceis e meigos. Seres divinizados que não nos fazem mal algum, pelo contrário, complementam nossas mesas com suas carnes macias e saborosas). O certo, pois, seria chamá-los (sem distinção de sexo e credo religioso) de suínos. Fechamos o parêntese aberto.

Nessa ilustre fêmea do porco, repetindo, vemos comboiados, ajuntados, colados, consumindo, chupando, sorvendo, ou grafado de outra maneira, encontramos criaturas estranhas, de rostos infames, olhares esbugalhados, travestidas de presidentes, governadores, ministros, deputados, senadores, vereadores, e outros cagalhões da pior espécie.

Brasília é, ainda, um chiqueiro malcheiroso, catinguento, putrefato, fedorento, onde além de chafurdarem uma quantidade enorme de suínos e lambões, igualmente se confinam as escórias e as fezes da sociedade, e pior, amigos e amigas, essa cambulhada de hospedeiros inesperados e não convidados, engordando os rabos sujos de merda à nossa custa.

Porcalhões e porqueiros, suínos e ‘suínas’ que a qualquer custo querem o PODER. Em nome dele, com ele, por ele e por intermédio dele, são capazes de cometer as maiores barbaridades. Tiranias e disparates como roubar, extorquir, usurpar, desde que seus intentos venham a ser concretizados. A plebe de vulgachos, nesse jogo oceânico, é a ralé. Os Manés a escória. As Marias Sofridas e as Catarinas Desdentadas, via de mão única, as desprezíveis, as choldras, quando, na verdade, as escumalhas, os despojos e os canalhas SÃO ELES. ELES, os famintos de PODER, disfarçados, mascarados, maquiados de PARLAMENTARES, REPRESENTANTES DO POVO, CONGRESSISTAS, e outros cognomes bonitos de serem pronunciados.

Daria para qualquer otário de carteirinha, ou sem, fazer biquinho à moda francesa, ao articular esses apodos: PARLAMENTARESSSS... REPRESENTANTESSSS... DO POVOOOO... CONGRESSISTASSSS... evidentemente com a voz maviosa do porco ou da porca. 

Na verdade, caros amigos e leitores, todos esses apelidos se traduzem por larápios, pilantras, punguistas, velhacos e ratoneiros, entre outros. Resumindo, os suínos e as ‘suínas’ do nababesco ‘Berço das Grandes Confusões Nacionais’ seguem indefinidamente esgotando, achacando, acriminando, atados aos úberes como moscas varejeiras em mel derramado. São as eternas rapinantes.

Passo idêntico, os flibusteiros e casquilhos, parentes, talvez, daquele outro verme peçonhento, LUCIUS ANTONIUS RUFUS APPIUS, um sem-vergonha que DESABROCHAVA decisões favoráveis a quem melhor lhe pagasse. Embora passados anos da morte desse desgraçado, em dias atuais esse pústula bem poderia servir para enfeitar (enfeitar no sentido de manchar ou desfigurar) os retratos coloridos das áscaris lombricoides, como os muitos Michéis e Dilmas, Lulas e Sarneys, Paloccis e Henriques Eduardos, Rodrigos Loures e Josés Yunes, Elsinhos Moucos e Tadeus Tadando Fillipeli, Vagners Rossis, Romeros Jucás e Coronéis Limas, entre outros asseclas da mesma laia.

O rol, senhoras e senhores, comparado ao daquele empresário alemão, OsKar Schindler, poria, sem maiores consequências, sua própria lista ou a de Fachin nos bolsos, e ainda sobraria espaço para as falcatruas de Eduardinho Cunha e outras cavalgaduras. Afinal, na porca, ou melhor, na vara dos embostelados, abunda uma quadrilha infinda e ilimitada de ripícolas e ripários que até o Complexo Penitenciário da Papuda duvidaria, se lá chegassem para ser hospedados, por nossa conta, se, por qualquer motivo declarassem suas verdadeiras origens e intenções. O PODER, em nome desses cânceres malignos, EMANA, DESPRENDE DAS PORTINFÁLIAS DO INFERNO, A TODO VAPOR E, EM SEU NOME, É EXERCIDO. ENTENDAM AQUI O ‘EXERCIDO’ PARA AJUDAR DE MANEIRA MAIS RÁPIDA E CERTEIRA, NA NOSSA MELHOR FORMA DE DESTRUIÇÃO.

Pois bem, amadas e amados. Trouxemos tudo isso às pregas dessa dança desengonçada para lembrar a essa turma de babacas e idiotas (entendam por babacas e idiotas a prestimosa aglomeração desordenada da massa conhecida igualmente por sociedade) que o maior espetáculo da Terra está armado em Brasília. Têm porcos e porcas, porcas e porcos, suínos e ‘suínas’ de todos os Estados da Fuderação, perdão, Federação. Comprem seus ingressos pela internet. Vale a pena assistir à patacoada da cassação DILMA-TEMER. Os nossos ilustres sinistros, perdão, ‘onrosos’ e intocáveis ministros, prometem, no final desse festim escabroso (sem dia e hora para terminar) mesa farta à porcada. Lembrando, para quem está chegando agora, banca cheia, abastada, diluvial, com rodadas de pizzas para mendigos e moradores de rua nenhum botar defeito. Ah, senhoras e senhores, guloseimas e refrigerantes nos SABORES MAIS VARIADOS!

No final da patifaria, ao glamour do que sobrou do repasto, os porcos, mil desculpas pela gafe, os PARCOS DILMA-TEMER, inauditos e excelsos, desfilarão de mãos dadas, pelas ruas e avenidas do Epicentro, ovacionados pela multidão. Fim previsto. Folhetim sem retoques. Esses dois calhordas estarão, como sempre, elegantes, sorrisos de um canto a outro de suas fuças entumecidas pelo calor da vitória, e, claro, borrifadas a óleo de peroba. Sem falar nos discursos de retóricas perfeitas para pais dos burros e jumentos nenhum botarem defeitos.

Por derradeiro, na famosa Praça dos Três Foderes (não confundam com Poderes), ambos darão, ou melhor, posarão em frente às câmeras e jornalistas do mundo inteiro e farão aquela saudação à Madame Bovary, galanteria essa simbolizada pelo gesto peculiar de uma GRANDE BANANA em direção à nação estupefata e atônita. E os palhaços, todos em derredor, os bufões e arrelias, os carequinhas e fantoches aplaudirão numa só e esfuziante sintonia. Veremos, nessa hora, a degenerescência pervertida em sua melhor forma de contemplação.

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De Brasília, diretamente do grande circo armado em frente ao TSE (Tribunal de Sacanagens Eletrizantes)

Colunas anteriores:

7 comentários:

  1. Excelente texto. Um Agamenon às avessas.
    Jose Matias da Silva
    Super FM 99,9 Vitória ES

    ResponderExcluir
  2. Leonardo Cussoline10 de junho de 2017 09:32

    Pois é. Como disse o jornalista Aparecido Raimundo de Souza, em seu brilhante texto, o Michel Temer permanecerá no poder. A Chapa Dilma-Temer foi absolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por quatro votos a três, nessa noite de sexta-feira (9), após quatro dias de julgamento. Ou quatro dias de Palhaçadas.

    Herman Benjamin, Rosa Weber e Luiz Fux pediram a cassação da chapa eleita em 2014, mas os ‘maugistrados’ como diz com muita propriedade o escritor Aparecido, Gilmar Mendes, Napoleão Nunes Maia Filho, Tarcísio Vieira de Carvalho Neto e Admar Gonzaga optaram pela absolvição das acusações de abuso de poder político e econômico. Os dois últimos foram indicados este ano por Temer para uma vaga no tribunal. O presidente do TSE, Gilmar Mendes, foi responsável pelo desempate. Quanto será que Temer pagou a cada um desses nossos queridos ministros para continuar no poder?

    Entre as acusações que pesavam sobre Dilma e Temer estava o recebimento de propina-gordura ou propina-poupança, ou seja, pagamentos ilícitos recebidos em anos anteriores, mas aplicados efetivamente nas eleições de 2014. Pagamento realizado pelo estaleiro Keppel Fels a Mônica Moura em 2014. Recebimento de propina pelo contrato de navios-sonda da Sete Brasil com a Petrobras.

    Pagamento de propina em conta-corrente da Odebrecht. Compra de apoio político para a chapa da coligação Com a Força do Povo por tempo de propaganda de TV e o pagamento de propinas pelo departamento de operações estruturadas da Odebrecht em benefício da coligação Com a Força do Povo.

    A decisão do TSE, em não cassar, mas casar Temer Dilma, não significa que o peemedebista estará livre de responder pelas crises que atingem o seu mandato. Novas delações premiadas, um possível desembarque do PSDB e uma denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) continuam ameaçando o presidente. Ameaçando no sentido figurado, claro.

    Na segunda-feira (12), o PSDB decide se abandona ou não o governo de Temer.Depende da grana que vai rolar. A possível saída dos tucanos na base aliada pode representar um desembarque em cascata de outras legendas.
    Prova disso, é que o PRB, a nona maior bancada da Câmara, com 23 deputados, já marcou reunião para o mesmo dia para avaliar o cenário político após o TSE e a decisão do PSDB.

    De parabéns o escritor Aparecido Raimundo de Souza, pelo brilhantismo do texto. Pela coragem de enfrentar esses ladrões que mantemos em Brasilia. Acertou na mosca o escritor. Infelizmente continuamos palhaços num circo, num circo logicamente em decadência, como em decadência está o brasil, desde que foi descoberto.

    Leonardo Cussoline

    ResponderExcluir
  3. TSE
    Teatro Histórico! 09/06/2017!
    Temer já havia afirmado ontem que seria 4x3!!!
    Já tinha "mexido" os seus "pares".
    O Brasil já sabia o final da peça Teatral!
    Foi publicado com antecedência. Eleitor Brasileiro, que VERGONHA. Este é o teu Tribunal Superior!
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  4. desculpas,
    mas foda-se o que aconteceu...
    Precisamos das reformas, com Temer ou sem temer...
    Como a reforma política não vai sair do papel, em 2018 continuará a mesma merda.
    Não adianta reclamar em blogs ou face book.
    Não adianta aforismos, histórias e parábolas.
    Alguém tem que revolucionar, povo covarde.
    Um homem que inicia o processo e vota contra ele é por motivos políticos.
    o TSE, o STJ, o STF são escolhas politicas.
    Sem levante popular não muda nada.

    ResponderExcluir
  5. Vai me desculpar, não é foda-se com o que aconteceu, com Temer ou sem Temer, com Reformas ou sem, qualquer um as faria, ou as fará, pois são consenso, hoje a população as apoia. O Poder Judiciário Brasileiro, em uma Corte Superior, envergonhou o País, isto é Grave. Reconhece, analisa os crimes, os considera Graves, e Absolve!!! Lei é para ser cumprida, interesses políticos, jamais podem se sobrepor as Leis. Que VERGONHA!
    E agora em quem acreditar? No Judiciário?
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  6. Nós brasileiros ou apenas aqueles que ainda tem dignidade ainda lutamos por um país digno, sonhamos em ver o Brasil se tornar uma nação! Vivemos hoje um dos episódios políticos mais repugnante da historia de nossa república. E o que vimos foi um verdadeiro circo. Uma vergonha esses políticos e sua corja . Vergonha este por fim é o meu sentimento é certamente o sentimento de todos os brasileiros de bem! mas não percamos a fé,que ainda a esperança de um futuro melhor para nossos filhos,netos e filhos dos nossos netos. Parabéns Aparecido Raimundo de Souza pelo excelente texto o qual nos fortalece para que continuemos a lutar contra toda essa sujeira,que se tornou nosso Brasil. Carla Rejane

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-