quarta-feira, 24 de abril de 2019

[Viagens, Produtos e Serviços] Cidade do Porto


Porto é a segunda cidade e o quarto município mais populoso de Portugal, situada no noroeste do país e capital da Área Metropolitana do Porto, da região Norte e do Distrito do Porto. A cidade é considerada uma cidade global gama. O município, com 41,42 km² de área, tem uma população de 237 591 habitantes (2011) dentro dos seus limites administrativos, sendo subdividido em sete freguesias.

É a cidade que deu o nome a Portugal – desde muito cedo (c. 200 a.C.), quando se designava de Portus Cale, vindo mais tarde a tornar-se a capital do Condado Portucalense, de onde se formou Portugal.

É ainda uma cidade conhecida mundialmente pelo seu vinho, pelas suas pontes e arquitetura contemporânea e antiga, o seu centro histórico, classificado como Património Mundial pela UNESCO, pela qualidade dos seus restaurantes e pela sua gastronomia, pelas suas principais equipas de futebol, o Futebol Clube do Porto, o Boavista Futebol Clube, o Sport Comércio e Salgueiros, pela sua principal universidade pública: a Universidade do Porto, colocada entre as 200 melhores universidades do Mundo e entre as 100 melhores universidades da Europa, bem como pela qualidade dos seus centros hospitalares.

O Porto, juntamente com os concelhos vizinhos de Vila Nova de Gaia e de Matosinhos, forma a Frente Atlântica do Porto, que constitui o núcleo populacional mais urbanizado da Área Metropolitana, situado no litoral, delimitado, a oeste, pelo Oceano Atlântico, com a influência estrutural do estuário do Rio Douro, que une Gaia ao Porto.

A cidade é a mais importante da altamente industrializada zona litoral da Região Norte, onde se localizam grande parte dos mais importantes grupos económicos do país, tais como a Altri, o Grupo Amorim/Corticeira Amorim, o Banco BPI, a BIAL, a EFACEC, a Frulact, a Lactogal, o Millennium BCP, a Porto Editora, a Sonae, a Unicer ou o Grupo RAR. A Associação Empresarial de Portugal está sediada no Porto.

A Região Norte é a única região portuguesa que exporta mais do que importa.

Chegamos ao Porto por volta das 13h, num bonito e azul dia de abril. Fizemos o check-in no hotel e simbora visitar o Porto.






Da Praça da Batalha fomos e voltamos pela Rua Santa Catarina, a Champs-Elysées do Porto.





Descemos a Rua 31 de Janeiro, viramos à esquerda para visitar a Estação Ferroviária de São Bento. 



 

Atravessamos a rua rumo à Praça da Liberdade. Subimos a Avenida dos Aliados, passamos pela Câmara Municipal do Porto, e chegamos à Rua Alferes Malheiro, onde este escriba morou durante os anos letivos de 1965/1966 e 1966/1967. Subimos essa rua. Aliás, turismo a pé para pessoas idosas é um problema, pois são muitas as subidas, mais subidas do que descidas! 😊

Rua Alferes Malheiro, nº 169

Descemos a Rua do Almada e nos direcionamos para a Torre dos Clérigos, passando pela Livraria Lelo, cuja fila estava assim:



Passamos em frente à antiga Cadeia da Relação, hoje Centro Português de Fotografia [foto]. (Ah, quando eu ia para a escola, todas as manhãs, lá estavam os presos agarrados às grades curtindo a paisagem...) entramos na Rua das Taipas e passamos em frente à minha antiga Escola Comercial Oliveira Martins – Seção Taipas.




Descemos até à Ribeira. Lá, fomos para cá e para lá. Tem um elétrico, ‘Passeio Alegre’, que cobra três euros e cinquenta cêntimos e vive apinhado de turistas. Não recomendo, é o verdadeiro programa de índio. Não vai até onde se imagina que vai, enche e, francamente, ir de pé num elétrico turistando é meio (ou inteiro) masoquismo. Quer ir até Matosinhos (Porto de Leixões) e apreciar a margem do Rio Douro e a sua foz? Pegue a linha 500-Matosinhos na Praça da Liberdade. A passagem custa dois euros. Não precisa ir de pé. Se o ônibus estiver cheio, isto é, sem lugar sentado, deixe passar os apressados e espere o próximo, é coisa de quinze minutos. São dois tipos de ônibus que fazem essa linha, de um e de dois andares. Se pegar o de um andar, sente-se à direita do motorista, na ida e na volta.



O Porto tem muitas casas abandonadas, caindo aos pedaços. Isto tem uma explicação política que vem desde o Estado Novo: o excessivo apoio aos inquilinos em detrimento dos proprietários, que, muitas vezes, só têm aquele imóvel e não têm meios de fazer obras de manutenção, nem de pagar os impostos, o jeito é abandonar, deixar pra lá!

Mas, se tem muitas casas e casarões em ruínas, também vimos muitas dessas ruínas em obras de recuperação e remodelação – conservando as fachadas originais. Aplaudo.

Quanto ao trânsito, é algo de indescritível e lamentável! Não se trata (SÓ) de parar em fila dupla atrapalhando um, dois ou três carros que vêm atrás, não! Trata-se de parar, às vezes em fila única, isto é, na faixa de circulação que sobrou, no meio da rua, entre os veículos estacionados em ambos os lados! E os outros que se explodam!! Sei, contando ninguém acredita!


Quando voltamos de Matosinhos, no 500, de dois andares, nos primeiríssimos assentos junto ao para-brisa, demoramos mais uma hora além do habitual. Chegamos ao hotel às 19h30, hora de jantar...
Fotos: Com exceção da primeira imagem, as demais são deste cronista ou de Daniel Torres.

Anteriores:

2 comentários:

  1. Desmembramos esta coluna em duas:
    [Viagens e Destinos] e
    [Produtos e Serviços]

    ResponderExcluir
  2. Excelente, Jim. Você sempre consegue resumir bem e de uma forma muito peculiar.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-