quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Marcos Rogério apoia reforma do Estado defendida por Paulo Guedes

Rádio Senado

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) [foto] afirmou nesta quinta-feira (13), em Plenário, que não se pode desprezar o conjunto das declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, em relação à reforma do Estado. Para o senador, os críticos do ministro tiram suas frases de contexto.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
— Aqueles que não têm argumento para contrapor as bases daquilo que ele está a defender não olham o conjunto da sua fala. Pinçam expressões, frases, para atacá-lo. Particularmente, acho que muitas das frases que usa, das falas que usa, não são apropriadas. São expressões indevidas. Mas não se pode tirar olhos e ouvidos daquilo que ele está a pregar insistentemente com relação ao Estado brasileiro. 

Segundo o senador, os gestores públicos têm administrado despesas permanentes, e não sobram recursos para os investimentos. No caso da União, acrescentou Marcos Rogério, são apenas R$ 8 bilhões para 2020 destinados à infraestrutura, valor insuficiente para o número de projetos necessários.

— Precisamos repensar o Estado brasileiro, reduzir gastos, eliminar despesas supérfluas, abrir mão de privilégios e aceitar sacrifícios que sejam necessários para viabilizar a redução e a eliminação de déficit público. Quando eu me refiro a Estado, estou me referindo aos três poderes da República — disse.

Marcos Rogério afirmou que a arrecadação dos entes federativos tem sido suficiente apenas pagar despesas com pessoal da ativa e com aposentados, e também para cumprir a destinação de percentuais mínimos constitucionais, não sobrando nada para investimentos. Ele informou que a União, em 2019, precisou desembolsar quase R$ 2,5 bilhões para cobrir os gastos do Poder Judiciário e do Ministério Público. Para o senador, essas instituições precisam repensar o seu papel, para aumentar a eficiência e melhorar a prestação do serviço à sociedade. Marcos Rogério acrescentou que o Legislativo também deve fazer esse tipo de avaliação.
Título e Texto: Rádio Senado, Agência Senado, 13-2-2020, 15h44

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-