segunda-feira, 29 de junho de 2020

Os xiitas da prisão domiciliar

Guilherme Fiuza

O confinamento burro nunca organizou a população para o que realmente salva vidas: o isolamento rigoroso dos vulneráveis e a circulação responsável dos não vulneráveis


O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, declarou que já salvou 30 mil vidas com sua política de enfrentamento do coronavírus. É muita vida. E diante de uma ação tão impressionante, com resultado tão preciso, todos devem estar querendo saber como exatamente isso se deu. Mas vão ficar querendo.

A premissa científica do prefeito, assim como a do governador João Doria — seu sócio de lockdown —, é uma espécie de desejo matemático. Eles montaram uma equação relacionando porcentual de população confinada com detenção da epidemia. E pediram ao coronavírus: por favor, não entre nas casas do nosso modelo estatístico, para podermos usar sem culpa o confinamento como estandarte.

Infelizmente o vírus não atendeu ao apelo dos homens bons. Esses vírus de hoje são mesmo muito rebeldes. Mas Covas continuou dizendo que seus prisioneiros domiciliares foram imunizados por decreto, sacramentando o que ninguém sabia: a ciência é um estado de espírito. Ou, numa literatura mais acadêmica: a ciência é o que der na telha do falastrão mais desinibido.

Poucos adeptos do lockdown tiveram a honestidade do governador de Nova Iorque

Sem querer tirar o Oscar de ficção científica das autoridades de São Paulo, precisamos indagar: quantos hospitalizados com covid-19 estavam cumprindo o isolamento? Como se sabe, em várias partes do mundo a maioria dos internados veio do confinamento. Em Nova York, por exemplo, esse número em dado momento chegou a 84% dos hospitalizados — somando-se os que estavam em casa e em asilos. Poucos adeptos do lockdown tiveram a honestidade do governador de Nova Iorque, e em geral dizem que sem confinar a população em casa seria muito pior. Ciência é ciência.

Vamos ajudá-los a conhecer seu próprio modelo com algumas perguntas: quando se iniciou o confinamento, que porcentual da população já infectada por coronavírus se trancou em casa? Não sabem? OK. Então é por isso que também não sabem — ou não querem que saibam — quantos hospitalizados vieram do confinamento? Talvez. Mas vamos em frente: dos que se confinaram, quantos mantiveram contato com pessoas que continuaram circulando? E, entre os que mantiveram, quantos desses que circularam estiveram em aglomerações sem o distanciamento requerido?

Se não puder ficar em casa, dane-se, não é problema nosso

Continuando: que porcentual dos que cumpriram o confinamento pertence a grupos de risco? E desses grupos, quantos fizeram isolamento total em relação aos que continuaram circulando? Não sabem? OK, já entendemos. Vocês não sabem nada.

E, portanto, vocês não têm a menor ideia de qual foi o percurso do contágio dentro e fora dos domicílios, porque vocês não estudaram, não trabalharam, não pensaram. Só falaram. Aliás, falaram sem parar. Como podem afirmar ter salvado 30 mil vidas com lockdown se suas estatísticas não sabem e não querem saber o que aconteceu com uma única vida na prisão domiciliar de vocês?

O confinamento burro nunca organizou a população para o que realmente salva vidas: o isolamento rigoroso dos vulneráveis e a circulação responsável dos não vulneráveis. Todo mundo viu transportes públicos lotados em São Paulo (e em outros lugares) sem nenhuma ação das autoridades para disciplinar esse absurdo. Omissos! Qualquer um pode imaginar quantos voltaram para casa para infectar vulneráveis que não saíam de casa — todos cumprindo regiamente o mandamento poético “se puder, fique em casa” (e se não puder, dane-se, que não é problema nosso).

Governantes covardes querem transformar o lockdown místico em estandarte político

Agora estão aí os éticos de butique dizendo que a culpa foi de quem circulou. Não, a culpa foi de quem se lixou para os que circularam — e também para os que se enfurnaram achando que ficar em casa era seguro de vida, porque o vírus ficaria obedientemente do lado de fora.

Os xiitas da prisão domiciliar continuam por aí esfregando notícias de óbitos na cara dos que tentam fazer a circulação responsável. E os governantes covardes surfam nessa patrulha para tentar transformar o lockdown místico em estandarte político.

Eles não salvaram e não salvarão ninguém. E terão problemas grandes pela frente. Não só porque jamais demonstrarão a alegada eficácia no enfrentamento da epidemia, como porque já está sendo tabulada a mortandade decorrente do próprio lockdown — por doenças represadas, suicídio e fome, entre outros flagelos. A verdade não será trancada.

Título e Texto: Guilherme Fiuza, revista Oeste, 26-6-2020, 8h46

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-